sexta-feira, 11 de janeiro de 2019

Global warming. The Paris Agreement. Should we get out of it?



On 04/08/2018 I published in my blog - franciscopinheirorodrigues.com.br – the article “Why is the Antarctica cooling down?”

My question – nosy headstrong - was related to the news that in the Antarctic there was a drop in temperature - the opposite of what is expected - because there was, and still is, an almost unanimous academic consensus that global warming is growing dangerously as a consequence of human activity. It was mandatory, I thought, without imagining the immense complexity of climatology, a global limitation of industrial activity, livestock, and deforestation and of everything else which would imply on an increase in carbon dioxide (CO2) in the atmosphere, even if such a restriction curbs the economic growth of countries ours included, rated among the ten most polluting countries.

Considering the rise in sea level - allegedly confirmed by the media - to be one of the serious consequences of the greenhouse effect flooding coastal areas, I concluded that the anomalous cooling, which occurred in part of the Antarctica, could be explained by the shift of the Earth's axis enabling the Sun's rays to warm certain areas while cooling others in the same continent, depending on the weight of the oceans and the Earth's rotational movement. This variation - I "deduced" - would be more noticeable near the Polar Regions in both hemispheres. Some areas, reiterating, warmer before, would become colder and vice versa, which would keep the average planetary temperature unchanged. If for example, winter is harsher in New York, probably in Siberia, on the opposite side of the planet, winter would be less severe; a phenomenon little publicized since it occurred in a sparsely inhabited region, thus not justifying headlines.

I wondered: what could explain this probable mutation of the Earth's axis tilt? Evaluating with a naked eye, the impressive mass of water of the Oceans on the globe the conclusion seemed obvious to me: with melting ice at the poles and peaks on the high mountains, millions of tons of melted ice, notably in the Antarctica, ended up in the seas and oceans, increasing its level, justifying the necessity of limitation in the human activity, given as responsible for the greenhouse effect.

I did not understand, however, why the media did not mention this explanation - of the axis shift - over the partial cooling at the south pole, an explanation that seemed to me "so obvious": if the Antarctica glaciers "visibly" melted - as suggested by the photos -, the resulting water would end up adding to the water of the oceans, increasing the flood of cities near the sea. Therefore, Brazil should remain firm in its decision to impose restrictions on its industrialists, ranchers and farmers, at the Paris Conference in 2015.
If readers want more details of my seemingly logical deduction, they can access my blog.
Now everything has changed. Or at least shuddered the technical understanding of a problem, which will affect the future of humanity, in the medium and long term.

After listening to "oceanic" and scholarly lectures and interviews by Ricardo Felício and Luiz Carlos Molion on YouTube, I am now aware and impressed by my total ignorance on this subject - Climatology - that I never imagined to have reached such a degree of sophistication and complexity.

From what I have heard from these two scientists, who are convinced that human activity does not influence the planetary climate, countries should think a little - or much more - about global treaties on reducing CO2. It is up to the academic majority - who maintains that man is the cause of the greenhouse effect and continuous global warming -, explain better the reason why they demand the signatory countries of the Paris Agreement the limitations on CO2 emissions, even if this means a decrease of GDP.

Three days ago, however, accessing YouTube, I watched the long interviews of USP professor Ricardo Felício, claiming in a calm assurance, that the human being is not responsible for the global warming, and there is no reason for Brazil to comply with the restrictions stemming from the Agreement of Paris 2015, ratified by our country on 09/12/2016.
In summary, Ricardo Felício says that a temperature variation on Earth depends only on changes in the Sun, following different periodic cycles on the surface of our star. He argues that the planet has already undergone ice ages and has withstood much higher temperature spells than today.

As for the rising sea level, Felicio says that El Nino is a natural phenomenon, even by changing the sea level by half a meter. He also reports that a famous oceanographer, Macaulay – if I’m not mistaken -, who has already died, said that "the last thing the sea has is a level", not justifying - in the words of Felício - the current global concern with an extra centimeter or even less because the seas always vary in their levels. He also claims that the melancholy images of thin bears - balancing themselves on pieces of floating ice at the North Pole - and the glaciers melting, or rather "crumbling" - in Antarctica - date back 20 years, being only false propaganda.

