quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Marte é hoje o que será a Terra, amanhã.



Resumindo o presente artigo: Marte é, tudo indica, o túmulo de uma avançada civilização, soterrada na poeira de milhões de séculos.

Tolice — com o devido respeito —, essa miúda preocupação com a existência, ou não, de água salgada, ou doce, na superfície, ou abaixo dela, em Marte; com a existência de vestígios de seres microscópios, vírus e bactérias; com o metano substituindo o oxigênio; com a existência de água em estado líquido e com possibilidade, ou não, de abrigar terráqueos futuramente.

Com tantas terras desocupadas no nosso planeta, não passa de infantil ficção científica as atuais especulações sobre migrações de terráqueos para viverem em Marte. Tais preocupações poderão, talvez, ter sentido daqui muitos milênios. O que precisamos, agora, isto sim, é cuidar do nosso planeta em termos de desflorestamento, redução da camada de ozônio e da poluição, partilha racional da água doce, e uma inteligente e não agressiva contenção no crescimento desordenado da população, gerando pobreza e migrações em massa, com sofrimentos de toda ordem, tanto na saída quanto na chegada dos fugitivos a outros países.    

Se o Planeta Vermelho, eventualmente — como já disse —, conseguiu, com avançada tecnologia, sobreviver, no ambiente hostil, frio e sem oxigênio, isso ocorreu reduzindo tremendamente sua população, vivendo abaixo do solo, o que explicaria a existência de discos voadores — caso ficar comprovado que eles existam.      Pessoalmente, acho que existem, embora não tenha avistado nenhum. E, se existem — progredindo na dedução —, seria bem lógico, normal, que eles estivessem nos observando como futuro habitat, uma maravilha se comparado com o gelado e hostil Marte.

Nunca fui muito interessado em discos voadores mas quando leio alguma coisa sobre eles impressiona-me a constante indagação dos que afirmam a sua existência: — Por que esses tripulantes dos discos só nos espiam, evitando um contato? Qual o interesse deles? Planejam alguma coisa má?

Paro por aqui, no item flying saucers, porque o foco do presente texto é sugerir — com desculpa pelas repetições — que Marte, quando menos gelado, com clima semelhante ao nosso, hoje, teve tempo para crescimento de uma civilização que, ou se extinguiu por completo — deixando suas ruínas cobertas por toneladas de poeira —, ou conseguiu, com muito esforço, sobreviver com reduzida população, vivendo no subsolo, aquecido com a perigosa tecnologia nuclear, mas ambicionando, talvez, colonizar seu planeta mais próximo, no caso, a Terra. 

Obviamente, prefiro que minha hipótese não esteja certa porque já temos confusão demais em nosso planeta, liderado por burros ou espertíssimos governantes, de todos os calibres, que não conseguem, sequer — mesmo com uma ONU — impedir que verdadeiros jumentos, escudados em ilimitada “soberania”, façam o que lhes dá na veneta.

As presentes considerações vieram-me à cabeça com a notícia de que o módulo espacial InSight, da Nasa, pousou anteontem (26/11/2018), com sucesso, na superfície de Marte, pretendendo estudar o interior do planeta.

Arrisco, sem medo do ridículo, acreditar que Marte, hoje, corresponde à Terra no distante futuro, vítima, a Terra, de suas loucuras ambientais e possível guerra nuclear, desencadeada por mero acidente. A estratégia nuclear de “resposta imediata” — contra-atacar antes de verificar se o primeiro ataque não foi acidental — em um planeta, o nosso, cada vez mais recheado de armas nucleares, é convite para o caos.

As considerações, acima e abaixo, neste texto, partem da presunção, que só pode ser correta, de que o nosso Sol era, em “seu início”, bem mais volumoso e quente. Como o combustível dessa gigantesca bola de fogo foi progressivamente se esgotando, sem reposição, houve em um longo período, no passado, em que a Terra era quente demais, inabitável, porém Marte — mais distante do Sol —, tinha uma temperatura agradável, como a Terra, hoje.

