sábado, 16 de maio de 2020

Psychiatry cannot be manipulated for political purposes


With all due respect, the insistence of a few “smart guys” is unreasonable in submitting Jair Bolsonaro to a psychiatric examination, with a view to his rapid, convenient and politically ‘cheap” removal from the presidency of the republic without any need for impeachment.

It is one thing to disagree with the words and attitudes of a combative, argumentative president of a strictly military background, of limited general, legal and literary culture and who is much too frank, even “coarse”, but who was and still is supported by millions of Brazilians who will probably not turn a blind eye to his easy removal based on suspicions raised via “psychiatry”. They will say: — “If Bolsonaro is “crazy”, then we are too, because we think and feel the same way!”

As in the case of all sciences, psychiatry seeks to evolve, but due to the fact that it works with the brain, our most complex organ — much more complex than the liver or kidneys, for example — it is very likely subject to mistakes and slip-ups in its procedures.

One of these blunders would be a psychiatric report, produced for clearly political reasons, stating that the person investigated is mentally incapable of fulfilling his mandate. If he is insane, then there are dozens and dozens of individuals who are just as insane, or even worse than him, throughout the country. It would be necessary to examine more than one hundred people suspected of being “soft in the head”. Many of them crazy for taxpayers’ money. Others, crazy for transforming draft bills, submitted by the Executive Branch — with a view to “cracking down” on criminality — into laws with the opposite effect that are only going to create further obstacles in the fight against white-collar criminals.

In the past, patients suffered from painful electric shock treatment of dubious effectiveness. One of them even stated that it would be possible to illuminate a medium-sized town with the amount of electricity that had gone through his head.

When they did not die from lobotomies or leucotomies, aggressive schizophrenics became “docile” and passive, but with intellectual defects. As far as I know, and I am not a doctor, these two forms of surgical treatment are no longer in use and brain science continues to be full of uncertainty. The blame does not lie with practitioners, but with the complex nature of their object of study.

For this reason, a diagnosis regarding the mental sanity of the acts of a president of the republic, at a very difficult time for the country — and, indeed, the rest of the world — will be seen, quite rightly, as a “coup”, even if the psychiatrists that examine him are mentally honest.

The risk of any bad faith in removing Bolsonaro for reasons of mental illness will not lie with the physician, but the politician or lawyer responsible for selecting the members of the medical committee. Once with a list of psychiatrists, ensuring he is alone with each one, he will ask — requiring simply “yes” or “no” as an answer — whether Bolsonaro is “half-crazy or abnormal, incapable of continuing to govern”.

Based on the political preference of the physician, asked unexpectedly, if he says “yes”, he will be included on the list of possible members of the medical committee. If he says “no”, or “I have not yet made up my mind ...”, his name will be removed without him even knowing. With this selection of prior, extremely subjective political opinions, it would be easy to remove any president of the republic.

Bolsonaro is really reckless and rude when he speaks, in an improvised manner, but his voters prefer a sincere president with an honest past, instead of lying politicians, who are truly walking collections of hackneyed phrases defending the “legitimate rights of citizenship”, but not averse to pocketing, as “intermediaries”, a variable percentage in all high-value government business dealings.

It is possible, and desirable, that Bolsonaro soon correct his naive frankness — pondering the terrible consequences of sincerity — and avoid speaking in an improvised manner on sensitive issues, remembering that his enemies — experts in hiding their real intentions — use “opportune silence” as a “weapon”, a more effective tactic than impulsive sincerity. Viewing silence as a “weapon”, or combat technique, perhaps the president, as an ex-soldier, feels more highly motivated to utilize the useful side of silence. Many politicians have been successful and resilient because they cultivated the “art of  remaining silent” when this was better than speaking. Silence is a great blanket. Getúlio Vargas was a master in this. Luís Carlos Prestes, an extremely intelligent communist, always the top of his class in mathematics, ruined his future when, during an interview — asked about which side he would take if there were a war between Russia and Brazil — he replied that he would support Russia. This was his downfall.      

In general, the oral communication of a military man is harsher, more direct, than that of a professional politician. Napoleon Bonaparte, a military man of exceptional intelligence, a great statesman, was also excessively frank, although brilliant. For example, he said that Constitutions “should be short and obscure”, a phrase that would currently lead to a bout of fainting on the part of respected constitutionalists and ministers of the Supreme Court. With regard to religion, he said that it was useful because “it prevented the poor from killing the rich”. Referring to his ex-minister of foreign affairs, Charles-Maurice de Talleyrand — an educated politician who later became his adversary — he said that “Talleyrand is shit in a silk stocking” (begging your indulgence).

