sábado, 16 de maio de 2020

Psychiatry cannot be manipulated for political purposes


With all due respect, the insistence of a few “smart guys” is unreasonable in submitting Jair Bolsonaro to a psychiatric examination, with a view to his rapid, convenient and politically ‘cheap” removal from the presidency of the republic without any need for impeachment.

It is one thing to disagree with the words and attitudes of a combative, argumentative president of a strictly military background, of limited general, legal and literary culture and who is much too frank, even “coarse”, but who was and still is supported by millions of Brazilians who will probably not turn a blind eye to his easy removal based on suspicions raised via “psychiatry”. They will say: — “If Bolsonaro is “crazy”, then we are too, because we think and feel the same way!”

As in the case of all sciences, psychiatry seeks to evolve, but due to the fact that it works with the brain, our most complex organ — much more complex than the liver or kidneys, for example — it is very likely subject to mistakes and slip-ups in its procedures.

One of these blunders would be a psychiatric report, produced for clearly political reasons, stating that the person investigated is mentally incapable of fulfilling his mandate. If he is insane, then there are dozens and dozens of individuals who are just as insane, or even worse than him, throughout the country. It would be necessary to examine more than one hundred people suspected of being “soft in the head”. Many of them crazy for taxpayers’ money. Others, crazy for transforming draft bills, submitted by the Executive Branch — with a view to “cracking down” on criminality — into laws with the opposite effect that are only going to create further obstacles in the fight against white-collar criminals.

In the past, patients suffered from painful electric shock treatment of dubious effectiveness. One of them even stated that it would be possible to illuminate a medium-sized town with the amount of electricity that had gone through his head.

When they did not die from lobotomies or leucotomies, aggressive schizophrenics became “docile” and passive, but with intellectual defects. As far as I know, and I am not a doctor, these two forms of surgical treatment are no longer in use and brain science continues to be full of uncertainty. The blame does not lie with practitioners, but with the complex nature of their object of study.

For this reason, a diagnosis regarding the mental sanity of the acts of a president of the republic, at a very difficult time for the country — and, indeed, the rest of the world — will be seen, quite rightly, as a “coup”, even if the psychiatrists that examine him are mentally honest.

The risk of any bad faith in removing Bolsonaro for reasons of mental illness will not lie with the physician, but the politician or lawyer responsible for selecting the members of the medical committee. Once with a list of psychiatrists, ensuring he is alone with each one, he will ask — requiring simply “yes” or “no” as an answer — whether Bolsonaro is “half-crazy or abnormal, incapable of continuing to govern”.

Based on the political preference of the physician, asked unexpectedly, if he says “yes”, he will be included on the list of possible members of the medical committee. If he says “no”, or “I have not yet made up my mind ...”, his name will be removed without him even knowing. With this selection of prior, extremely subjective political opinions, it would be easy to remove any president of the republic.

Bolsonaro is really reckless and rude when he speaks, in an improvised manner, but his voters prefer a sincere president with an honest past, instead of lying politicians, who are truly walking collections of hackneyed phrases defending the “legitimate rights of citizenship”, but not averse to pocketing, as “intermediaries”, a variable percentage in all high-value government business dealings.

It is possible, and desirable, that Bolsonaro soon correct his naive frankness — pondering the terrible consequences of sincerity — and avoid speaking in an improvised manner on sensitive issues, remembering that his enemies — experts in hiding their real intentions — use “opportune silence” as a “weapon”, a more effective tactic than impulsive sincerity. Viewing silence as a “weapon”, or combat technique, perhaps the president, as an ex-soldier, feels more highly motivated to utilize the useful side of silence. Many politicians have been successful and resilient because they cultivated the “art of  remaining silent” when this was better than speaking. Silence is a great blanket. Getúlio Vargas was a master in this. Luís Carlos Prestes, an extremely intelligent communist, always the top of his class in mathematics, ruined his future when, during an interview — asked about which side he would take if there were a war between Russia and Brazil — he replied that he would support Russia. This was his downfall.      

In general, the oral communication of a military man is harsher, more direct, than that of a professional politician. Napoleon Bonaparte, a military man of exceptional intelligence, a great statesman, was also excessively frank, although brilliant. For example, he said that Constitutions “should be short and obscure”, a phrase that would currently lead to a bout of fainting on the part of respected constitutionalists and ministers of the Supreme Court. With regard to religion, he said that it was useful because “it prevented the poor from killing the rich”. Referring to his ex-minister of foreign affairs, Charles-Maurice de Talleyrand — an educated politician who later became his adversary — he said that “Talleyrand is shit in a silk stocking” (begging your indulgence).

Psychiatry, given the elasticity and uncertainty of its limits, still makes it possible to recognize or “invent” anyone as “sick” with ideas or attitudes that go against majorities, minorities, governments, other psychiatrists or whoever chose them to examine a political enemy. In this case, it is clear that the enemy would be the current president.

There are historical precedents.

When the Soviet Union had Leonid Brezhnev as its General Secretary, Russian psychiatry used and abused the ruse of recognizing anyone who disagreed with official policy as “sick”. The psychiatrist, chosen by him, would recognize the opponent as suffering from “philosophical intoxication”, or “progressive schizophrenia” — a commissioned scientific innovation — and this was sufficient for the stubborn wretch to be “interned” for an indefinite period of time.

It was a way of silencing a dissident without having to kill him, as in the time of Stalin. This “Father of Nations” was very much more direct and virulent than his successors, as he physically eliminated his adversaries — taken from their homes, in the middle of the night — without being worried about the opinion of the public, which could not even have an opinion as there was no free press. When Stalin realized that his political future was at risk, he used his highest court to first “judge” his ex-comrades of the Revolution as “traitors”. Then he executed them. In order to facilitate rapid judgment, the accused were tortured or blackmailed into “confessing” their crimes. Fearing death and also thinking of his family, the dissident perhaps “confessed” with some hope of remaining alive. Vain hope. From the reports I have read, he killed them all, without exception. If you would like to learn more concerning this topic, just read about “The Moscow Show Trials” (1936-1938), during the Great Purge. This small digression shows that political dissidents can be removed not only by psychiatric reports, but also by magistrates.

In the case of Bolsonaro — the mass of voters thought — his misfortune, suffering stab wounds, was not solely moral. It was also physical, with a risk of death and likely planned. Not only by the perpetrator, someone called Bispo who, rather than being crazy, seems to only be a lucid fanatic who carefully planned everything and was able to count on legal assistance soon after his arrest. If Bispo is crazy, then Marat, Danton, Robespierre (guillotine), Hitler, Lenin, Stalin, Mao Zedong, Fidel Castro, etc. would also be crazy, because they killed hundreds of millions of opponents for reasons that we consider to be cruel and inhumane, but not indicative of insanity.

Finally, there is no solid basis for removing Bolsonaro from power before the end of his mandate, something that would delight many people eager to occupy his place. I voted for him as a means of preventing the return of politicians with a greater number of flaws in administering handling taxpayers’ money. At present, his enemies are united and smiling, but, on attaining their objective, they will devour each other with exemplary ferocity.

With regard to the mediocre and encouraged “dispute of comrades” between Moro and Bolsonaro, this rupture between two people who will still be very useful to the country was organized and motivated by politicians, magistrates and the media, who wished to put an end to the Lava Jato corruption investigation and administer the Republic in their own preferred manner. It is my hope that, in the not too distant future, Moro and Bolsonaro — each with their own specialty — will work together in cooperation. One with his competence as a magistrate, the other with his courage to fight with great bravery. The latter perfected with the virtue of the right silence at the right moment.

(This article was written in Portuguese and translated by John Upson. Francisco Cesar Pinheiro Rodrigues is a Brazilian writer, retired judge, resident in São Paulo, Brazil, with several published books. He wrote more than 200 articles, on the most varied subjects, which can be read, in Portuguese, on blog "francepiro.blogspot.com" and on the website www.500toques.com.br. His e-mail is oripec@terra.com.br

(14/05/2020)

terça-feira, 12 de maio de 2020

Bolsonaro, psiquiatria e canibalismo


      Crédito: Rafaela Felicciano/Metrópoles

Como o artigo “Exame psiquiátrico de Bolsonaro” —, publicado no meu blog e no Facebook — teve alguma repercussão mas apareceu em forma reduzida no site “500toques.com.br”, considero ilustrativo publicar um crime ocorrido em 1981, em Paris, que mostra a possibilidade de conclusões totalmente opostas de psiquiatras — no caso, entre franceses e japoneses — sobre a sanidade mental do acusado. Foi o caso de um escritor japonês que, na França, foi considerado louco, e no Japão, “não-louco”. Em ambos os países as decisões transitaram em julgado. Ele é e não é maluco, conforme o país.

Aproveito esta oportunidade para, como “defensor” gratuito de Bolsonaro, lhe dar um conselho amigo de ancião, ex-magistrado, que prefere que você continue no cargo até o fim de seu mandato, não abusando da sorte com declarações e atos que podem decepcionar seus seguidores. Estes mostram-se tolerantes e amigos, mas não são tolos nem fanáticos. Eles o apoiarão enquanto consideraram que você tem bom senso, é objetivo, forte, corajoso, bem-intencionado e que mantem-se no cargo por amor a seu país, não por vaidade, comprando brigas desnecessárias e dizendo que ficará no cargo até 2027. Seus inimigos abusam da má-fé interpretando dolosamente suas palavras, mas não lhes dê razões para criticá-lo com fundamento. O senhor é suficientemente inteligente para saber como proceder com destemor, sabedoria e classe. Mostre que não é apenas corajoso e franco, que é também inteligente. Não deixe seus seguidores na mão.

Voltemos ao caso do escritor japonês. Menciono seu nome porque se não o fizer alguém poderá dizer que estou inventando estórias.