Astrônomos afirmam que a cada segundo mais de 4 milhões de toneladas de matéria solar são convertidas em energia. Isso significa um constante esfriamento do “forno”. Um dia, o sol se extinguirá — afirmação unânime da Astronomia —, por esgotamento, após um súbito crescimento que queimará nosso planeta. Será o “canto do cisne” da nossa estrela.

Repetindo, o Sol no seu início era mais quente que agora. Tão quente que nosso planeta não podia hospedar a vida. Marte, porém, naquela época, podia florescer em crescente civilização, porque mais distante do sol. Depois dessa longa fase, com o sol se esfriando progressivamente, a Terra se tornou habitável e Marte, mais distanciado do sol, tornou-se frio demais, só podendo, talvez, e dificilmente, abrigar uma vida subterrânea de seres inteligentes com um altíssimo nível de tecnologia.

Não tenho a menor dúvida de que a vida brota em todo corpo celeste com tamanho suficiente para sua longa duração, desde que receba luz, calor adequado e contenha água. Isso aconteceu com Marte, antes de a Terra, quente demais, não possibilitar a vida. Marte e Terra são como que planetas irmãos, só que Marte nasceu primeiro. Quando a Terra ainda era habitada por dinossauros, ou nem isso, Marte talvez fosse uma espécie de Idade Média terrestre.

Como todos os seres vivos — todos, sem exceção — nascem com duas tendências que sempre me impressionaram pela constância — o instinto de auto conservação e de propagação — isto é, comida e sexo —, os “bichos” marcianos também evoluíram lentamente de bactérias até seres inteligentes, semelhantes a humanos. De mutação em mutação — por acidente genético e também por pressão do ambiente hostil — os marcianos inventaram a escrita, descobriram as matemáticas e chegaram ao conhecimento profundo da matéria.

Parece-me lógico concluir que em Marte também tenha surgido um Albert Einstein, ou teórico de igual nível. Pensando, pensando e pensando, o “Einstein marciano”, igualmente cismado, cavando nas suas especulações, acabou esbarrando no mistério das partículas quase invisíveis da matéria, só enxergáveis com microscópio eletrônico. Enquanto isso, na Terra, sequer sabíamos, que nosso órgão pensante era o cérebro e não o coração, ou fígado.

Sendo o marciano um animal inteligente, tal como o homem, os dois impulsos primordiais, acima referidos — auto preservação e propagação da espécie — com o constante estímulo de luta pela supremacia, “governos” marcianos devem ter entrado em conflito global que acabou destruindo a vegetação e o meio ambiente. Lembremo-nos que nosso oxigênio origina-se das plantas. Sem estas, vida somente elementar e rara.

                 Finalizando, futuras escavações ou prospecções, em Marte, se encontrarem alguma coisa “interessante”, não será apenas água, ou extintas formas primárias de vida microbiana. Encontrarão é construções de cimento, ou material equivalente, soterradas. Vestígios de extinta civilização, ou — mais dificilmente —, provas de uma atual e diminuta “civilização subterrânea”, inteligente e talvez pacífica porque avançada demais.

                 Acredito que quanto mais avançada for qualquer civilização, mais compreensiva e ética ela se torna, o que explicaria a não-tentativa, até agora, dos eventuais marcianos, de dominar a terra, tirando proveito de seu maior avanço tecnológico. Se eles foram capazes de construir discos voadores, isso será prova de sua superioridade, demonstrada na aeronáutica.

                Não me venham com o argumento de que nem sempre o avanço tecnológico ou científico tende para bem porque a ciência nazista era extremamente cruel. Na verdade a “ciência nazista” não passava de asneira demagógica buscando prestigiar o regime com uma fantasiosa aura científica.

               Aguardemos as prospecções em Marte.

               (28/11/2018) 

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

O Banco do Brasil, os idosos e os golpes nos cartões de crédito.


Sinto-me injustiçado, até mesmo injuriado, com a decisão desse banco estatal de não me indenizar pelo “saque” criminoso de R$12.680,00 de minha conta corrente — falsas “compras e saques” —, no dia 5 de outubro de 2018, uma sexta-feira — o dia preferido dos meliantes —, realizado por uma gangue especializada na clonagem de cartões de crédito e débito.