Felicio argues that glaciers melt and re-form in decades and centuries. He says that there are more than 160,000 glaciers and that the UN only monitors 50 or 60 of them, and cannot draw correct conclusions with such restricted research.

As for the aforementioned Luiz Carlos Molion - professor and researcher at the Federal University of Alagoas, in Meteorology, postdoctoral fellow in Hydrology of Forest, postgraduate in Physics and with numerous other distinctions -, he seemed to me, on YouTube, a live encyclopaedia when he shifts from one item to another related, with calm assurance and a courage rare in such a multifaceted subject. He also needs to say a few words about how to reconcile the "sanctity" of CO2 with the need to reduce environmental pollution. This cannot be totally unrelated to the Global Warming theme.

In order not to lengthen this text, already too long, it is convenient for the reader to watch the interviews of Felício and Molion on YouTube for a better understanding. I advise you to listen to them more than once, on different days - not to tire and give up, in frustration. This is a technical matter, with a conclusion of a very high relevance: the withdrawal of Brazil in a worldwide decision.

It's a pity - just for me, always eager and curious - that these two climate scientists have said nothing about the eventual tilt of the Earth's axis when the planet undergoes cooling in parts of the Antarctica when global warming occurs. Probably nothing has been said about the Earth's axis because the detail, if it occurred, was irrelevant. They need however to clarify how to reduce pollution, which kills people in the long run.

Global warming and environmental pollution are of course, distinct themes, but very closely related. Health should also matter heavily when discussing the economic effect of the mandatory reduction of carbon dioxide emissions in an international treaty.

Could the hasty Donald Trump exceptionally, be right when he declared that his country will withdraw from the Agreement?
The matter is especially important for Brazil since Jair Bolsonaro gives signs to follow Trump in that decision.

As long as the technical doubt about whether Brazil would walk out from the Paris Agreement, the most sensible solution would be for Bolsonaro to say he will wait for the formal black-and-white adhesion of countries with permanent seats in the Security Council prior to his decision. Felicio said that China has promised to sign but keeps winding, and has not yet signed. If the United States is the only one to leave, Brazil should continue in the Agreement. But Brazil must sign only after the super power countries, permanent members of the Security Council, besides Germany and Japan, have done so. Only then it becomes clear that the super powers would accept the restrictions required from Brazil and other smaller countries.

Molion insists with authority, in his talks on the economic interest of the rich nations in crippling the growth of developing nations. He lectures on patents, profits and losses, etc., which are behind a decision that should be solely technical.
Brazil needs to know, with more certainty, the pros and cons of variations of the Sun, the Earth and the insights of how human activities impacts, before leaving or remaining in the Paris Agreement.

(25/12/2018)

terça-feira, 8 de janeiro de 2019

Crimes, sovereignty and world government

I have highly illustrious precursors, including Kant, when I never tire of insisting that, to an ever greater extent, nations need to renounce large portions of their sovereignty in favor of a global democratic federation, in order that the world may be less chaotic, unjust and self-destructive (see pollution).

This is not “mere” idealism; utopian propensity; fanciful optimism (in the style of J. J. Rousseau, where man is born essentially good and subsequently corrupted by society); altruism and the like. Man is both good and evil, in varying proportions, according to genetic makeup, education (formal and informal), the cocktail of beatings and caresses received since childhood and assessment of the legal and social advantages or risks that surround his activities. If it is advantageous to be good, either here or in the afterlife, he is, even if basically not so. He dances according to the music being played. But that’s enough of generalizations; the reader has no time to waste.

When a law student, I was highly impressed by the fact that a foreign citizen, duly sentenced by the courts of his country, was able to move freely about Brazil, make a Brazilian woman pregnant, father a son and, as a result, free himself from the threat of extradition and completing his sentence. It seemed to me to be the easiest and most enjoyable preventive “habeas corpus” in the world. At liberty thanks to a gratuitous, illiterate, but for all that extremely effective, unqualified attorney, the respected “Mr. Spermatozoid”.