O nome do autor japonês é Issei Sagawa. Em 1981, estudando em Paris, para pós-graduação, ele matou e depois “estuprou” ­— na verdade, tecnicamente, “violou o cadáver” — uma bonita e vistosa estudante holandesa, sua colega, na Université Censiers. Fez isso porque a holandesa — que o ajudava nas traduções naquele momento, no studio dele —, recusou suas propostas cheias de paixão e de libido. Issei, que tem a aparência de um anão mais desenvolvido, cabeçudo — vi uma foto dele —, mede 1,48 m e pesava, na época, 44 quilos, certamente bem menos que a holandesa. Esta, vendo no oriental apenas um colega, mandou que ele se concentrasse no trabalho que estavam fazendo. O japonês se levantou, pegou um rifle calibre 0.22 que estava num armário, atrás da moça, e disparou um tiro na nuca da estudante. Em seguida fez amor com o cadáver e depois cortou seus lábios, nariz, seios e partes pudendas, guardando-as no “freeze’ da geladeira para consumo futuro. E realmente comeu parte dessa carne até ser preso. Ele tinha essa estranha compulsão, ligando o ato sexual ao ato de comer. O caso é descrito resumidamente no livro do escritor canadense Max Haines, no “Book V” de sua série de “True Crime Stories”. O relato está na página 121, no capítulo “Fantasies Turn to Cannibalism”. Pena que essa série não tenha sido traduzida para o português.

O réu, após esquartejar o cadáver, colocou os pedaços em duas malas, que transportou de táxi. Pretendia jogar a carga macabra em um lago ou rio próximo. Na rua, dispensado o táxi, notou que as pessoas olhavam com desconfiança aquele japonês pequeno arrastando duas malas pesadas demais para ele. Assustado, abandonou os volumes na calçada, pensando não haver prova de sua vinculação com o homicídio. Com o passar das horas, o sangue das malas começou a escorrer pelas frestas, despertando suspeita e exame do conteúdo. A polícia só chegou a ele porque o motorista do táxi, lendo as manchetes dos jornais, lembrou-se do estranho oriental e tomou a iniciativa de procurar as autoridades.

Reunidas as provas irretorquíveis contra ele — encontradas em seu pequeno apartamento, principalmente na geladeira —, Issei confessou o crime mas foi considerado irresponsável, louco, não obstante ser homem culto e inteligente. Era fluente em alemão e francês. Estava na França para um doutorado sobre a influência japonesa na literatura francesa. O juiz determinou sua internação em uma instituição psiquiátrica.

Issei era filho de um rico industrial japonês. Passados três anos de manicômio seu pai conseguiu que fosse extraditado para o Japão, sob condição de ficar confinado em um sanatório para doentes mentais. A proximidade da família seria útil para seu “tratamento”. Decorridos, porém, 15 meses de internação foi dispensado. Os médicos nipônicos concluíram que ele era normal. A França nada pôde fazer porque cada país tem sua soberania. E, afinal, o que é “ser louco?”

Após sua liberação — diz Max Haines —, Issei Sagawa escreveu diversos livros sobre seu assunto favorito — o canibalismo. “Um saber de experiência feito”, como diria Camões. A família da vítima holandesa — cujo nome não menciono aqui por respeito à dor alheia — não deve ter boa opinião nem sobre a seriedade da Psiquiatria, nem sobre os bastidores dessa pomposa palavra, geralmente pronunciada com a boca cheia de ignorância inflada: soberania.

Por outro lado, a família de Issei deve ter pensado que todo homem merece uma segunda chance. Afinal, o oriental passou quatro anos e meio em manicômios, embora sendo “normal”, segundo os psiquiatras de seu país. Certamente, haverá quem pense que Issei foi enlouquecido pela paixão rejeitada. Já disse alguém que “O homem é fogo e a mulher, estopa. Vem o diabo e sopra.”

(11/05/2020)

                                                                   


sexta-feira, 8 de maio de 2020

Exame psiquiátrico de Bolsonaro? Ideia maluca.




Descabida, data vênia, a insistência de alguns espertinhos em submeter Jair Bolsonaro a um exame psiquiátrico visando seu afastamento — rápido, cômodo, politicamente “baratinho” —, da presidência da república sem precisar de impeachment.

Uma coisa é discordar das palavras e atitudes de um presidente combativo, “brigão”, de formação estritamente militar, com limitada cultura geral, jurídica e livresca, franco em demasia — até “grosso” —, mas que foi e ainda é apoiado por milhões de brasileiros que provavelmente não vão deixar barato sua fácil remoção por suspeita via “psiquiátrica”. Eles dirão: — “Se Bolsonaro é ‘louco’, nós também somos, porque pensamos e sentimos igual!”

A Psiquiatria, como toda ciência, procura evoluir, mas pelo fato de trabalhar com o cérebro, nosso órgão mais complexo — muito mais que um fígado ou rim, por exemplo —, é previsível que sofra tropeções e escorregões em seus procedimentos.

Uma dessas estopadas seria um laudo, sob evidente encomenda política, dizendo que o investigado é mentalmente incapaz de cumprir seu mandato. Se ele é insano, então há dúzias e dúzias de insanos iguais ou piores que ele, em todo o país. Seria preciso examinar mais de cem suspeitos de “miolo mole”. Muitos deles loucos por dinheiro público. Outros, loucos para transformar projetos de lei, enviados pelo Executivo — visando “endurecer” contra a criminalidade — em leis de efeito contrário, como se viu na invenção do juiz de garantia.

  Tempos atrás os pacientes sofriam com dolorosos tratamentos de choque elétrico de resultado discutível. Um deles chegou a dizer que com a quantidade de eletricidade que recebeu na cabeça estaria em condições de iluminar uma cidade de tamanho médio.

Esquizofrênicos agressivos, quando não morriam nas lobotomias, ou leucotomias, ficavam “dóceis”, passivos, mas com deficiências intelectuais. Pelo que sei — não sou médico —, essas duas formas de tratamento cirúrgico estão hoje em desuso e a ciência do cérebro continua recheadas de incertezas. A culpa não é dos praticantes, mas da natureza complexa do seu objeto de estudo.

 Por essa razão, diagnóstico a respeito da sanidade mental dos atos de um presidente da república, em momento dificílimo para o país — e o mesmo ocorre em nível mundial — será visto, com razão, como “golpe”, mesmo se os psiquiatras que o examinarem forem mentalmente honestos.

O risco da eventual má-fé para afastar Bolsonaro por doença mental, estará não no médico mas no político, ou advogado, encarregado de escolher os integrantes da junta médica. Tendo em mãos uma lista de psiquiatras, ele perguntará, a sós, a cada um deles — exigindo como resposta “apenas sim ou não” —, se Bolsonaro é “meio pancada, ou anormal, incapaz de continuar governando”.

Conforme a preferência política do médico, indagado de supetão, se ele disser que “sim” entrará na lista de um possível integrante da junta médica. Se disser “não”, ou “não tenho ainda opinião formada...”, seu nome será riscado sem que ele saiba. Com essa seleção de opiniões prévias, políticas, extremamente subjetivas, será fácil remover qualquer presidente da república.

Bolsonaro é realmente imprudente e rude quando fala de improviso mas seus eleitores preferem um presidente sincero, de passado honesto, em vez de políticos mentirosos, verdadeiros cachos ambulantes de chavões defendendo os “lídimos direitos da cidadania” mas nada avessos a sacar, como “intermediários”, um percentual variável em todos negócios públicos de alto valor.

É possível, e desejável, que Bolsonaro se corrija logo da franqueza ingênua — pensando nas terríveis consequências da sinceridade — e evite falar de improviso em assuntos sensíveis, lembrando-se que seus inimigos — experts em esconder suas reais intenções —, usam o “silêncio oportuno” como uma “arma” tática mais eficaz que a impulsiva sinceridade. Encarando o silêncio como “arma”, ou técnica de combate, o presidente, ex-militar, talvez se sinta mais motivado a utilizar o lado útil do silêncio. Muitos políticos tiveram êxito e resiliência porque cultivavam a “arte de calar” quando isso era melhor do que falar. O silêncio é um grande cobertor. Getúlio Vargas foi um mestre nisso. Luís Carlos Prestes, um comunista extremamente inteligente, sempre primeiro aluno em matemática, arruinou seu futuro quando, numa entrevista —, indagado sobre de que lado ficaria se houvesse uma guerra da Rússia contra o Brasil — respondeu que apoiaria a Rússia. Isso foi a sua desgraça.      

A comunicação oral do militar é, em geral, mais dura, direta, do que a do político profissional. Napoleão Bonaparte, um militar de excepcional inteligência, estadista de grande envergadura, também era franco em excesso, embora brilhante. Dizia, por exemplo, que as Constituições “deveriam ser curtas e vagas”, frase que hoje provocaria desmaios em respeitados constitucionalistas e ministros do Supremo. Sobre religião, dizia que ela era útil porque “impedia os pobres de matarem os ricos”. Referindo-se a um seu ex-ministro de assuntos estrangeiros, Charles-Maurice de Talleyrand — político maneiroso que depois se tornou seu adversário —, dizia que “Talleyrand é uma meia de seda cheia de merda” (perdoem-me as leitoras).

A psiquiatria, pela elasticidade e incerteza de seus limites, ainda permite reconhecer ou “inventar” como “doente” qualquer pessoa com ideias ou atitudes que contrariem maiorias, minorias, governos, outros psiquiatras, ou quem os escolheu para examinar um inimigo político. No caso, claro, o inimigo seria o atual presidente.

Consultemos precedentes históricos.

Quando a União Soviética tinha como Secretário Geral Leonid Brejnev a psiquiatria russa usou e abusou do artifício de reconhecer como “doente” quem discordasse da política oficial. O psiquiatra, por ele escolhido, reconhecia o opositor como sendo portador de uma “intoxicação filosófica”, ou “esquizofrenia progressiva” — uma inovação científica encomendada —, e isso bastava para que o infeliz teimoso fosse “internado” por tempo indeterminado.