Psychiatry, given the elasticity and uncertainty of its limits, still makes it possible to recognize or “invent” anyone as “sick” with ideas or attitudes that go against majorities, minorities, governments, other psychiatrists or whoever chose them to examine a political enemy. In this case, it is clear that the enemy would be the current president.

There are historical precedents.

When the Soviet Union had Leonid Brezhnev as its General Secretary, Russian psychiatry used and abused the ruse of recognizing anyone who disagreed with official policy as “sick”. The psychiatrist, chosen by him, would recognize the opponent as suffering from “philosophical intoxication”, or “progressive schizophrenia” — a commissioned scientific innovation — and this was sufficient for the stubborn wretch to be “interned” for an indefinite period of time.

It was a way of silencing a dissident without having to kill him, as in the time of Stalin. This “Father of Nations” was very much more direct and virulent than his successors, as he physically eliminated his adversaries — taken from their homes, in the middle of the night — without being worried about the opinion of the public, which could not even have an opinion as there was no free press. When Stalin realized that his political future was at risk, he used his highest court to first “judge” his ex-comrades of the Revolution as “traitors”. Then he executed them. In order to facilitate rapid judgment, the accused were tortured or blackmailed into “confessing” their crimes. Fearing death and also thinking of his family, the dissident perhaps “confessed” with some hope of remaining alive. Vain hope. From the reports I have read, he killed them all, without exception. If you would like to learn more concerning this topic, just read about “The Moscow Show Trials” (1936-1938), during the Great Purge. This small digression shows that political dissidents can be removed not only by psychiatric reports, but also by magistrates.

In the case of Bolsonaro — the mass of voters thought — his misfortune, suffering stab wounds, was not solely moral. It was also physical, with a risk of death and likely planned. Not only by the perpetrator, someone called Bispo who, rather than being crazy, seems to only be a lucid fanatic who carefully planned everything and was able to count on legal assistance soon after his arrest. If Bispo is crazy, then Marat, Danton, Robespierre (guillotine), Hitler, Lenin, Stalin, Mao Zedong, Fidel Castro, etc. would also be crazy, because they killed hundreds of millions of opponents for reasons that we consider to be cruel and inhumane, but not indicative of insanity.

Finally, there is no solid basis for removing Bolsonaro from power before the end of his mandate, something that would delight many people eager to occupy his place. I voted for him as a means of preventing the return of politicians with a greater number of flaws in administering handling taxpayers’ money. At present, his enemies are united and smiling, but, on attaining their objective, they will devour each other with exemplary ferocity.

With regard to the mediocre and encouraged “dispute of comrades” between Moro and Bolsonaro, this rupture between two people who will still be very useful to the country was organized and motivated by politicians, magistrates and the media, who wished to put an end to the Lava Jato corruption investigation and administer the Republic in their own preferred manner. It is my hope that, in the not too distant future, Moro and Bolsonaro — each with their own specialty — will work together in cooperation. One with his competence as a magistrate, the other with his courage to fight with great bravery. The latter perfected with the virtue of the right silence at the right moment.

(This article was written in Portuguese and translated by John Upson. Francisco Cesar Pinheiro Rodrigues is a Brazilian writer, retired judge, resident in São Paulo, Brazil, with several published books. He wrote more than 200 articles, on the most varied subjects, which can be read, in Portuguese, on blog "francepiro.blogspot.com" and on the website www.500toques.com.br. His e-mail is oripec@terra.com.br

(14/05/2020)

terça-feira, 12 de maio de 2020

Bolsonaro, psiquiatria e canibalismo


      Crédito: Rafaela Felicciano/Metrópoles

Como o artigo “Exame psiquiátrico de Bolsonaro” —, publicado no meu blog e no Facebook — teve alguma repercussão mas apareceu em forma reduzida no site “500toques.com.br”, considero ilustrativo publicar um crime ocorrido em 1981, em Paris, que mostra a possibilidade de conclusões totalmente opostas de psiquiatras — no caso, entre franceses e japoneses — sobre a sanidade mental do acusado. Foi o caso de um escritor japonês que, na França, foi considerado louco, e no Japão, “não-louco”. Em ambos os países as decisões transitaram em julgado. Ele é e não é maluco, conforme o país.