Ronald Biggs, an engaging Englishman, who took part in the multi-million pound Great Train Robbery of 1963, was one such case. After serving a few months of his prison sentence in the United Kingdom, he scaled the wall and fled to Australia. As he certainly did not feel safe in that country, which has strong ties with England, he ended up residing in Brazil, after becoming aware that several benevolent legal concessions exist here that are well-suited to his case. He became emotionally involved with a good-hearted nightclub dancer, made her pregnant and, as a result, guaranteed that he would be able to stay in the country. The British government sought his extradition, however, as Biggs’ son was his dependant (of course...), and no extradition treaty existed between the two countries (the old problem of sovereignties), the fugitive continued to live here for as long as he wanted. Free and (according the respective Wikipedia webpage) charging anyone who so desired sixty dollars to have lunch and a chat with a “celebrity”. According to information provided by the fugitive himself, his portion of the loot had been reduced to a minimal sum, as a result of attorney’s fees and other expenses related to his fight against returning to prison. Nevertheless, when his longing for his homeland became unsupportable, he returned to England and ended up being imprisoned. Now old, sick and debilitated, photos of him aroused compassion in those of a more sensitive disposition and inclined to pardon.

What is interesting here (someone needs to write an academic thesis on this sociological phenomenon) is that a large portion of society, principally Rio society, even adulated him, considering his personal appeal and audacity for having participated in a robbery the current value of which is equivalent to more than one hundred million reals. “Success”, in any of its forms - political, economic, sporting, artistic or “congenially criminal” - legitimizes any kind of act. In the First World, male cinema artists, in order to reinforce their reputation as “tough guys”, liked to be seen at shows and restaurants in the company of high-ranking members of the Mafia. The affectation of adding an air of shadowy danger to their status. This occurred in the case of Frank Sinatra, Alain Delon and other inflamers of female hearts. A fictional English politician, feeling that he was being more than a little blackmailed by the person who was speaking to him, mentioned, wishing to impress, that he had contacts “in high places”. To which the other replied, with assurance, that he also had contacts, but “in low places”. This is something far more intimidating, as evil can be inflicted with the power and speed of a lightning bolt, without any bureaucratic hindrances.

That which was mentioned regarding extradition only goes to show, in summary, that in the difficult harmonization of sovereignties, crime very often goes unpunished, or very nearly so. This, at least in theory, would not occur if there were a global federation or confederation, with worldwide jurisdiction.

Another example facilitating impunity lies in the setbacks faced by state prosecutors when they are overruled or delayed in their attempts to recover large amounts of money deposited abroad. Given that the money can be transferred to another bank or even another country in a matter of seconds, with a simple mouse click on a computer, the diligent prosecutor almost always arrives too late with his petition for freezing deposits made by those availing themselves of public money. While the prosecutor studies the banking legislation of the country where the money is to be found - wrestling with a language in which he is not fluent - and once again prepares a request for its return, the money in question has already been sent to another bank. And so everything starts all over again. Even the private creditor of a millionaire debtor, who has financial resources scattered all over the world, cannot manage to make demands or even subpoena the important debtor, making his credit – even if judged to be without further recourse to appeal – a very nice sum without any real significance.

Extraditions are subject to the influence of the international prestige of the countries involved. In the case of the Canadians who were arrested and sentenced for kidnapping a famous São Paulo businessman, the Canadian government managed to arrange that they be repatriated in order to serve their sentence in their own country, with probably benevolent consequences. If, however, a group of Brazilians were arrested, in Canada or the United States, after carrying out kidnappings, it is highly probable that the Brazilian government will not be able to extradite them. With Bush as president, it would certainly not be possible.

Even horrendous homicides end up being almost unpunished as result of this “excess” of sovereignty, with each country living in its own isolated world – pure political schizophrenia.