Era uma maneira de calar a boca do dissidente sem precisar matá-lo, como no tempo de Stálin. Este “pai dos povos” era muito mais direto e virulento que seus sucessores pois, eliminava fisicamente os adversários — extraídos de suas residências, na madrugada — sem preocupação com a opinião pública, que nem mesmo podia ter opinião particular porque não havia imprensa livre. Quando Stálin concluiu que seu futuro político estava em risco, usou seu tribunal máximo para, primeiro, “julgar” como “traidores” seus ex-companheiros de Revolução. Em seguida os executou. Para facilidade e rapidez de julgamento os acusados eram torturados ou chantageados para que “confessassem” seus crimes. Temendo a morte e também pensando na família, o discordante “confessava”, talvez com alguma esperança de continuar vivo. Vã esperança. Pelos relatos que li, matou todos eles, todos. Quem quiser saber mais sobre esse tópico basta ler sobre “Os Processos de Moscou” (1936-1938), durante o Grande Expurgo. Esta pequena digressão mostra que discordantes políticos podem ser afastados não só por laudos psiquiátricos como também por magistrados.

 No caso de Bolsonaro — pensou a massa votante —, o seu sofrimento, sofrendo facadas, não foi apenas moral. Foi também físico, com risco de morte, provavelmente planejada. Não só pelo executante, um tal de Bispo — que de louco parece não ter nada, sendo apenas um fanático lúcido que planejou tudo direitinho e contava com assistência advocatícia logo após a sua prisão. Se Bispo é louco, então Marat, Danton, Robespierre (guilhotina), Hitler, Lenine, Stálin, Mao Tse Tung, Fidel Castro, etc. também o seriam, porque mataram centenas de milhões de opositores por razões que consideramos bárbaras, mas não indicativas de insanidade.

Encerrando, não há fundamentação idônea para afastar Bolsonaro do poder antes de seu término, para alegria de muita gente louca de vontade de ocupar o seu lugar. Votei nele como forma de impedir o retorno de políticos com mais defeitos que os dele em matéria de zelo pelo dinheiro público. Seus inimigos estão, no momento, unidos, sorrindo, mas, conseguindo o objetivo devorar-se-ão com exemplar ferocidade.

Quanto a essa medíocre e incentivada “briguinha de comadres” entre Moro e Bolsonaro, essa ruptura entre duas pessoas que ainda serão muito úteis ao país foi arquitetada e estimulada por políticos, magistrados e mídia que queriam acabar com a Lava Jato e mandar na República do jeito deles. Espero que, em futuro não muito distantes, Moro e Bolsonaro — cada um com sua especialidade —, trabalhem em cooperação. Um com sua competência de magistrado, outro com sua coragem de lutar com muita coragem. Esta última aperfeiçoada com a virtude do silêncio certo no momento certo. 

(07/05/2020)

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Bolsonaro está certo sobre como reagir ao coronavírus



Considerando que a epidemia não é apenas um problema médico-sanitário, mas também econômico-político, arrasador da economia, a melhor solução será a abrangente, global — de Bossolnaro — resguardando, na medida do possível, os idosos, mas tirando proveito do “ponto fraco” de um vírus que pouco afeta os jovens — ou não tão jovens —  prestando-lhes duplo benefício: a preciosa imunidade que lhes permitirá trabalhar, doravante, com desenvoltura, mantendo a economia em quase normal funcionamento e até, talvez, os imunizando  contra eventuais vírus futuros que tenham “algum parentesco” com o coronavírus-19. 

O presente artigo representa apenas meu particular ponto de vista quanto ao isolamento — total ou parcial — da população brasileira. Como não sou autoridade da saúde, nem cientista de profissão, aconselho o leitor a decidir — isolando-se ou trabalhando normalmente — segundo o próprio critério. Ou, na dúvida, agindo conforme a orientação do Ministro da Saúde, um médico competente, sensato e bem-intencionado.

Ocorre que, mesmo com sua inegável competência, o Ministro pode, em tese, estar, enganado — nem a medicina nem a economia são ciências exatas. O engessamento de toda produção pode vir a matar muito mais que a própria epidemia. Minha opinião é apenas minha, insisto; talvez errada, talvez certa, e o STF não tem o direito de proibir aos brasileiros o direito de pensar e escrever o que pensam, desde que se expressem, com bons modos e argumentando com fatos, deduções e intuições.

Uma minoria silenciosa também pensa como o subscritor — mas não se atreve a dizer que há exagero na orientação de manter o país em quarentena, com ruas vazias, comércio e fábricas fechados, o governo “improvisando” bilhões ou trilhões de reais para manter 90% da população em ociosidade forçada, mesmo sentido necessidade e energia para trabalhar.  E o que é pior: milhares de hipocondríacos apavorados, querendo “apenas saber” se estão ou não contaminados.

 Mesmo não sentindo os sintomas clássicos de febre ou falta de ar, esses milhares não aguentam a dúvida. Sentem-se no corredor da morte, e quem paga pelo nervosismo é a coletividade. Ela consome tempo e/ou dinheiro, inutilmente, com tais exames — quando o teste dá negativo. Quando o teste dá positivo, ela estimula ou obriga a ociosidade, mesmo quando o nervoso está com sua capacidade física e mental preservadas, podendo ser útil a si mesmo e à coletividade.

Considero absurda essa ânsia — em pessoas sem sintomas — quererem saber se estão ou não contaminados. O governo deveria não atendê-los, não só por causa da sobrecarga de um trabalho que seria mais útil cuidando dos realmente contaminados e com sintomas evidentes. Se o cidadão, sem sintomas, constata que contém o vírus a primeira reação deles é de afastar-se do trabalho e pedir o dinheiro do governo. A política mais sensata do governo, nesse item, seria a de  fazer o teste apenas quando o testado fosse trabalhar cuidando de idosos ou pessoas com doenças debilitantes pré-existentes, que precisam de uma maior proteção. Exceção razoável, talvez — para um exame preventivo, sem sintomas —, seria com relação a políticos idosos que relacionam-se a todo momento com inúmeras pessoas que podem estar ou ficar contaminadas. Isso se o político quiser, por foro íntimo.

Pela rapidez invulgar de contaminação do coronavírus, será mais prático presumir qu e toda a população brasileira está contaminada mas, por causa, felizmente, da baixa mortalidade do vírus — comparada com outras epidemias do passado —, só os idosos, as realmente doentes, de qualquer idade, e os pobres e desempregados receberiam ajuda do governo. Com a quarentena total, todos os prejudicados com a paralização precisam de dinheiro. Uma carga pesadíssima e destrutiva causada pela visão apenas médica do imenso problema.

  Tendo em vista que o vírus é “rápido” na contaminação, mas “fraco” para acamar os jovens e não-velhos mais resistentes, não há porque estimular ou forçar todo mundo a não trabalhar. Um médico, por exemplo, contaminado mas sem sintoma, pode trabalhar em casa, com o computador, ou em um hospital, cuidando da parte administrativa.

Os governadores em reunião recente, alguns deles talvez de olho na próxima eleição presidencial, estimulam, contra Bolsonaro, o pavor coletivo de uma população que não tem condições de estudar o assunto e decidir com juízo próprio.

 Se Bolsonaro tivesse, sessenta dias atrás, determinado uma rígida quarentena, esvaziando as ruas, aqueles governadores e jornalistas que hoje o atacam teriam dito que ele “comprovou suas tendências totalitárias, nazistas, querendo transformar o país em um imenso e original campo de concentração — cada casa uma jaula —, indiferente ao sofrimento das camadas mais pobres da população, com muitas pessoas morando em pequenos espaços, com mútuas trocas de eventuais vírus e bactérias. Um caldo humano para a ‘solução final’ à brasileira. Precisando comer, geladeira vazia — ou inexistente — alguns membros da família teriam que sair, contaminando ou sendo contaminado”. Por isso, concluiriam os críticos, “o tirano” Bolsonaro precisaria renunciar ou ser cassado com um impeachment”. Diriam que “Bolsonaro, no cargo, destruiu a economia do país”.

Há, provavelmente, uns poucos governadores com dúvida, não admitida, sobre o que fazer. Isolar quase todo mundo, jovens e velhos ou só os idosos? Em lugar de se informar mais e decidir com máxima reflexão, optam pela solução menos pessoalmente arriscada: seguir a maioria dos colegas, com a quarentena. Se a paralização econômica afundar o país, ele não estará sozinho no banco dos réus, no futuro julgamento da opinião pública. Confortam a própria consciência com um argumento: “Será possível que só o Bolsonaro está certo quando “todo mundo” pensa o contrário”?

A resposta é “sim”, paradoxalmente, mesmo vinda do “irresponsável” Bolsonaro que, no caso — pelo contrário —, está agindo com corajosa responsabilidade, apresentando argumentos respeitáveis, visto o problema em seu conjunto.

Um político que conta com minha simpatia, Ronaldo Caiado, médico de profissão, incentivador do agronegócio, homem de personalidade e coragem, pareceu sentir-se ofendidos com o fato de Bolsonaro ter opinião contrária à da maioria, mundial, em um assunto de médicos. Um médico sabe mais que o não-médico, não há dúvida, mas o problema em exame é outro, misto, não apenas médico. Intuições felizes, de leigos, podem ocorrer em questões que dividem opiniões de pessoas respeitáveis. Só o futuro dirá sobre qual foi a política mais correta, a “quarentena horizontal ou vertical”?

 A natureza desse vírus não está totalmente clara. Não se sabe se o coronavírus pode sofrer uma mutação, nos próximos dias, ou meses, conforme o clima e hábitos dos moradores dos países afetados. Já li opiniões de cientistas dizendo, estranhamente, que o vírus nem é um “ser” vivo, isso porque ele não se reproduz sozinho, precisa de um hospedeiro. Se assim for, o espermatozoide também não é um “ser” vivo porque precisa de um óvulo para gerar um outro ser vivo.