Aproveito esta oportunidade para, como “defensor” gratuito de Bolsonaro, lhe dar um conselho amigo de ancião, ex-magistrado, que prefere que você continue no cargo até o fim de seu mandato, não abusando da sorte com declarações e atos que podem decepcionar seus seguidores. Estes mostram-se tolerantes e amigos, mas não são tolos nem fanáticos. Eles o apoiarão enquanto consideraram que você tem bom senso, é objetivo, forte, corajoso, bem-intencionado e que mantem-se no cargo por amor a seu país, não por vaidade, comprando brigas desnecessárias e dizendo que ficará no cargo até 2027. Seus inimigos abusam da má-fé interpretando dolosamente suas palavras, mas não lhes dê razões para criticá-lo com fundamento. O senhor é suficientemente inteligente para saber como proceder com destemor, sabedoria e classe. Mostre que não é apenas corajoso e franco, que é também inteligente. Não deixe seus seguidores na mão.

Voltemos ao caso do escritor japonês. Menciono seu nome porque se não o fizer alguém poderá dizer que estou inventando estórias.

O nome do autor japonês é Issei Sagawa. Em 1981, estudando em Paris, para pós-graduação, ele matou e depois “estuprou” ­— na verdade, tecnicamente, “violou o cadáver” — uma bonita e vistosa estudante holandesa, sua colega, na Université Censiers. Fez isso porque a holandesa — que o ajudava nas traduções naquele momento, no studio dele —, recusou suas propostas cheias de paixão e de libido. Issei, que tem a aparência de um anão mais desenvolvido, cabeçudo — vi uma foto dele —, mede 1,48 m e pesava, na época, 44 quilos, certamente bem menos que a holandesa. Esta, vendo no oriental apenas um colega, mandou que ele se concentrasse no trabalho que estavam fazendo. O japonês se levantou, pegou um rifle calibre 0.22 que estava num armário, atrás da moça, e disparou um tiro na nuca da estudante. Em seguida fez amor com o cadáver e depois cortou seus lábios, nariz, seios e partes pudendas, guardando-as no “freeze’ da geladeira para consumo futuro. E realmente comeu parte dessa carne até ser preso. Ele tinha essa estranha compulsão, ligando o ato sexual ao ato de comer. O caso é descrito resumidamente no livro do escritor canadense Max Haines, no “Book V” de sua série de “True Crime Stories”. O relato está na página 121, no capítulo “Fantasies Turn to Cannibalism”. Pena que essa série não tenha sido traduzida para o português.

O réu, após esquartejar o cadáver, colocou os pedaços em duas malas, que transportou de táxi. Pretendia jogar a carga macabra em um lago ou rio próximo. Na rua, dispensado o táxi, notou que as pessoas olhavam com desconfiança aquele japonês pequeno arrastando duas malas pesadas demais para ele. Assustado, abandonou os volumes na calçada, pensando não haver prova de sua vinculação com o homicídio. Com o passar das horas, o sangue das malas começou a escorrer pelas frestas, despertando suspeita e exame do conteúdo. A polícia só chegou a ele porque o motorista do táxi, lendo as manchetes dos jornais, lembrou-se do estranho oriental e tomou a iniciativa de procurar as autoridades.

Reunidas as provas irretorquíveis contra ele — encontradas em seu pequeno apartamento, principalmente na geladeira —, Issei confessou o crime mas foi considerado irresponsável, louco, não obstante ser homem culto e inteligente. Era fluente em alemão e francês. Estava na França para um doutorado sobre a influência japonesa na literatura francesa. O juiz determinou sua internação em uma instituição psiquiátrica.

Issei era filho de um rico industrial japonês. Passados três anos de manicômio seu pai conseguiu que fosse extraditado para o Japão, sob condição de ficar confinado em um sanatório para doentes mentais. A proximidade da família seria útil para seu “tratamento”. Decorridos, porém, 15 meses de internação foi dispensado. Os médicos nipônicos concluíram que ele era normal. A França nada pôde fazer porque cada país tem sua soberania. E, afinal, o que é “ser louco?”

Após sua liberação — diz Max Haines —, Issei Sagawa escreveu diversos livros sobre seu assunto favorito — o canibalismo. “Um saber de experiência feito”, como diria Camões. A família da vítima holandesa — cujo nome não menciono aqui por respeito à dor alheia — não deve ter boa opinião nem sobre a seriedade da Psiquiatria, nem sobre os bastidores dessa pomposa palavra, geralmente pronunciada com a boca cheia de ignorância inflada: soberania.

Por outro lado, a família de Issei deve ter pensado que todo homem merece uma segunda chance. Afinal, o oriental passou quatro anos e meio em manicômios, embora sendo “normal”, segundo os psiquiatras de seu país. Certamente, haverá quem pense que Issei foi enlouquecido pela paixão rejeitada. Já disse alguém que “O homem é fogo e a mulher, estopa. Vem o diabo e sopra.”