Minha revolta não decorre tanto do montante do prejuízo — para mim economicamente suportável —, mas da exclusiva preocupação do Banco do Brasil em lucrar o máximo, em seu balanço, em detrimento de correntistas idosos — geralmente avessos às complicações da informática — que recebem suas aposentadorias sem poder previamente escolher o banco pagador.

A portabilidade (mudança de banco) será, claro, uma forma de saída, dos prejudicados pela política do BB — incômoda, principalmente ao correntista idoso. Ocorre que essa mudança de banco pode ser trabalhosa porque o correntista velho, no geral tem vários débitos automáticos em conta, empréstimos parcelados e outras complicações burocráticas.

Daí a procedência dos estudiosos de instituições bancárias quando sugerem a privatização do Banco do Brasil, argumentando que o poder do Estado de forçar os funcionários públicos a receberem seus salários e aposentadorias nesse banco estatal estimula excessos de astuto “rigor”. Astuto porque talvez o banco tenha seu próprio seguro, quando indeniza o correntista roubado. Não sofrerá desembolso.

A falta de concorrência, em igualdade de condições, estimula o abuso. Inclusive na forma sumária, bitolada, cômoda, de investigar os fatos, nas contestações de débitos, usando a técnica marota de só preencher uns quadradinhos de “sim”, ou “não” apenas com um xis.

O presente artigo visa alertar, com meu infeliz exemplo, pessoas que já caíram no “golpe do cartão” — principalmente idosos —, a reagirem à própria e natural aversão ao uso massivo de celulares, smartphones, e maquininhas de todo tipo — em constantes alterações para o bem e para o mal, em igual proporção. Como se o idoso não tivesse nada mais a fazer na vida a não ser estudar e exercitar os dedos em celulares e outros “brinquedos” perigosos, tentando se desviar das flechadas cibernéticas do mal. Isso porque na mínima distração seu patrimônio entra em risco, sem o escudo do banco.

E não há saída. Sem um cartão de crédito você se torna um homem das cavernas. Não pode abolir o perigoso plástico que tem um segredinho de três dígitos  no verso, número que pode ser rapidamente lido e memorizado quando manuseado por um eventual funcionário desonesto do estabelecimento vendedor. Se quiser fazer uma pequena compra talvez não consiga pagar com dinheiro vivo, como já aconteceu comigo, porque não havia troco disponível na loja. Esse descompasso entre a rapidez vertiginosa da técnica e a compreensível lenta atualização dos idosos na forma de defender seu patrimônio — supostamente guardado no banco — obrigaria este, pelo menos moralmente, a indenizar o correntista com um seguro que deveria ser obrigatório. Se o é, no meu caso foi descumprido.  

Esse favorecimento do BB no recebimento dos proventos de seus aposentados estimula a intolerância bancária no ouvir explicações quando idosos caem no golpe.

Como desembargador estadual de São Paulo, aposentado, recebo pelo Banco do Brasil. Não sei se os outros bancos teriam a mesma decisão “severíssima” de não cobrir meu prejuízo, caso ouvissem meus argumentos apresentados oralmente na fase administrativa de contestação do débito, dentro na agência. Meus argumentos não foram sequer ouvidos pela administração central do banco porque no formulário da contestação só havia quadradinhos a serem preenchidos com um “sim” ou “não”. Sem espaço para a explicação do detalhe que me beneficiava: o fato de eu haver tentado me comunicar com o celular profissional do gerente de relacionamento do banco quando uma voz de mulher me “alertou”, falsamente, que meu cartão fora clonado.

Cheguei até a pensar — erroneamente, revoltado —, que há, por traz desse meu “castigo financeiro”, alguma conotação política: a indisfarçável alegria de punir um desembargador aposentado, tão “ingênuo” que chegou a cair no “conto do motoboy”. — “Como podem esses desembargadores pedir aumento quando se mostram tão incompetentes, despreparados, a ponto de acreditar nas palavras de uma bandida que se fazia passar por colega do gerente do banco, momentaneamente ausente”?