Look at the 1981 case of the Japanese Issei Sagawa, who, in Paris, killed and “raped” (in fact, he technically violated a corpse) an attractive female Dutch student, a colleague of his at Université Censier in the city. He did this because the Dutch girl (who assisted him with translations at the time, in his apartment), refused his advances full of passion and libido. Issei, who has the appearance of a somewhat developed dwarf with a large head (I’ve seen a photo of him), was 1.48 m tall and weighed 44 kilos, very much less than the Dutch girl. The girl, seeing him as only a colleague, ordered him to concentrate on the work they were doing. The Japanese got up, took a 0.22 caliber rifle out of a cupboard behind the girl, and shot her in the back of the neck. Following this, he had sex with the cadaver and then cut off the lips, nose, breasts and private parts, storing them in the freezer of his refrigerator for future consumption. And he actually ate a large part of this flesh prior to being arrested. He had this strange compulsion, associating the sex act with the act of eating. The case in question is briefly described in the book written by Canadian writer Max Haines, in Book V of his series entitled “True Crime Stories”. The story appears on page 121, in the chapter “Fantasies Turn to Cannibalism”. It’s a pity that this series has not been translated into Portuguese.

After cutting up the girl’s body, the accused placed these mortal remains in two suitcases, which he transported by taxi. He intended to throw their macabre contents into a nearby lake. In the street, on leaving the taxi, he noted that people were looking with mistrust at that small Japanese figure dragging two suitcases that were much too heavy for him. Startled, he abandoned the suitcases on the sidewalk, thinking that there was no evidence of him being linked to the homicide. The police only found him because, on reading the newspaper headlines, the taxi driver remembered this strange oriental man and took the initiative of informing the authorities.

Following the gathering of irrefutable evidence against him (found in his small apartment, principally in the refrigerator), Issei confessed to the crime but was considered to be crazy and not responsible for his actions, even though he was a cultured and intelligent man. He was fluent in German and French, present in France for his doctorate degree in Japanese influence on French literature. The judge determine that he be committed to a psychiatric institution.

Issei was the son of a rich Japanese industrialist. After spending three years in an asylum, his father managed to arrange for his extradition to Japan, under the condition that he remain confined in a sanatorium for the mentally sick. However, following 15 months of internment, he was discharged. The Japanese doctors concluded that he was normal. France could do nothing as each country has its own sovereignty. And, after all, what does being “crazy” really signify?

After his release (according to Max Haines), Issei Sagawa wrote several books on his favorite topic - cannibalism. It is likely that the victim’s family (whose name I will not mention here, out of respect for the suffering of others) does not have a very high opinion of either the seriousness of Psychiatry as a profession or those intimate with the pompous word “sovereignty”, generally pronounced in a solemn tone of voice.

On the other hand, the family of Issei likely thought that everyone deserves a second chance. After all, the Japanese guy spent four and a half in asylums for the mentally sick as someone “normal” according to the psychiatrists of his country. In all certainty, there will be those that think Issei became crazy as a result of unrequited love. Someone once said that “Man is the fire, woman the tow, and the Devil comes and fans the flames.”

(4-12-2006)





Crimes, soberania e governo mundial.

Já não me acanho — tenho precursores ilustríssimos, Kant inclusive — em insistir que as nações precisam, cada vez mais, renunciar largas porções de sua soberania, em favor de uma federação democrática mundial, para que o mundo seja menos caótico, injusto e autodestrutivo.

Não se trata de “mero” idealismo; propensão à utopia; otimismo fantasioso (estilo J. J. Rousseau, de que o homem nasce essencialmente bom, sendo pervertido pela sociedade); altruísmo e coisas do gênero. O homem é bom e mau, em variadas proporções, conforme sua carga genética, educação — formal e informal —, o coquetel de pancadas e afagos recebidos desde pequeno e o cálculo das vantagens ou riscos, legais e sociais, que cercam sua atuação. Se é vantajoso ser “bom” — vantagem aqui ou no “além” —, ele o é, embora no fundo não o seja com naturalidade. “Dança” conforme a música. Mas deixemos de generalizações, porque o leitor não tem tempo a perder.