(11/05/2020)

                                                                   


sexta-feira, 8 de maio de 2020

Exame psiquiátrico de Bolsonaro? Ideia maluca.




Descabida, data vênia, a insistência de alguns espertinhos em submeter Jair Bolsonaro a um exame psiquiátrico visando seu afastamento — rápido, cômodo, politicamente “baratinho” —, da presidência da república sem precisar de impeachment.

Uma coisa é discordar das palavras e atitudes de um presidente combativo, “brigão”, de formação estritamente militar, com limitada cultura geral, jurídica e livresca, franco em demasia — até “grosso” —, mas que foi e ainda é apoiado por milhões de brasileiros que provavelmente não vão deixar barato sua fácil remoção por suspeita via “psiquiátrica”. Eles dirão: — “Se Bolsonaro é ‘louco’, nós também somos, porque pensamos e sentimos igual!”

A Psiquiatria, como toda ciência, procura evoluir, mas pelo fato de trabalhar com o cérebro, nosso órgão mais complexo — muito mais que um fígado ou rim, por exemplo —, é previsível que sofra tropeções e escorregões em seus procedimentos.

Uma dessas estopadas seria um laudo, sob evidente encomenda política, dizendo que o investigado é mentalmente incapaz de cumprir seu mandato. Se ele é insano, então há dúzias e dúzias de insanos iguais ou piores que ele, em todo o país. Seria preciso examinar mais de cem suspeitos de “miolo mole”. Muitos deles loucos por dinheiro público. Outros, loucos para transformar projetos de lei, enviados pelo Executivo — visando “endurecer” contra a criminalidade — em leis de efeito contrário, como se viu na invenção do juiz de garantia.

  Tempos atrás os pacientes sofriam com dolorosos tratamentos de choque elétrico de resultado discutível. Um deles chegou a dizer que com a quantidade de eletricidade que recebeu na cabeça estaria em condições de iluminar uma cidade de tamanho médio.

Esquizofrênicos agressivos, quando não morriam nas lobotomias, ou leucotomias, ficavam “dóceis”, passivos, mas com deficiências intelectuais. Pelo que sei — não sou médico —, essas duas formas de tratamento cirúrgico estão hoje em desuso e a ciência do cérebro continua recheadas de incertezas. A culpa não é dos praticantes, mas da natureza complexa do seu objeto de estudo.

 Por essa razão, diagnóstico a respeito da sanidade mental dos atos de um presidente da república, em momento dificílimo para o país — e o mesmo ocorre em nível mundial — será visto, com razão, como “golpe”, mesmo se os psiquiatras que o examinarem forem mentalmente honestos.

O risco da eventual má-fé para afastar Bolsonaro por doença mental, estará não no médico mas no político, ou advogado, encarregado de escolher os integrantes da junta médica. Tendo em mãos uma lista de psiquiatras, ele perguntará, a sós, a cada um deles — exigindo como resposta “apenas sim ou não” —, se Bolsonaro é “meio pancada, ou anormal, incapaz de continuar governando”.

Conforme a preferência política do médico, indagado de supetão, se ele disser que “sim” entrará na lista de um possível integrante da junta médica. Se disser “não”, ou “não tenho ainda opinião formada...”, seu nome será riscado sem que ele saiba. Com essa seleção de opiniões prévias, políticas, extremamente subjetivas, será fácil remover qualquer presidente da república.

Bolsonaro é realmente imprudente e rude quando fala de improviso mas seus eleitores preferem um presidente sincero, de passado honesto, em vez de políticos mentirosos, verdadeiros cachos ambulantes de chavões defendendo os “lídimos direitos da cidadania” mas nada avessos a sacar, como “intermediários”, um percentual variável em todos negócios públicos de alto valor.

É possível, e desejável, que Bolsonaro se corrija logo da franqueza ingênua — pensando nas terríveis consequências da sinceridade — e evite falar de improviso em assuntos sensíveis, lembrando-se que seus inimigos — experts em esconder suas reais intenções —, usam o “silêncio oportuno” como uma “arma” tática mais eficaz que a impulsiva sinceridade. Encarando o silêncio como “arma”, ou técnica de combate, o presidente, ex-militar, talvez se sinta mais motivado a utilizar o lado útil do silêncio. Muitos políticos tiveram êxito e resiliência porque cultivavam a “arte de calar” quando isso era melhor do que falar. O silêncio é um grande cobertor. Getúlio Vargas foi um mestre nisso. Luís Carlos Prestes, um comunista extremamente inteligente, sempre primeiro aluno em matemática, arruinou seu futuro quando, numa entrevista —, indagado sobre de que lado ficaria se houvesse uma guerra da Rússia contra o Brasil — respondeu que apoiaria a Rússia. Isso foi a sua desgraça.      