Se, eventualmente, foi essa a intenção do banco ao não cobrir meu prejuízo, esclareço que como magistrado aposentado não recebo — e não teria qualquer sentido recebê-la — qualquer quantia “extra”, rotulada de “penduricalhos”.

Foram compras e saques claramente mentirosos, fora do padrão dos meus gastos. Felizmente — espero que não mudem de ideia... —, o setor de Cartões entendeu logo o que havia ocorrido e “só” sofri o prejuízo na conta corrente, no valor acima mencionado.

Como já disse — se não estou mal informado —, só pelo fato de ser correntista, tenho um seguro contra fraudes desse tipo. E talvez o BB nem teria prejuízo se cobrisse meu prejuízo, porque bancos costumam ter sua própria cobertura securitária quando cobrem o dano do correntista.

Esse golpe, “clonagem” em sentido amplo, cada vez mais aperfeiçoado, lesou centenas ou milhares de vítimas — de preferência idosos —, sabidamente avessos a acompanhar, de perto, as quase diárias mudanças na informática, cada vez mais complicadas, até mesmo ditatoriais no exigir o uso simultâneo de celulares, smartphones, com infindáveis senhas, e “modus operandi” — variando de banco para banco — na forma de utilizar os caixas eletrônicos e movimentação do dinheiro pelo computador.

O cartão de crédito tem o seu lado útil, estimulando o consumo e a produção, mas mesmo usado com cautela tornou-se fonte de preocupações e endividamentos. Milhões de brasileiros estão endividados — não é meu caso — e sempre em perigo no item segurança.

Se queremos comprar algo pela internet, ao telefonarmos para o vendedor, o funcionário da empresa tem o pleno direito de exigir que o comprador mencione os três dígitos escritos — esqueci a nomenclatura — no verso do cartão. Mencionado o número, quem pode garantir que um funcionário desonesto — ou financeiramente desesperado — não venderá o número do cartão juntamente com esses três dígitos a uma organização criminosa? Ninguém está livre dessa possibilidade. Quando pagamos uma conta com o cartão — em qualquer estabelecimento — será facílimo ao funcionário uma rápida e furtiva espiada no verso dele, para memorizar os três dígitos do verso.

A segurança será sempre precária.  Não é à-toa que em muitos estabelecimentos há o aviso de que “não aceitamos cartões de crédito e débito”. É preciso, urgente, inventar algo que seja mais seguro que o atual modelo de cartão.

Essa técnica de venda — boa para os bancos mas perigosa para os correntistas — dispensa a contratação de milhares de funcionários, explicando simultaneamente o invulgar lucro bancário e o aumento do desemprego. Não é de admirar, por exemplo, o lucro — 3,13 bilhões — do BB no segundo trimestre de 2018, mesmo com a economia em depressão. Vou contribuir, involuntariamente, com meus caraminguás, acima referidos, para o lucro do BB no último trimestre deste ano.

A bandidagem especializada na informática percebeu onde está o ponto fraco de suas vítimas preferenciais — os idosos — e inovam constantemente suas técnicas. Sabendo disso, os bancos deveriam aconselhar — ou obrigar — seus correntistas a fazerem o seguro contra golpes, via cartão, algo que nunca me foi proposto pelo BB, que eu me lembre. Eu pagaria, com a maior boa-vontade, um seguro desse tipo porque o progresso criminoso na informática, na computação e na tecnologia de telefones torna-nos praticamente indefesos. Tanto nas decisões do banco quanto na justiça. Esta agora inventou, dizem, um paradigma cômodo para responsabilizar  — automaticamente — só o correntista pelas falhas da prevenção bancária na luta contra o crime cibernético.

 Ressalte-se que a bandidagem pode hoje até matar sem tiro, faca ou dinamite. Basta contratar um racker (pirata cibernético) para “fazer o serviço” matando, como já ocorreu, na Itália, quando a justiça lutava contra a Máfia.