Na história da humanidade já houve inúmeros casos de “todos” estarem errados e só um estar certo, mesmo não sendo mais inteligente que os demais. A terra nunca foi plana e muito menos o centro do sistema solar, como pensava o generalizado “bom senso” dos sábios do século 16. Foi preciso que Galileu demonstrasse o contrário da unanimidade. Outro caso: navios, antigamente, eram feitos de madeira. Quando um determinado sujeito externou o desejo de fazer um navio de ferro todos os “peritos” disseram que isso era “absurdo”, impossível, porque o navio ficaria muito pesado e afundaria. E mesmo que não afundasse, o ferro do casco, impediria que a bússola apontasse o Norte, deixando o navio desorientado quando distante da costa.

Construir estradas de ferro? Nem falar. “Entendidos” diziam que se um trem corresse a mais de 60 km por hora — ou velocidade parecida — as pessoas não conseguiriam respirar, morrendo por falta de ar. Para não alongar o rol de besteirol de “opiniões unânimes”, lembro que antes de Louis Pasteur “todo mundo”, inclusive de universidades, pensava que ratos nasciam, “brotavam”, da sujeira, por “geração espontânea”. Às vezes, é preciso que um suposto “louco”— no caso Bolsonaro —, tenha a coragem de, percebendo o perigo maior à frente e lance o alerta, sem medo da crítica.

Inegavelmente, o vírus em exame tem uma invulgar rapidez de propagação. Em “compensação”, sua mortalidade é muito inferior a outras epidemias do passado, que “não escolhiam” a idade de suas vítimas. Morria todo mundo, de crianças a macróbios. Essas pandemias não poupavam faixa etária alguma. A Peste Negra matou 50 milhões; a Cólera, centenas de milhões; a Tuberculose (300 milhões, entre 1896 e 1980); a Varíola, 300 milhões; a Gripe Espanhola, 20 milhões; o Tifo, Febre Amarela, Aids, etc., etc. 

Os inimigos políticos de Bolsonaro, aos milhares, a todo momento o acusam e insultam, na mídia, de ser ignorante e grosseiro nos seus pronunciamentos, como se ele — “só” pelo fato de ser presidente —, não pudesse ter opinião pessoal em tema tão relevante. Qualquer  semi-alfabetizado, hoje, acha-se no direito democrático de desancar o presidente, mas a qualquer reação defensiva dele, rotulam-no de ditador, tosco e ignorante.  Pelo visto todos os seus inimigos seriam infalíveis, sábios e santos.

Defendo-o, aqui, confessando que votei nele como única forma, naquele momento, de derrotar o petismo. Com todas as suas deficiências de comunicação, “curto e grosso”, é, no fundo, um homem honesto e direto. Está errado em muita coisa, principalmente na política externa e na excessiva liberdade concedida aos filhos. Claro que nunca foi dado a leituras. Mas tanto acerta quanto erra, pensando que acerta. Porém, como não é burro, o exercício do cargo com o tempo o polirá um pouco nas maneiras e nas palavras. Deixem-no terminar seu mandato. Afinal, ele tem uma coragem, mesmo rude, que falta a muitos de seus inimigos. Quem, igual a ele, tem a coragem, hoje, de discordar do “mundo”?

PARO POR AQUI PORQUE É CONTRAPRODUCENTE TEXTOS LONGOS DEMAIS NA INTERNET. CONTINUAREI ARGUMENTANDO DENTRO DE DOIS OU TRÊS DIAS. EM CERTOS ASSUNTOS, SER SINTÉTICO DEMAIS NA ARGUMENTAÇÃO TORNA-A MENOS CONVINCENTE. AGUARDEM.

(03/04/2020)

quarta-feira, 18 de março de 2020

Informações biológicas às esposas traídas.

Na qualidade de magistrado aposentado, de vez em quando sou consultado, informalmente, por cônjuges sobre se devem, ou não, se separar judicialmente. Querem saber o que acontecerá no algo temido “amanhã”. Dúvidas sobre como poderão fazer a divisão dos bens, quais os limites da eventual pensão alimentícia (a parte mais difícil), a guarda e visita dos filhos e as demais questões, já bem conhecidas, que acompanham toda separação.

Sem dúvida, dispensadas as variadas estatísticas de país para país, a infidelidade dos maridos é o que mais leva as esposas a buscar a separação. E como o signatário deste artigo tem — mesmo sem formação especializada — uma inescondível curiosidade pelo lado mais polêmico da conexão Direito-Biologia, penso não ser inútil transmitir às esposas traídas alguns informes — e meras intuições — que possivelmente as ajudarão a formar um quadro mais completo do problema que as atormentam. A decisão sobre o que fazer será difícil. As considerações estritamente legais podem trazer mais arrependimento do que felicidade. E aí será tarde, porque o tempo consolida tanto as uniões juridicamente certas quanto as erradas. Há quem diga que o segundo casamento só é mais duradouro que o primeiro não porque foi encontrada “a pessoa certa” no segundo, mas porque o homem, exausto dos problemas oriundos da separação, já não tem mais paciência — e dinheiro — para enfrentar nova batalha, ou guerrilha. Vai apenas levando, quando a segunda união já não desperta o entusiasmo de antes. — “Será que vou ter que pagar nova pensão-alimentícia”?

Para início de consideração, é preciso admitir, ainda que com certa repugnância moral, que o homem, só pelo fato de ser homem — segundo o Cristianismo, “feito à imagem e semelhança de Deus”, um insulto à competência manufatureira do Criador — não é um ser desligado da Biologia. Basta ver que possui unhas, pêlos, barba, saliva, caninos (próprios para dilacerar a carne) e inúmeros outros atributos desnecessários a um ser espiritual. Sabe dar coices com os quatro membros (artes marciais), ronca dormindo, sua, cheira forte (quando não toma banho). É usualmente glutão, mandão, babão, sensual, ambicioso, astuto, invejoso e as vezes traiçoeiro. Quando desafiado e certo da impunidade atreve-se às maiores atrocidades. Quem duvidar disso não precisa se informar em livros de Patologia Forense, basta ler alguns capítulos de História Universal. Como simples exemplo, mencione-se que os colonizadores espanhóis da Patagônia, revoltados com o fato dos índios não respeitarem suas cercas e comerem suas ovelhas — os nativos não tinham noção de propriedade privada e pensavam que as ovelhas eram uma espécie de lhamas, seu prato habitual — matavam-nos impiedosamente. Inclusive envenenando a carne de baleias encalhadas. Constatando, antes dos nativos, que uma baleia encalhara na praia, envenenavam sua carne porque sabiam que os índios se banqueteavam com tais volumosos presentes do mar. Logo após esses festins morriam às centenas. Com tais práticas, “limparam a área”. A beleza local, para mim inesperada — vi isso pessoalmente — do extremo sul da Patagônia esconde um passado tenebroso que nem convém lembrar.

Tais “qualidades” animalescas do ser humano, no entanto, tiveram sua utilidade para a preservação da espécie “Homo Sapiens” (outro elogio discutível). Fossem os nossos ancestrais das cavernas extremamente dóceis, propensos ao jejum, desinteressados de sexo e sem astúcia, a raça humana teria sido provavelmente extinta. Principalmente se o chamado sexo forte (elogio questionável, de novo) tivesse baixa sensualidade. Como as crianças morriam às moscas, vítimas de doenças, subnutrição e predadores, o macho das cavernas compensava esse massacre infantil — mesmo sem ter, claro, a menor consciência do porquê de sua gula sexual — fertilizando o máximo possível de fêmeas de seu grupo, ou grupo vizinho. Seguia o procedimento dos demais mamíferos, quase todos poligâmicos.

Haréns de fêmeas sempre foi a regra. A de machos, inexistente ou exceção. Quando se fala em “matriarcado” quer-se referir ao domínio (mando) do grupo pelas mulheres, não ao fato delas disporem, pelo que sei, de grande número de homens para com eles coabitar simultaneamente.

Essa poligamia natural do homem primitivo era uma forma grosseira, mas eficaz, de garantir a propagação da espécie não só em termos de quantidade de seres humanos como também de qualidade, porque o macho dominante — praticamente o único “dono das fêmeas” —, era o melhor portador e transmissor das qualidades genéticas então mais valiosas: força bruta, astúcia e agressividade. Fosse a monogamia a regra na evolução biológica dos mamíferos, a imensa quantidade de espermatozóides liberada em cada conjunção carnal seria totalmente desperdiçada quando a companheira estivesse grávida, portanto provisoriamente estéril. Sementes desperdiçadas, portanto. Daí a incessante procura de novas parceiras carnais que poderiam gerar prole, compensatória não só da grande mortandade infantil como também da morte precoce de guerreiros ou caçadores, vitimados em constantes combates tribais ou com animais predadores. A própria gula, o comer exageradamente — hoje um vício bem desagradável de presenciar, mas não de praticar —, era também uma forma de “virtude”, porque nesses primitivos tempos, antes da agricultura localizada, não havia certeza alguma de que seria possível comer no dia seguinte. Um comedor moderado, elegante, hoje elogiado, tinha muito mais probabilidade de morrer de inanição do que um “guloso” que se empanturrava, formando reservas no fígado e no tecido adiposo, com isso resistindo mais ao jejum, forçado pela falta de alimento. Hoje, a gula é daninha porque no mundo civilizado temos alimento à nossa disposição pelo menos três vezes por dia.

Em suma, o homem atual — e as esposas traídas precisam lembrar-se disso —, é fruto da evolução animal de milênios, trazendo ainda consigo características primitivas que já tiveram sua utilidade em eras remotas. Uma delas, a propensão instintiva para a infidelidade.