Quando estudante de Direito já me impressionava o fato de um cidadão qualquer, rico ou pobre, estrangeiro, condenado pela justiça de seu país, correr para o Brasil, engravidar uma brasileira, com isso livrando-se da extradição para o cumprimento da pena. Parecia-me o “habeas corpus biológico” mais fácil e prazeroso do mundo. Livre das grades graças a um “rábula” analfabeto e gratuito — o “doutor espermatozoide”. Ele tem realmente um rabo, que lhe permite nadar.

Ronald Biggs, um inglês simpático, participante do milionário “roubo do trem pagador”, de 1963, foi um dos casos. Após cumprir alguns meses de cadeia no Reino Unido, pulou o muro e fugiu para a Austrália. Certamente por não se sentir seguro naquele país, que mantém fortes vínculos com a Inglaterra — a Commonwealth — , acabou fixando-se no Brasil após saber que aqui havia algumas “benevolências” legais bem adequadas ao seu caso. Envolveu-se sentimentalmente com uma brasileira de bons sentimentos, engravidou-a e com isso garantiu sua permanência no país.

 A justiça inglesa tentou extraditá-lo mas como o filho de Biggs era seu dependente (claro...), e não havia um tratado de extradição entre os dois países — o velho problema das soberanias... —, o fugitivo continuou por aqui tanto quanto quis. Livre e — conforme a mídia —, cobrando sessenta dólares de quem quisesse almoçar e bater um papo com a celebridade.

Segundo informação do foragido, sua parte no roubo estava reduzida a quantia mínima, tais as despesas com advogados e outros gastos relacionados com sua luta para não retornar à prisão. Quando, porém, a saudade da pátria se tornou insuportável, voltou à Inglaterra e acabou encarcerado. Velho, doente, alquebrado. Fotos suas despertavam compaixão nas pessoas mais sensíveis e inclinadas ao perdão.

O interessante — alguém precisar escrever uma tese acadêmica sobre esse fenômeno sociológico — é que boa parte da sociedade, principalmente a carioca, até mesmo o bajulava, considerando sua simpatia pessoal e audácia por haver participado de um roubo cujo valor, atualizado, chega a mais de cem milhões de reais. O “sucesso”, em qualquer de suas formas — política, econômica, esportiva, artística ou “simpaticamente criminosa” — parece legitimar qualquer ato.

No Primeiro Mundo, artistas de cinema, para reforçar a fama de “durões”, gostavam de serem vistos, em restaurantes e shows, na companhia de mafiosos de alto coturno. O requinte de acrescentar, ao status de artistas, o frisson do vago perigo — no caso vaguíssimo.

Isso ocorria com Frank Sinatra, Alain Delon e outros incendiários de corações femininos. Um político inglês, personagem de ficção, sentindo-se um tanto chantageado por seu interlocutor, mencionou, querendo impressionar, que tinha relações “nas altas esferas”. Ao que o interlocutor respondeu, confiante, que também tinha relações, mas “nas baixas esferas”. Algo bem mais intimidante, porque nas baixas esferas o mal pode ser infligido com a brutalidade e velocidade do raio, sem as peias burocráticas e jurídicas.

O que foi dito sobre extradição apenas mostra, em breve resumo, que na difícil ou impossível harmonização das soberanias, o crime fica muitas vezes impune, ou quase isso. O que não aconteceria, pelo menos em tese, com uma federação mundial, com jurisdição em todo o planeta.

Outro exemplo de favorecimento da impunidade está na lentidão com que a acusação estatal é derrotada ou atrasada quando tenta reaver verbas vultosas depositadas no Exterior. Como o dinheiro pode, em segundos, mudar de banco e de país, com um simples clicar no computador, o esforçado promotor de justiça quase sempre chega atrasado no seu pedido de congelamento de depósitos feitos por ladrões do dinheiro público. Enquanto o promotor estuda — lutando com a língua que não conhece bem — a legislação bancária do país onde está o dinheiro e redige o pedido de retorno de verbas, o dinheiro já foi enviado para outro banco, em outro país. E aí começa tudo de novo. Mesmo o credor particular do devedor milionário que tem recursos espalhados no mundo não consegue cobrar — por vezes nem mesmo citar — o grande devedor, tornando-se seu crédito uma elevada cifra, mas sem significado real.