Segundo relato de um jurista brasileiro — que ouviu a informação de um magistrado da Itália —, a Máfia italiana não se conformava com o fato de não poder matar os “arrependidos” que, presos, denunciavam os colegas de crimes, em troca de absolvição, ou redução da pena. Esses “dedos duros” denunciavam os colegas e depois desapareciam, protegidos pelo serviço de proteção de testemunhas.

Impossibilitados de efetuar um “merecido castigo”, os mafiosos denunciados, espalharam a notícia de que, não conseguindo matar o traidor, assassinariam um seu irmão, ou outro parente próximo, ou o cônjuge. Com uma ameaça desse tipo, seriam raras novas delações. No caso contado pelo juiz italiano, a Máfia mandou matar o irmão do “rato”. O infeliz parente, ao sair do escritório recebeu vários tiros dos executores que, vendo a vítima imóvel e ensanguentada, fugiram rapidamente do local, pensando que a vítima estava morta. Mas pensaram errado porque apesar do número de perfurações, ela sobreviveu.

Levada às pressas ao hospital, a vítima ficou na UTI, com aparelhos gotejando em suas veias os remédios e nutrientes necessários à sua sobrevivência. A Máfia, inconformada com seu “azar” e vendo o hospital protegido com policiais, teve uma ideia: que tal contratar um super racker para “completar o serviço”?  Encontraram um especialista, na Suíça, que conseguiu entrar no sistema de computadores do hospital e desligar os aparelhos que mantinham a vítima viva. Desligados os aparelhos — não me perguntem como — ela morreu.

No caso que me prejudicou, o fato ocorreu da seguinte forma: no dia 5 de outubro, uma sexta-feira, por volta das 10:30 horas, fui, como carona, no carro de um amigo, a um shopping center, em São Paulo — não menciono aqui o nome do shopping para não prejudicá-lo —, para solicitar, numa loja da Vivo, a transferência, para mim, de um telefone fixo que estava em nome de meu filho. Para sair do shopping era preciso, moralmente, que eu pagasse pelo estacionamento do carro, vez que seu dono me fizera um favor ao me acompanhar. Fiz o pagamento da única maneira possível naquele local: usando meu cartão de crédito/débito do BB.

 Não percebi nada de estranho ao usar o cartão mas concluí, dias depois, vendo a fatura, que foi nesse local que provavelmente ocorreu a clonagem — ou termo equivalente —, porque algumas horas depois de usar meu cartão no estacionamento, já em casa, recebi um telefonema, com voz de mulher, no meu aparelho fixo, dizendo-se funcionária do BB, zelando pela segurança do cliente.

Como ela sabia meu nome, meu telefone e que era correntista do BB?

Ela perguntou se eu havia feito alguma compra, no dia anterior, com o cartão, no valor de R$1.700,00. Disse a ela que não. Em seguida, ela perguntou se eu havia feito algum saque na parte da manhã do dia cinco. Novamente neguei. Então, ela me disse que meu cartão havia sido clonado e que eu deveria cancelar — ou termo equivalente — o cartão, o mais depressa possível e que a polícia já estava no encalço dos bandidos porque estavam ocorrendo inúmeros casos. E começou a me dar instruções para inutilizar o cartão cortando-o ao meio, no sentido horizontal, por cima dos números, colocando-os em um envelope lacrado, etc. Posteriormente, constatei, pelo extrato bancário, que antes dessa chamada não houve compras ou saques na minha conta corrente.

Prosseguindo. Meio desconfiado, disse à suposta bancária, antes dela prosseguir, que eu precisava falar, com urgência, com uma pessoa — não disse quem — e que conversaríamos depois. Desliguei esse telefone, deixando-o em minha mesa, e peguei outro, também fixo, e telefonei para o celular do gerente de relacionamento da agência do BB para indagar dele se a notícia da clonagem era verdadeira. O telefone tocou algumas vezes mas não foi atendido. Desliguei e novamente tentei falar com ele. Quando nessa tentativa a mesma mulher, ou outra com voz parecida, entrou na linha, ou ligou de novo, usando o primeiro telefone — já não me lembro —, insistindo na urgência de se prender os meliantes, dando-me instruções sobre como cortar o cartão e levá-lo, o mais cedo possível, a Osasco, a um endereço que ela logo mencionaria, porque a polícia já estava no encalço dos infratores.