A comunicação oral do militar é, em geral, mais dura, direta, do que a do político profissional. Napoleão Bonaparte, um militar de excepcional inteligência, estadista de grande envergadura, também era franco em excesso, embora brilhante. Dizia, por exemplo, que as Constituições “deveriam ser curtas e vagas”, frase que hoje provocaria desmaios em respeitados constitucionalistas e ministros do Supremo. Sobre religião, dizia que ela era útil porque “impedia os pobres de matarem os ricos”. Referindo-se a um seu ex-ministro de assuntos estrangeiros, Charles-Maurice de Talleyrand — político maneiroso que depois se tornou seu adversário —, dizia que “Talleyrand é uma meia de seda cheia de merda” (perdoem-me as leitoras).

A psiquiatria, pela elasticidade e incerteza de seus limites, ainda permite reconhecer ou “inventar” como “doente” qualquer pessoa com ideias ou atitudes que contrariem maiorias, minorias, governos, outros psiquiatras, ou quem os escolheu para examinar um inimigo político. No caso, claro, o inimigo seria o atual presidente.

Consultemos precedentes históricos.

Quando a União Soviética tinha como Secretário Geral Leonid Brejnev a psiquiatria russa usou e abusou do artifício de reconhecer como “doente” quem discordasse da política oficial. O psiquiatra, por ele escolhido, reconhecia o opositor como sendo portador de uma “intoxicação filosófica”, ou “esquizofrenia progressiva” — uma inovação científica encomendada —, e isso bastava para que o infeliz teimoso fosse “internado” por tempo indeterminado.

Era uma maneira de calar a boca do dissidente sem precisar matá-lo, como no tempo de Stálin. Este “pai dos povos” era muito mais direto e virulento que seus sucessores pois, eliminava fisicamente os adversários — extraídos de suas residências, na madrugada — sem preocupação com a opinião pública, que nem mesmo podia ter opinião particular porque não havia imprensa livre. Quando Stálin concluiu que seu futuro político estava em risco, usou seu tribunal máximo para, primeiro, “julgar” como “traidores” seus ex-companheiros de Revolução. Em seguida os executou. Para facilidade e rapidez de julgamento os acusados eram torturados ou chantageados para que “confessassem” seus crimes. Temendo a morte e também pensando na família, o discordante “confessava”, talvez com alguma esperança de continuar vivo. Vã esperança. Pelos relatos que li, matou todos eles, todos. Quem quiser saber mais sobre esse tópico basta ler sobre “Os Processos de Moscou” (1936-1938), durante o Grande Expurgo. Esta pequena digressão mostra que discordantes políticos podem ser afastados não só por laudos psiquiátricos como também por magistrados.

 No caso de Bolsonaro — pensou a massa votante —, o seu sofrimento, sofrendo facadas, não foi apenas moral. Foi também físico, com risco de morte, provavelmente planejada. Não só pelo executante, um tal de Bispo — que de louco parece não ter nada, sendo apenas um fanático lúcido que planejou tudo direitinho e contava com assistência advocatícia logo após a sua prisão. Se Bispo é louco, então Marat, Danton, Robespierre (guilhotina), Hitler, Lenine, Stálin, Mao Tse Tung, Fidel Castro, etc. também o seriam, porque mataram centenas de milhões de opositores por razões que consideramos bárbaras, mas não indicativas de insanidade.

Encerrando, não há fundamentação idônea para afastar Bolsonaro do poder antes de seu término, para alegria de muita gente louca de vontade de ocupar o seu lugar. Votei nele como forma de impedir o retorno de políticos com mais defeitos que os dele em matéria de zelo pelo dinheiro público. Seus inimigos estão, no momento, unidos, sorrindo, mas, conseguindo o objetivo devorar-se-ão com exemplar ferocidade.

Quanto a essa medíocre e incentivada “briguinha de comadres” entre Moro e Bolsonaro, essa ruptura entre duas pessoas que ainda serão muito úteis ao país foi arquitetada e estimulada por políticos, magistrados e mídia que queriam acabar com a Lava Jato e mandar na República do jeito deles. Espero que, em futuro não muito distantes, Moro e Bolsonaro — cada um com sua especialidade —, trabalhem em cooperação. Um com sua competência de magistrado, outro com sua coragem de lutar com muita coragem. Esta última aperfeiçoada com a virtude do silêncio certo no momento certo. 

(07/05/2020)