Extradições sofrem a influência do prestígio internacional dos países envolvidos. No caso dos canadenses que foram presos e condenado pelo sequestro de um famoso empresário de São Paulo, o governo canadense conseguiu que os condenados fossem repatriados para cumprimento da pena no país deles, com consequências benevolentes. Se, porém, um grupo de brasileiros for preso, no Canadá ou nos EUA, após realizar sequestros, é altamente provável que o governo brasileiro não consiga a extradição. Com o presidente Bush, certamente não conseguia.

Mesmo homicídios horrendos acabam quase impunes em razão do “excesso” de soberania, cada país vivendo em um mundo isolado, apenas seu — puro “autismo” político.

Veja-se o caso do japonês Issei Sagawa, de 1981, que, em Paris, matou, “estuprou” ­— na verdade, tecnicamente, “violou o cadáver” — uma bonita e vistosa estudante holandesa, sua colega, na Université Censier, de Paris. Fez isso porque a holandesa — que o ajudava em traduções naquele momento, no studio dele —, recusou suas propostas cheias de paixão e de libido.

Issei, que tem a aparência de um anão mais crescidinho, cabeçudo — vi uma foto dele —, media 1,48 m e pesava 44 quilos, certamente menos que a holandesa. Esta, vendo no oriental apenas um colega, mandou que ele se concentrasse no trabalho que estavam fazendo. O japonês então se levantou, pegou um rifle calibre 0.22 que estava num armário, atrás da moça, e disparou um tiro na nuca da estudante. Em seguida fez amor com o cadáver e depois cortou seus lábios, nariz, seios e partes pudendas, guardando-as no “freeze’ da geladeira para consumo futuro. E realmente comeu boa parte dessa carne até ser preso. Ele tinha essa estranha compulsão, ligando o ato sexual ao ato de comer. O caso é descrito resumidamente no livro do escritor canadense Max Haines, no “Book V” de sua série de “True Crime Stories”. O relato está na página 121, no capítulo “Fantasies Turn to Cannibalism”. Pena que essa série não tenha sido traduzida para o português.

O réu, após esquartejar o cadáver, colocou os pedaços em duas malas, que transportou de táxi. Pretendia jogar a carga macabra em um lago ou rio próximo. Na rua, dispensado o táxi, notou que as pessoas olhavam com desconfiança aquele japonês pequeno arrastando duas malas, pesadas demais para ele. Assustado, abandonou os volumes na calçada, pensando não haver prova de sua vinculação com o homicídio. Com o passar das horas, o sangue das malas começou a escorrer pelas frestas, despertando suspeita e exame do conteúdo. A polícia só chegou a ele porque o motorista do táxi, lendo as manchetes dos jornais, lembrou-se do estranho oriental e tomou a iniciativa de procurar as autoridades.

Reunidas as provas irretorquíveis contra ele — encontradas em seu pequeno apartamento, principalmente na geladeira —, Issei confessou o crime mas foi considerado irresponsável, louco, não obstante ser homem culto e inteligente. Era fluente em alemão e francês. Estava na França para um doutorado sobre a influência japonesa na literatura francesa. O juiz determinou sua internação em uma instituição psiquiátrica.

Issei era filho de um rico industrial japonês. Passados três anos de manicômio seu pai conseguiu que fosse extraditado para o Japão, sob condição de ficar confinado em um sanatório para doentes mentais. A proximidade da família seria útil para seu “tratamento”. Decorridos, porém, 15 meses de internação foi dispensado. Os médicos nipônicos concluíram que ele era normal. A França nada pôde fazer porque cada país tem sua soberania. E, afinal, o que é “ser louco?”

Após sua liberação — diz Max Haines —,  Issei Sagawa escreveu diversos livros sobre seu assunto favorito — o canibalismo. “Um saber de experiência feito”, como diria Camões. A família da vítima holandesa — cujo nome não menciono aqui por respeito à dor alheia — não deve ter boa opinião nem sobre a seriedade da Psiquiatria, nem sobre os bastidores dessa pomposa palavra — “soberania’ — geralmente pronunciada com a boca cheia de ignorância inflada.