Eu disse a ela que não tinha possibilidade, naquele dia, sexta-feira à tarde, de ir até Osasco porque minha mulher estava adoentada e eu só poderia fazer isso na segunda-feira. Ela então me respondeu que, como a pressa era muito importante, o banco poderia, como um favor, enviar o cartão cortado por mim, à polícia, disponibilizando um motoboy de confiança do banco.

Acreditando que a mulher estava substituindo o gerente — para quem eu estava ligando —, acabei confiando nela, presumindo que o gerente, precisando se ausentar, deixara seu celular profissional com ela, e por isso dei à mulher alguns informes, como endereço, filiação, CPF, etc. Não me lembro de ter dado senhas mas, como houve saques em dinheiro — segundo relatos “da funcionária” —, informou-me depois o gerente que se houve saques de dinheiro isso só pode ter ocorrido se eu dei minha senha. Será?  Tenho minhas dúvidas. Se pode-se até “tele-matar”, como fez a Máfia, não acho impossível até a clonagem de celulares, mesmo de gerentes de banco.

Só depois de vários dias do ocorrido fiquei sabendo do detalhe de que, nos telefones fixos, quando desligamos o aparelho, mas quem chamou não desligou, quem chamou escuta tudo o que acontece na outra ponta de linha. A estelionatária que telefonou pra mim, dizendo que era do banco, tendo permanecido da linha — sem eu soubesse — deve ter deduzido que eu, após desligar, ligara, sem êxito, para o gerente enquanto ela segurava a linha. Aí ela provavelmente desligou e ligou de novo para mim, dizendo que não pudera atender meu chamado de poucos segundos antes, quando eu ligara para o gerente.

Frise-se que é comum que gerentes de bancos não atendam chamadas quando estão atendendo um cliente em assuntos mais complicados. Não atendem no momento mas, tão logo dispensado o cliente, verificam, no seu telefone, quem havia ligado sem ser atendido, e ligam para ele.  No caso, eu. Foi assim, suponho, que voltei a escutar a falsa funcionária, preocupado com a urgência da polícia em pegar logo os marginais. Pensava, insisto, estar falando com alguém de confiança do gerente porque eu ligara para o celular profissional dele.

 Deve ter sido essa a técnica esperta utilizada pelo grupo criminoso. Saliento, ainda, que é comum receber chamadas, na minha residência, do BB, perguntado se eu emiti um cheque no valor de xis reais, ou se fiz uma transferência eletrônica de valor alto. Face a essa prática, parecia-me normal, até elogiável, receber um telefonema do Banco me alertando que meu cartão fora clonado.

Como estávamos em uma sexta-feira, próximo do horário de fechamento da agência, havia o sério risco de o bandido fazer novos saques e compras no sábado e no domingo. Daí minha pressa em enviar o cartão cortado pelo meio, dentro de um envelope. Pensei, na pressa, que um cartão cortado, “inutilizado”, não serviria pra nada, a não ser para a polícia, em busca de prova policial.

Como já disse antes, o Judiciário, preocupado com o fluxo enorme de lesados, decidiu agora trilhar um caminho jurisprudencial bastante cômodo: se o correntista foi, de alguma forma, “ingênuo”, entregando um cartão cortado a um motoboy supostamente enviado pelo banco, “que se dane!”

 No caso, não me considero um ingênuo porque havia motivo para acreditar que estava falando com uma funcionária auxiliar do gerente de relacionamento, uma vez, insisto, que eu ligara para o celular profissional dele.

 Ignoram, tais decisões recentíssimas da Justiça que ela deveria ser detalhista, individualizada, examinando as particularidades do agir humano. Se, à guisa de comparação, um homem mata outro, seu julgamento não pode depender do preenchimento de quadradinhos a serem preenchidos com um xis como aquele usado no formulário do banco na contestação do débito. A analogia seria algo assim: “Matou? Então está automaticamente condenado a cumprir tantos anos de cadeia!”.  Não. O homicídio pode ter sido cometido em legítima defesa; ou sob domínio de violenta emoção logo em seguida a injusta provocação da vítima”; ou quando o acusado não estava no uso normal de suas faculdades mentais, sem culpa própria.