Ocorre que, de uns séculos para cá, o homem — à maneira das cobras, que se livram da pele antiga — constatou que essas “qualidades” de seus ancestrais já não eram mais necessárias. Pelo contrário, tornaram-se defeitos. Não havia mais predadores naturais. Já não morriam tantos recém-nascidos. A força bruta do macho dominante tornou-se uma excrescência porque os machos fisicamente mais fracos, vivendo em sociedade, podiam se organizar e derrotar o biologicamente mais forte. Criou-se o Estado, esse ser poderoso, abstrato mas também de força bem concreta, que pode enforcar ou encarcerar o mais musculoso e agressivo componente do grupo. A monogamia — pelo menos a oficial —, tornou-se a regra. Se países muçulmanos ainda admitem a poligamia isso ocorre — segundo me foi informado por gente que conhece o assunto —, porque as tribos árabes viviam em constantes guerras entre elas, com grande número de guerreiros mortos. Seria necessário, portanto, um sistema de “fornecimento de vidas” mais eficaz que a monogamia. Daí a origem da permissão para o muçulmano ter mais de uma esposa, se em condições de mantê-las.

E surgiu o Cristianismo, a religião inspirada nos anseios mais nobres do homem, vista aqui apenas pelo lado da feição humana. Querendo a paz entre os homens, uma das dimensões maiores dessa paz seria o casamento monogâmico, idealmente perfeito porque o número de homens e mulheres nascidos se equivale, aproximadamente. Cada um, com sua mulher, até o fim da vida e ponto final. Sem brigas e disputas pela mulher do próximo. Bom, teoricamente, para os cônjuges e não apenas teoricamente para os filhos, que sempre sofrem de alguma forma com a separação dos pais.

Entretanto, se essa é a boa teoria, a prática revelada no estudo do comportamento real mostra que a elegante capa do Cristianismo é um modelo feito por um alfaiate muito mais idealista do que atento ao real formato do quase-animal que vestiu.

Estatísticas demonstram o elevado percentual de atos de infidelidade masculina em todos os países. É um dado da realidade, embora desagradável de saber. E só não aumentou ainda mais, recentemente, em razão do medo da AIDS. Como o bicho-homem tem alguns milhões de anos (se computado o período em que foi peixe), é natural que esse imenso e tenebroso passado faça-o contorcer-se e coçar quando lhe põem uma roupagem moral muito elegante, nobre mas um tanto em desacordo com sua natureza mais primitiva. É o mesmo que pegar um carvoeiro bronco — menciono essa profissão por imaginar que ela nem mais exista —, dar-lhe um banho, vesti-lo com fraque elegantíssimo e mandar que compareça a uma sofisticada recepção no Itamaraty, fingindo ser um diplomata. Depois de algumas horas de sofrimento, todo duro, os sapatos e o colarinho apertando, segurando uma taça de champanha que esvazia continuamente, vai acabar cometendo algumas gafes.

Essa gafe, no marido moderno, chama-se infidelidade. É o velho instinto represado que, meio adormecido, sente o que, para os cães, corresponderia ao “chamado das selvas”, do escritor Jack London, e que Robert Louis Stevenson imortalizou no seu “O médico e o monstro”.

Não estou aqui nem defendendo os “lobos” nem estimulando os hesitantes “quase-lobos”, que ainda vacilam em juntar-se à alcatéia. Apenas procuro entender e explicar o que ocorre na vida real. No círculo de relações de qualquer pessoa não é raro saber-se que o casal “x” está se separando porque houve traição. Na maior parte das vezes por parte de um homem maduro, que preferiu uma mulher mais jovem que a esposa. E para essa diferença etária parece que há também uma explicação biológica, sem conhecimento consciente do garanhão algo retardatário e de cabelos grisalhos.

O homem, no caso, nem sabe que está sendo usado pela “sabedoria” embutida nos genes, o “board” biológico que, a meu ver, comanda na surdina. Os genes sabem que mulheres mais jovens têm à frente um longo período fertilidade, bem maior que as mulheres maduras, que até podem estar estéreis em definitivo em razão da menopausa. A cintura fina das jovens — em contraste com os quadris largos —, que tanto atrai os homens, pode ser apenas um aviso biológico de que “o forno está vazio”— emitindo um sinal para “enchê-lo” com a gravidez. E os quadris largos aparentemente favorecem partos mais fáceis. Todas as características de atração feminina coincidem com maior saúde, boas para a gestação. O único item para o qual ainda não encontrei explicação biológica foi a excepcional importância da beleza do rosto feminino, um atrativo que nem sempre coincide com a boa saúde da mulher e sua aptidão para gerar prole vigorosa. Um tuberculosa, ou anêmica cancerosa, de rosto lindo, pode despertar paixões. Será a valorização da beleza fisionômica da mulher um sinal biológico de que o homem evoluiu extraordinariamente? Os animais são atraídos pelo cheiro, não pela beleza.

— Está bem! — dirá a leitora irritada com um enfoque tão “rasteiro” e biológico do seu problema. — Admito que ainda há muito de animal no homem, mas ele precisa se conscientizar de que não é mais um animal! É dotado de racionalidade! Fôssemos perdoar seu lado primitivo, não haveria porque existir a legislação penal. O homem, em situações extremas, mata, estupra, rouba e até tortura. Esses atos, pergunto, merecem  “compreensão” porque foram espontâneos, resquícios de sua embutida animalidade?”

A leitora tem razão no acentuar seu idealismo. Mas minha intenção, aqui, não é “dar carta branca ao animal”. É mostrar todos os lados do fenômeno “infidelidade”, evitando a precipitação de logo procurar um advogado e entrar com pedido de separação.  É a primeira reação da esposa, principalmente quando o deslize se tornou notório. Notadamente quando suas amigas também souberam do caso. — “Se pelo menos elas não soubessem...” — E tais amigas (“da onça”) por vezes contribuem para a decisão da separação. Parecem perguntar, sutilmente, nem que seja só com os olhos: — “Você não vai fazer nada?...” — Aí a traída “ faz”, meio a contragosto, pressionada pelo dever de “reagir”. Mas muitas vezes se arrepende. E não é impossível que a “amiga” esteja é de olho no marido da traída. A precipitação desta pode também ser uma reação prevista pela parte interessada, “a outra”, que está atrás de um marido e não de um amante casado. Sei de casos em que a esposa se arrepende. Para não mencionar eventuais situações de posições trocadas: o marido, já vivendo com “a outra”, visita a ex-esposa para conversar sobre filhos e aí acontece, sexualmente, o que a moral e o brio não recomendam. A ex-esposa torna-se “a outra”, a amante, com toda a carga de auto-reprovação por ter cedido à tentação.

Nem sempre a solidão é melhor que a vida a dois. O “caso” que provocou a separação ou divórcio pode ter tido raízes pouco profundas, ou até mesmo raiz alguma. É preciso lembrar que assim como “o malandro” enjoou da esposa pode também enjoar da “outra”, com imensa velocidade. Conheço um caso assim. A empregada da casa, para agradar a patroa, contou a esta a conversa comprometedora, por telefone, do dono da casa com outra mulher. A esposa reagiu no ato. Procurou advogado e ocorreu a separação. O marido teve que ir embora. Mas não para “ficar” com a causadora do problema. Nunca a visitou. E não voltou ao antigo lar porque ouviu tantos insultos, quando da separação, que só lembrava da mulher como uma serpente cheia de ódio. Imaginava que, se voltasse, levaria uma vida de condenado em livramento condicional, constantemente vigiado, ouvidos estourando com constantes alusões ao seu erro. Preferiu viver sozinho, e depois de algum tempo, com um filho. E a ex-mulher, já madura, também viveu sozinha, pelo que sei. Duas solidões não felizes. Tudo porque uma empregada quis ser agradável à patroa.

Como esta narrativa já está longa demais e a Internet não é o espaço mais apropriado para dissertações, deixo aqui mais uns curtos dados sobre o papel do mecanismo biológico que comanda o reino animal, com repercussão nos seres humanos, que ainda não são anjos. Os ursos panda estão em perigo de extinção. Quando em cativeiro é comum o casal não se reproduzir. Fiquei sabendo que em alguns zoológicos os cientistas fizeram de tudo para que o casal de ursos gerasse filhotes, mas em vão. Tentaram — isso não é imaginação minha, confiram na literatura própria — “quebrar o gelo” até com a exibição de “filmes pornográficos” (para mim uma tolice) — no caso, casais de pandas em pleno ato. E chegaram ao ponto — sentem-se para não cair — de ministrar “Viagra” ao panda macho, sem resultado. Agora — é apenas intuição minha — posso quase apostar que se na jaula fosse introduzida outra fêmea, ou macho, ou outros machos e fêmeas, a ciumeira acionaria o mecanismo biológico que levaria à fecundação talvez de todas as fêmeas. Isso porque a disputa, a concorrência, o ciúme, são mecanismos de seleção do melhor. Junte, leitor, a esta consideração este outro fato impressionante: o óvulo é fecundado, normalmente, apenas por um espermatozóide, mas se ele chegar sozinho ao óvulo este não o acolhe, não se abre, não ocorre a fecundação. Porque a “senhorita óvulo” faz questão de selecionar, escolher o melhor. Ela parece pensar assim: “Desculpe, meu caro, faço questão de escolher. Como vou saber que você é o melhor?”

Considerando tudo isso, essa carga biológica que ainda carregamos, renovo meu conselho às mulheres traídas: não se precipitem. A separação judicial só deve ser requerida quando a infidelidade representa um sinal de que todo o resto da convivência já é uma ruína. O marido que traiu — quando bom marido em tudo o mais e bom pai — sente-se intimamente mal quando a consciência o acusa. E esta o acusa com especial virulência quando vê, na esposa, uma companheira digna, educada, capaz de fechar os olhos e sofrer em silêncio por um curto período de tempo. Uma chance para que o lado bom, moral, do esposo prevaleça sobre o lado mais egoísta e animal que ele carrega involuntariamente.