No meu caso, o BB decidiu não me indenizar porque, cheguei a entregar a um motoboy, aparentemente enviado pelo banco, um cartão de crédito cortado — para mim ele não prestaria para mais nada, a não ser como possível prova policial.

Uma pergunta: todo correntista do BB, quando dos fatos, em 5 de outubro, era obrigado a saber que quando uma pessoa telefona para outra, usando telefone fixo, quem chama pode segurar a linha, mesmo quando a outra pessoa desligou o telefone?  Eu só vim a saber disso depois de sofrer o prejuízo.

 A regra de que “ninguém pode alegar ignorância da lei” só vale para as leis, não para o conhecimento das técnicas criminosas. A valer esse princípio, no caso dos cartões, o poder público deveria, por coerência, obrigar todos os correntistas, principalmente os velhos, a frequentar cursinhos para atualizar os correntistas sobre todas as novidades criadas pelos criminosos. Exigência semelhante aos cursos obrigatórios para revalidação da carteira de motorista. Se, sem a carta, não pode dirigir, sem o curso de atualização informática criminosa, o velho não poderia continuar como correntista, devendo-se fechar sua conta, caso ele não o faça”.

Pela minha recente experiência, é uma péssima escolha, para idosos, ter como banco — para recebimento de suas aposentadorias —, uma entidade financeira que exige de todos os seus clientes — com igual rigor para todas as idades —, um constante acompanhamento das inovações e malandragens cibernéticas.

Os idosos são hoje beneficiados com vagas nos estacionamentos de shoppings, supermercados e outros locais. Têm prioridades nos processos judiciais e para indenizações vindas do poder público. Mas em golpes espertíssimos, via informática, os velhos que se danem porque não sabem dos mais recentes truques, sempre aperfeiçoados.

Para mim, até três meses atrás — doravante será diferente —, eu só usava o celular quando saía de carro para o caso de sofrer algum acidente automobilístico, precisando chamar o guincho. Essa aversão dos idosos a celulares, smartphones, aplicativos, e miríades de coisinhas inventadas semanalmente, é um dado da realidade, queiram ou não os bancos, que deveria pesar na hora do banco decidir se cobre ou não o dano. Isso já está recomendado na legislação.

A Constituição Federal de 1988 diz, no art.230, que “A família, a sociedade e o Estado têm o dever de amparar as pessoas idosas, assegurando sua participação na comunidade, defendendo sua dignidade e bem-estar e garantindo-lhes o direito à vida”. E a Lei nº 8.842/1994 detalha essa preocupação. E idoso é quem tem mais de sessenta anos.

 Eu preencho, com largueza, esse requisito. Tenho 86 anos, faço 87 em janeiro próximo, leio e escrevo muito. Sei pouco de computação — só o suficiente para escrever meus livros e artigos — porque gasto meu tempo lendo livros, revistas e jornais (apenas notícias e artigos de opinião). Não perco tempo com esportes, nem com fofocas. Doravante ficarei mais “esperto”, contratando técnicos para me atualizar sobre truques novos porque o banco às vezes sabe menos que os bandidos cibernéticos que depenam seus correntistas.


Sei que o Banco do Brasil, agora, sob nova e honrada presidência, está pondo ordem na casa, mas presidentes — seja do que forem —, nem sempre sabem o que está ocorrendo em todos os setores. Talvez, examinando meu caso, me dê razão, dispensando-me de entrar na justiça em busca de uma indenização.

Que minha má experiência seja de bom proveito para meus colegas etários — ou “otários” —, porque seremos sempre as vítimas preferenciais dos bandidos mais covardes eis que podem roubar sem qualquer risco pessoal.

Aos velhinhos, em especial, um conselho: corram, com bengala e tudo, enquanto é tempo.

(23/11/2018)