Finalmente, direi algo “meio estranho” sobre a traição masculina que talvez não seja crível pela maioria dos leitores de ambos os sexos, acostumados a escutar e ler apenas chavões. Segundo a versão corrente, o homem casado trai apenas impulsionado pela insatisfação sexual no relacionamento com a esposa. Nem sempre, acreditem. Às vezes é apenas o poder da invulgar beleza, não a libido, que causa a traição. Com outras palavras, o sujeito pensa: “sexo bom, até melhor, eu já tenho em casa, mas como resistir a esses olhos, a esse porte”? Certamente, esse cidadão, que casou cedo, sempre teve uma frustração, a de não ter tido nos braços uma mulher com tanta beleza. Ele quer apenas morrer sem essa frustração. Por isso trai, mas sem jamais pensar em trocar de esposa. Se tivesse mais juízo, não trairia, mas quem disse que é a racionalidade que conduz o bicho homem?

Para aliviar o clima pesado de todas as considerações acima é talvez lícito contar aqui uma anedota relacionada com o tema: um noivo, preocupado com suas tendências à, digamos, multiplicidade de amores, procurou o padre no dia anterior ao do casamento. Pediu-lhe um favor: que fingisse esquecer de mencionar a exigência de promessa de nunca trair a esposa, “até que a morte nos separe”, etc. Explicou que não pretendia ser infiel, mas gostaria de fazer isso “vindo do íntimo”, sem ser forçado em promessa formal no momento da cerimônia. Em troca, deu ao padre um cheque de cinco mil reais para ajudar a reforma da igreja. O padre pegou o cheque e foi embora, sem nada responder. No dia seguinte, na cerimônia, o sacerdote, encarando o noivo nos olhos, exigiu, alto e bom som: — “Fulano de Tal, o senhor promete ser fiel até a morte? Trazer café na cama para sua esposa? Pagar, sem reclamar, todas as despesas com cartão de crédito, mesmo que as considere excessivas? Manter pelo menos duas empregadas e um motorista à sua disposição e nunca fazer nem cara feia”? Engolindo em seco, o noivo concordou com tudo, mas logo após a cerimônia procurou o padre, censurando-o: —“Pensei que tínhamos feito um trato...”, ao que o sacerdote devolveu o cheque de cinco mil e respondeu: “A noiva dobrou o lance”.

Quanto à traição feminina, não me atrevo a abordar. Muito menos a solicitar confidências.

                                                                          Francisco Pinheiro Rodrigues (18/03/2020)

Amazônia, usucapião e astúcia. Uma advertência.


Diz o atual Código Civil, no art. 1.238, que “Aquele que, por quinze anos, sem interrupção, nem oposição, possuir como seu um imóvel, adquire-lhe a propriedade, independentemente de título e boa-fé; podendo requerer ao juiz que assim o declare por sentença, a qual servirá de título para o registro no Cartório de Registro de Imóveis”.          

A lei não entra em detalhes sobre o alcance — que pode ser imensamente “esticado” — do que seja “possuir”. Com base nessa vaga expressão, ambiciosos “coronéis” do passado — isso pode repetir-se agora na Amazônia — conseguiram transformar uma fantasiosa “posse” em propriedade registrável, bem concreta. Isso explica, em grande parte, como surgiram, em nosso país, propriedades rurais de áreas equivalentes a países europeus, à espera de valorização.

Como se processou essa transformação da “posse”, um tanto  virtual, em propriedade real, constante de Registro de Imóveis? Muito simples: o “coronel” — aqui simples denominação popular, nada contra os militares — erguia sua moradia e pequenas benfeitorias na área rural. Criava seu gadinho e plantava um pouco, mais para consumo próprio. Um dia, alertado por alguma conversa jurídica incentivadora, descobria que poderia, sem grandes despesas, transformar seu pequeno sítio em vasto latifúndio. Como? Erguendo diminutas moradias para seus empregados em distantes pontos da área visada.

Nessas precárias habitações instalava um empregado, com sua família. Ligando-se, em um desenho, essas distantes moradias, formava-se um quadrilátero, ou triângulo, ou outra figura geométrica qualquer abrangendo muitos quilômetros quadrados. A extensão da “posse” do “coronel” sobre essa área dependia apenas do grau de sua própria ambição. Não havia outro limite, porque não existiam, então, vizinhos civilizados, interessados em contestar a imaginosa ambição. Processos sem contraditório ensejam abusos.

A função dos empregados do “coronel” era “tomar conta” da imensa área, enfeitada, aqui e ali, com alguns avisos, pregados em árvores, informando ser ela “Propriedade de Fulano de Tal”. Isto é, quem quisesse extrair um pouco de lenha, pescar, ou colher frutas nesse extenso latifúndio — do tamanho de um pequeno país —, teria que pedir licença ao presumível “proprietário”, conforme dizia a placa. A posse, repetindo, era preponderantemente subjetiva, virtual, simples manifestação de vontade de um cidadão, dizendo-se “dono”. Quanto maior a ganância, maior o lucro futuro, porque, com o tempo, completavam-se os anos necessários ao usucapião.

Atendida a exigência temporal, cada vez mais reduzida na legislação, o posseiro com vocação imperial ajuizava o pedido de usucapião. Vizinhos, para contestar o pedido não havia, em tempos mais antigos. Estado e União geralmente não tinham interesse concreto em contestar; nem sabiam das pequenas tabuletas pregadas em árvores. E havia incerteza jurídica sobre se aquelas terras inexploradas, sertão ou floresta, poderiam ser, ou não, objeto de usucapião. De modo geral, como não havia qualquer contestação e o autor da ação mostrava fotos das benfeitorias — sem mencionar as quilométricas distâncias entre elas — o juiz acabava concedendo o usucapião. Mesmo porque a prova testemunhal explicava que quem “mandava” naquela região era o “coronel fulano de tal”. Assim depunham pessoas que haviam pedido licença aos empregados do “coronel” para retirar lenha, caçar ou pescar naquela área, confirmando a “posse”. Posse, como já dito, mais virtual que real. Assim, pelo que sei, formaram-se inúmeros latifúndios que, muitas décadas depois, tornaram-se fonte de atritos sociais, o MST.

Evidentemente, não tem sentido prático, nem econômico, nem jurídico, ficar remoendo as origens das grandes propriedades rurais no Brasil. Boa parte das terras, usucapidas com abuso quanto à extensão, foram vendidas e revendidas, e seria uma insânia jurídica, pretender-se invalidar a propriedade rural atual, por um “vício de origem” ocorrido décadas ou séculos atrás. E cada caso seria um caso, porque houve também ações de usucapião com base em efetiva ocupação útil do solo. Querer “voltar atrás”, em busca de uma justiça histórica absoluta, equivaleria a obrigar os atuais proprietários do solo americano, de qualquer cor e nacionalidade, a devolver aos índios peles vermelhas todas as terras das quais foram expulsos a bala, carregando apenas a bíblia, recebida em troca das terras perdidas.

Alerte-se, pois, o legislativo federal quanto a necessidade da constatação visual — por parte do promotor e/ou do juiz —, da ocupação real da área objeto de usucapião de extensas terras. Não basta ler o laudo do perito que faz a descrição da área porque, não é impossível que possa, na planta, ocorrer omissão dos espaços vazios. Quando o usucapião não é contestado por vizinhos — que podem estar fazendo a mesma coisa nas suas próprias áreas —, a inexistência dos enormes “vazios” não é percebida. O laudo pode exibir fotos de algumas cabeças de gado e as habitações dos poucos empregados, mas o imenso “vácuo” de ocupação humana não é fotografado. E é nesse vazio que o Brasil será igualmente “esvaziado” em suas riquezas e soberania.

Não é compreensível a dispensabilidade da boa-fé no usucapião, para o seu registro, como diz a lei, se interpretada ao pé da letra. Imaginemos que, em uma área rural bem distante da cidade mais próxima, o prepotente e ganancioso caseiro ou capataz, de uma área pertencente a um idoso viúvo, um tanto antissocial, senil, indefeso, com Alzheimer avançado, tenha sido mantido em cárcere privado, ou mesmo morto e sepultado em segredo, enquanto o caseiro providencia o usucapião em seu próprio benefício.  

Havendo dúvida razoável sobre a boa-fé do requerente, o usucapião deveria ficar sustado, sem registro, até que se chegue a uma conclusão jurídica tranquilizadora, no cível ou no crime, de que a posse foi mesmo de boa-fé, isto é, o velho fazendeiro, mesmo senil, viajou sem deixar endereço. A se desconsiderar os indícios de má-fé, se deferido o usucapião o criminoso pode registrar o imóvel como seu, vendê-lo e logo desaparecer no vasto mundo. Nesse caso, o comprador do imóvel, se de boa-fé, sofrerá um prejuízo imerecido, caso os herdeiros do senil requeiram a nulidade do usucapião porque o “sumiço” do velho foi muito suspeito. Em casos semelhantes é moralmente inaceitável que a justiça considere como válido um usucapião urdido com o assassinato ou cárcere privado do dono da área. Que justiça seria essa?

                                                                          Francisco Pinheiro Rodrigues (03/03/2020)

EXTRAÇÃO, A CHUMBO, DE MAXILAR


(O presente conto é mera descrição de um roubo verdadeiro ocorrido no Brasil, salvo engano no Rio de Janeiro, alguns anos atrás. Quem me narrou os fatos era amigo da vítima do roubo. Não li nada a respeito, só ouvi o relato, vindo de pessoa que não tinha interesse em mentir e nunca imaginou que o fato se transformaria em um conto, muitos anos depois. 
Digamos que é “um conto inspirado na vida real”).

        Pouco antes das sete da manhã, Benvinda está chegando à residência em que trabalha há vários anos. Suas passadas demonstram uma vivacidade inabitual.
        Empregada doméstica, quarenta anos, morena, é esperta e ajuizada, apesar de pouco instruída. Tem uma filha de dezoito anos, que é tão ajuizada quanto ela e que trabalha em um banco, estudando à noite.
        Caminhando, Benvinda experimenta hoje uma euforia que não sentia há anos. Está apaixonada... E também surpresa. Como é que aquele “gatão”, bonito, másculo, de sotaque espanhol, “cismou” justamente com ela, uma mulher mais velha do que ele?
        — Coisas do amor? — ela se pergunta. — E por que não?! — Certa vez, ouvira sua patroa, exibindo uma revista, com fotos, comentar com o marido, um juiz de direito, que determinado xeque das Arábias, de passagem pelo Brasil, apaixonara-se pela camareira do hotel em que estava hospedado, levando-a para se casarem no Oriente Médio.
        É certo — Benvinda se lembra —, que o potentado árabe tinha algumas esposas na terra dele. Mas isso era outra conversa, uma questão de país, de diferenças legais que deveriam ser respeitadas. Pelo que entendera, na terra dele o chefão podia ter tantas esposas quanto pudesse sustentar. O que a ela interessava é que a tal arrumadeira de hotel, num “estalo” — “as loucuras do amor!” — havia se tornado a rica terceira ou quarta — não lembrava ao certo — “madame” de um homem rico, importante. Com direito a luxo, empregadas, limusine, chofer, etc. E a foto dessa arrumadeira sortuda, na opinião dela, não mostrava nenhuma invulgar beleza. Era um rosto comum, mais ou menos como o dela, apenas mais jovem. Comparando os machos, Benvinda sorria, superior. O xeque, na foto, era gordo, meio velhão, feio, enquanto seu amado era um apetitoso “gatão”, capaz de seduzir, com um pé nas costas, qualquer “dondoca” rica. E também não devia ser nenhum pobretão, tendo em vista as camisas vistosas que usava.
        Por falar em “dondoca”, Benvinda nutre um intenso desprezo pelas moças que, de minissaia, ventilam demais suas “partes pudendas”... Por sinal, ela gosta dessa expressão, a seu ver bastante “chique”, usando-a com frequência... Acha-a elegante, desobrigando-a de mencionar palavras feias. E chocara-se ainda mais com os primeiros maiôs “fio dental” que, certamente, incomodariam, fariam cócegas “lá embaixo”, nas tais “partes pudendas”. Jamais usaria essas “indecências”. E a filha, milagrosamente — porque a segunda geração quase sempre reage contra a primeira — concordava com ela.
        Certa vez, no tanque, lavando um desses maiôs — ou corda? —, de propriedade de uma sobrinha de sua patroa, ficou impressionada com o diminuto tamanho da peça. Naquela ocasião, não pôde deixar de fazer algumas amargas especulações, de ordem odorífera, relacionadas com aquela corda que permitia mostrar a bun..., digo, as “partes pudendas” tão descaradamente. Mas o que mais a desconcertou foi o fato de que a usuária daquele maiô parecia ser uma mocinha direita, sensata. Se ela era direitinha, por que não usava um maiô inteiro? Como podia a moda ter tanto poder? E por que o Governo não tomava alguma providência?
        Júlio — esse o nome do “gatão” — a estava paquerando há quase uma semana, mas, até agora, não fizera nenhum avanço mais apaixonado, um desses “amassos”, tão normais em todas as épocas. E isso a preocupava um pouco. O “lance” dele, parecia, era apenas conversar, preocupar-se com ela, um carinho mais próprio de homem velho, impossibilitado de algo mais primitivo, concreto, carnal. No máximo, pegava na sua mão, mas sem ficar assim muito tempo. E ela pensava: respeito é bom, claro, mas quando demais, encuca.
        Benvinda, não é uma sem-vergonha. É apenas carente. Sofre um pouco com a prolongada abstinência mas jamais se entregaria a um homem no primeiro ou no segundo encontro. Mas, após o terceiro ou quarto, digamos, não havia por que manter tanta formalidade, aquele respeito exagerado, que não mais é obedecido pelo resto da moçada. Aí já é demais! “Afinal, não sou nenhuma Rainha da Inglaterra!”
        Chegara a pensar, por um momento, que havia alguma coisa errada em tanto acanhamento: — “Caramba! Será que ele é “bicha’? Não tinha ainda pensado nisso! Não, não é possível! Aquele jeitão másculo, antebraço peludo, peito com cabelo saindo na abertura da camisa, barba cerrada, voz de homem. Não. Bicha? De jeito nenhum!”
        Benvinda conhecera, à maneira bíblica, poucos homens, no máximo oito. Decepcionara-se terrivelmente quando, bem jovem, já grávida de sua filha, ficara sabendo que o namorado era casado e vivia com a mulher. O choque foi demais. Esperava casamento, ou pelo menos uma amigação decente, mas, em vez disso, restara-lhe apenas a solidão e um ventre crescido. Pensara até em se matar. Ou abortar. Mas fora amparada pela patroa de então, mulher bondosa, católica, esclarecida, firme nas suas convicções e que a dissuadiu de cometer um pecado. Mataria um ser inocente que ainda poderia vir a alegrar sua velhice. E, realmente, a filha só lhe dera alegrias, ajuizada como ela só.
        Desse relacionamento, restou uma opinião bem amarga quanto ao caráter dos homens em geral: “mentirosos e egoístas”. Depois do nascimento da filha, só “saía do sério” de vez em quando, quando sua libido começava a apitar igual a uma panela de pressão, quase explodindo. Chegando a coisa a esse ponto ia a alguns bailes populares — forrós, gafieiras, pagodes — onde sempre conseguia uma companhia provisória; igualmente necessitada de descarregar a libido sem responsabilidades.  Não obstante mais feia que bonita, tinha um corpo bem modelado pela involuntária ginástica doméstica, forçada, varrendo, lavando, fazendo cama— a “academia” dos pobres, que ganham para “malhar”.
       Infelizmente, saía desses encontros libidinosos apenas fisicamente satisfeita. Católica por instinto, sem qualquer doutrinação, não conseguia se livrar do sentimento de culpa após tais encontros. Para limpar a alma rezava e prometia não mais se permitir tais liberdades. 
       Já trocara três vezes de religião, em busca de uma paz que nunca era alcançada. E assim ia levando a vida até que, inesperadamente, surgira aquele rapaz atraente e respeitador. Conhecera-o casualmente, ao sair da residência em que trabalhava em um fim de tarde. Ele estava do outro lado da rua, procurando um endereço impossível de encontrar porque não havia aquele número. Vendo-a sair da casa, pedira sua ajuda. E assim começara o casto e inesperado romance.
        O que deixava Benvinda “encucada” era a mania dele de fazer perguntas. Impossível alguém mais curioso: — “Você é feliz? Tem certeza?” — Essa parte ela achava meio idiota. — “Ganha bem? Teu patrão não podia te pagar melhor? Soube que ele recebeu, de herança, alguns dias atrás, várias barras de ouro e milhares de dólares... Ele precisa ter cuidado e guardar bem, senão você sabe o que pode acontecer... Ele já pensou em guardar o ouro no banco?”
        Tais perguntas a deixaram preocupada. Perguntou ao Júlio como é que ele sabia da herança, mas o rapaz explicou que soubera desses fatos por pura coincidência, uma vez que tinha um amigo que era funcionário do Fórum, trabalhando justamente no cartório em que corria o processo de inventário do pai do juiz. Contando a esse funcionário que tinha uma namorada naquela rua — a própria Benvinda —, trabalhando na casa de um juiz, o rapaz perguntara o nome do juiz. Informado, mencionara a herança. O funcionário comentara o fato porque, no geral, os herdeiros não mencionam heranças em ouro e dólares, para pagar menos imposto no inventário.
        A explicação era plausível, mas mesmo assim Benvinda continuou inquieta. Mas, por outro lado, se Júlio fosse um bandido, um assaltante, não precisaria fazer tanto rodeio. Era só sacar um revólver e dominar o patrão na hora certa, quando chegasse de carro à noite ou quando saísse de manhã.
        Ela terminava tais reflexões quando chegava à casa da patroa, situada em bairro de classe média alta.
        Mal ela enfiou a chave na fechadura, sentiu uma mão, vinda de trás, apertar fortemente seu braço esquerdo, ao mesmo tempo em que o cano de um revólver comprimia sua costela.
        Atrás dela, estavam dois assaltantes, ambos com meias envolvendo a cabeça. Foi empurrada para a frente e em segundos os três já estavam no interior da casa.
        Ao susto, seguiu-se uma difusa fraqueza. Benvinda sentiu as pernas moles. Por pouco não soltou a urina, reação que lhe era comum em momentos de grande medo. Apesar de sua esperteza natural, a cabeça emperrou, oca, dominada. Sua boca foi tapada com firmeza pelo mesmo homem que a agarrara por trás e agora a apertava de frente.
        — Nem um pio, tia! — foi a advertência firme, embora sussurrada, do bandido que a dominava. — Se eu atirar, teus miolos vão pro espaço! — E ela, imaginativa, “viu” nitidamente seus miolos sangrentos, aos pedaços, voando em câmera lenta pela sala de visitas.
        — Onde é que teu patrão guardou o ouro e os dólares? — indagou o bandido junto ao seu ouvido. Enquanto isso, o comparsa fazia uma rápida inspeção na parte térrea do belo sobrado.
        — Que ouro? — murmurou Benvinda, numa surpreendente retomada da esperteza.
        O bandido achou graça. Parecia pouco tenso. Com calma, sem desejo, bolinou-a com a mão esquerda, massageando seu seio, enquanto sorria por baixo do disfarce.
        — Parabéns! Nunca pensei que a tia se recuperasse tão depressa! Só que a hora da brincadeira acabou. Sei que teu patrão tá com ouro e dólar. Tu tá querendo bancar a Joana D’Arc? Olha que nós te estupramos e ainda torturamos todo mundo aqui! — E, dizendo isso, pressionou fortemente o cano do revólver contra a narina esquerda de Benvinda, machucando-a com a alça de mira. Os olhos dela se encheram de lágrimas, mas não se atreveu a gritar.
        — Nem precisa responder... Só pode estar no quarto... Vamos subir a escada bem devagarinho; você na frente, e eu com a arma na tua cabeça. Chegando na porta do quarto, você vai perguntar ao patrão se ele quer tomar café. Faz de conta que você tá levando numa bandeja.  Entendeu? Ou precisa levar umas porradas? Se você obedecer, eu te deixo viva. Aliás, deixo todos vivos! Quero só os dólares e as barrinhas de ouro. Por isso, não banca a heroína.
        Ela assentiu com a cabeça, dominada, e foi sendo empurrada, sem ruído ou atropelo, enquanto subia a escada que conduzia ao andar superior.
        Os três pararam juntos à porta do quarto do casal, Benvinda na frente. Ela recebeu uma cutucada na nuca com a ponta da arma e um sinal de que estava na hora de representar o seu papel de garçonete. Perguntou, em voz bem alta:
        — Dr. Nelson... o senhor quer tomar café? Trouxe na bandeja.
        Benvinda, apesar de esperta, ou justamente por isso, não foi uma boa atriz. A pergunta saiu com voz esganiçada, estranha, uma taquara rachada.
        Seu patrão, com pouco mais de quarenta anos, juiz de Vara Criminal, também professor de Direito Penal numa Faculdade particular, acordou com o som da taquara falante. Sem dificuldade, porque essa era a hora em que habitualmente acordava. E logo estranhou duas coisas: primeiro, a alteração na voz da empregada; segundo, o oferecimento do café na cama, coisa que nunca ocorria. Por que essa novidade agora? Mesmo assim, não pensou imediatamente em assalto, apenas agradeceu:
        — ... Obrigado, Benvinda, mas vou tomar o café lá em baixo, como sempre.
        Ouvindo isso, o bandido “principal”, segurando a empregada — o outro ainda não abrira a boca — hesitou um pouco. Não esperava essa resposta, mas pensando depressa sussurrou no ouvido da doméstica: — De novo... Oferece de novo!
        E Benvinda insistiu: — O senhor tem que tomaaaar! — gritou, quase gemendo, desesperada.
        Aí o “desconfiômetro” do juiz tocou como um despertador antigo, bem barulhento. — Aí tem coisa! — pensou, o coração batendo forte.
        O juiz saltou da cama e, sem calçar os chinelos, na ponta dos pés, aproximou-se da porta. Bem agachado, tanto quanto possível, espiou pela fresta. E constatou, só pelas sombras, que não sendo Benvinda um inseto, com várias pernas, havia outras pessoas no corredor. Essa conjugação de abundância “pernil” com a imposição berrada para que tomasse café na cama, só podia ser mais um capítulo das perigosas “histórias reais de crimes” que lia todos os dias nos autos de processo.
        — Um momento, já vou abrir a porta! — o juiz gritou, procurando dar à voz um timbre normal. Imediatamente aproximou-se da mulher que, já de pé, imóvel, o encarava com os olhos arregalados, consciente da situação. Junto ao ouvido dela, ele sussurrou: — Tranque-se no banheiro. Depressa! Sem barulho!
        Em seguida, deu alguns passos na direção do guarda-roupa embutido, onde mantinha uma espingarda de caça de dois canos, sempre carregada, apesar do risco implícito nessa prática. Assim fazia porque, como juiz, ouvira inúmeros relatos de vítimas de roubos que não tiveram tempo de carregar suas armas quando os ladrões já estavam dentro da casa.
        O juiz pegou a espingarda e voltou para a cama, onde se reclinou e ajeitou a coronha no ombro. Armou o cão da arma e aguardou, direcionando os canos para o meio da porta. Nesse momento, sua mulher já estava trancada no banheiro.
        A excessiva demora e o suspeito silêncio convenceram o bandido principal que o dono da casa estava tramando alguma. Era agora ou nunca. Empurrou a empregada para o lado e desferiu três fortes pontapés na porta, chutes que estrondearam pela casa silenciosa. No quarto chute, a porta abriu-se violentamente.
        Nesse exato momento, o juiz apertou um dos gatilhos. Aí, aparentemente — pelo que se constatou depois nos autos do processo —, o bandido da frente, por uma razão qualquer, virou o rosto. Isso porque seu maxilar inferior foi arrancado, quase inteiro, pela pressão conjunta das pequenas esferas, de aço, projetadas pela potente arma de caça, em pouca distância.
        O tiro teve também o efeito de um violento murro de “peso-pesado” em um combalido “peso-mosca”, pois o bandido da frente foi jogado para trás, levando de roldão o companheiro e a própria Benvinda, que não tivera tempo de descer a escada, porque estava meio abestalhada.
        Os três rolaram pela escada, aos trambolhões, enquanto o involuntário caçador de “queixadas” se levantava da cama e se preparava para um eventual segundo disparo.
        Do alto da escada, o dono da casa observou que, lá embaixo, nenhum dos dois bandidos segurava, naquele momento, qualquer arma e estavam tontos. Um revólver estava caído junto à porta do quarto, no andar de cima, e um outro no degrau mais alto, ambos fora do alcance dos ladrões.
        Não obstante sem a mandíbula, o bandido que parecia liderar o roubo conseguiu se erguer, cambaleando, confuso, olhos arregalados, uma mão segurando o ponto mais baixo do corrimão. Com a outra mão, tateava o quase buraco onde antes havia um queixo. Do buraco, fluía grande quantidade de sangue. Seu companheiro, também ferido, mas não muito, procurou, solidário, arrastar para longe seu colega de empreitada, abraçando-o pela cintura e colocando o braço do ferido por cima de seu ombro. Arrastaram-se na direção da cozinha, certamente visando escapar pelo quintal da casa, onde havia um muro não muito alto. Só pensavam agora em escapar.
        Com máxima cautela, o patrão de Benvinda os seguia de longe, atento ao que acontecia, cauteloso quanto à eventualidade de haver um terceiro bandido dando apoio aos primeiros. Mas logo convenceu-se de que eles estavam sozinhos.
        Os ladrões chegaram até o muro do quintal, que dá para um terreno baldio. O bandido menos ferido rapidamente conseguiu trepar no muro e, montado a cavalo, com uma perna de cada lado, tentava erguer o companheiro. Mas seu esforço era inútil. O homem sem queixo não tinha força. Parecia zonzo. Mal conseguia ficar de pé. A perda de sangue, acrescida do violento trauma, o enfraquecera de tal modo, que ele não fazia mais que erguer debilmente os braços e emitir uns grunhidos — expressão de dor ou explicação de que lhe faltavam forças. Posteriormente, quando da autópsia, o dono da casa ficou sabendo que a carga de chumbo dilacerara sua língua.
        O bandido que estava em cima do muro explicou ao companheiro, aos gritos — foi o que o juiz entendeu — que precisava fugir, deixando-o ali, mas que ficasse sossegado porque retornaria em seguida, bem armado, para levá-lo.
        O outro, contudo, não parecia aceitar essa solução. Queria que o companheiro o levasse logo. Mesmo fraco, protestava, roncando e tossindo. Até que o homem de cima do muro, exasperado, fixou o olhar no dono da casa. Ergueu o punho com ódio e gritou: — Volto para te matar!
        Nem bem esse ladrão ergueu a perna, preparando-se para deixar o muro, o dono da casa efetuava o segundo disparo, acertando-o em cheio. Sendo maior agora a distância, a carga de chumbo pôde melhor se espalhar, atingindo também o seu companheiro, que, cambaleando, deu uns passos para longe do muro e caiu emborcado numa pequena piscina. O outro ladrão caiu morto do outro lado do muro.
        Quando a polícia chegou, meia hora depois, Benvinda já estava sendo medicada — nada grave — e narrava ao patrão o ligeiro e castíssimo “namoro” que mantivera com aquele rapaz, tão perguntador, e que estava morto do outro lado do muro. Arrancada a meia do rosto desse bandido, ela logo reconheceu Júlio, o casto namorado. No início do roubo, ele não proferira uma só palavra justamente para evitar sua identificação. E no inquérito verificou-se que os dois bandidos eram irmãos, nascidos no Paraguai e com antecedentes criminais tanto aqui como lá.
        Quanto ao juiz, o traumático evento lhe foi particularmente amargo. Até então, no que se refere a mamíferos, só matara uma capivara em Mato Grosso. E sentira depois um certo mal-estar, observando o estado dilacerado do animal.
        Contra seus princípios — era um homem direito —, mas por compreensível instinto de defesa, viu-se obrigado a alterar um pouco os fatos quando os relatou ao Delegado de Polícia que compareceu ao local. Disse que o ladrão, no muro, fizera menção de sacar uma arma para nele atirar.
        Aquele segundo disparo de espingarda — ele sabia, estava escrito em todos os tratados de Direito Penal — não mais configurava a legítima defesa, pois já havia cessado o perigo. A ameaça do ladrão era uma simples hipótese. Mas, como cidadão, ele se perguntava, procurando tranquilizar a consciência: — “E se o bandido voltasse para cumprir sua promessa? Não era meu dever proteger meu lar, mulher e filhos?
        Alguns dias depois, pediu para ser removido para uma Vara Cível. Sentia-se traumatizado, sem equilíbrio para julgar assaltantes..
        Continuou lecionando Direito Penal, mas seus alunos queixavam-se de que, não obstante fosse um professor exigente, detalhista, tornava-se evasivo e sumário quando explicava os requisitos formais da legítima defesa. Notadamente o item “agressão atual ou eminente”. Não parecia se sentir bem explicando o ponto. E passava logo para outro tema.
        Um mês depois, mudaram para um apartamento, onde não foram assaltados até agora.
        Quanto à Benvinda, passou vários meses tristinha, decepcionada consigo mesma. Toda vez que se mirava num espelho, parecia-lhe que  uma jumenta a encarava.
FIM
Francisco Pinheiro Rodrigues, 18 de março de 2020