Por outro lado, a família de Issei deve ter pensado que todo homem merece uma segunda chance. Afinal, o oriental passou quatro anos e meio em manicômios, embora sendo “normal”, segundo os psiquiatras de seu país. Certamente, haverá quem defenda que Issei foi enlouquecido pela paixão rejeitada. Já disse alguém que “O homem é fogo e a mulher, estopa. Vem o diabo e sopra.”

Pelo que se vê acima, enquanto não houver um governo mundial, sem ditadura — é possível conciliar federação, mundial ou não, com democracia — presenciaremos casos de impunidade, fruto da soberania sem limites, ou caprichosa. Basta o criminoso pular de um país para outra antes que seja preso em definitivo. E, fugindo da prisão, sempre haverá um país disposto a exercer sua “soberana proteção” a qualquer criminoso — ou simpático ao governante local ou em condições de pagar a “hospedagem” —, o que provavelmente não foi o caso do Ronald Biggs no Brasil.

Isso não é racional nos tempos modernos, nem o era antes, e favorece tanto o crime organizado quanto o desorganizado. Mesmo que o país acolhedor apresente justificativas frágeis para não conceder a extradição do criminoso, isso não terá a menor importância. A soberania sem limites dispensa coerência.

Milhares de “presos comuns” — a “plebe” brasileira — certamente exigirão igual benevolência, se a libertação do foragido for confirmada. Gritarão que neste mundo tão contraditório, alguns poucos são “filhos de Deus”, mas a grande massa é, sem dúvida, filha do diabo.

(29-10-2014)

segunda-feira, 7 de janeiro de 2019

As guerras rebaixaram, geneticamente, a inteligência?

Creio que sim. Na minha opinião, isso só pode ter ocorrido. Friso que me refiro à inteligência média — nem gênios nem retardados —, e também a natural, que nada tem a ver com o grau de instrução. Um homem com instrução superior pode ser menos “organicamente inteligente” que outro, com curso primário incompleto, ou mesmo analfabeto. Em linguagem popular, alguns nascem mais espertos, mais rápidos ou inventivos que outros. Mesmo entre as pessoas cultas, é variável o grau de inteligência

Presumo que as guerras —, além de mortes, aleijões, caos e destruição material — provocam, dentro de cada país envolvido em conflito, um retrocesso genético nas gerações seguintes, pois com elas ocorre a “sobrevivência dos menos aptos” e “extinção dos mais aptos” — o contrário da teoria da evolução de Charles Darwin. Esse é mais um argumento contra a estupidez das guerras. Felizmente, até agora, as mulheres não participaram maciçamente dos combates. Guardaram os melhores genes de suas respectivas nações.

Nas guerras são justamente os mais jovens e sadios — convocados e aprovados pelo serviço militar —, que morrem primeiro, em combate, geralmente antes de se tornarem pais. Apenas os jovens rejeitados pelo serviço militar, portadores de alguma incapacidade, deixam descendência. Quando morrem em bombardeios, fazem parte das vítimas civis: crianças, velhos e mulheres.

Propenso, como mero curioso, a indagar eventuais nexos biológicos de causa e efeito em temas sociais — neste caso entre a morte de milhões de jovens soldados e o não-avanço ou retrocesso no caráter dos seres humanos, através da história — pergunto-me se as periódicas guerras e outras formas de massacres, desfalcando a espécie humana de sua melhor “fatia”, a juventude sadia, explicam porque a humanidade permanece a mesma, ou piora, em termos morais, não obstante seu impressionante avanço tecnológico. Convém lembrar que invenções científicas e tecnológicas são relativamente raras. Discuto, neste texto, apenas uma hipótese global, estatística, reconhecendo, claro, que muitos jovens inaptos para lutar nas guerras podem ser invulgarmente inteligentes.

Como surgiu essa ideia relacionando as periódicas guerras com a baixa ou nenhuma evolução da humanidade? Explico a seguir.

Depois de ler centenas de citações de filósofos gregos — Sócrates, Platão, Aristóteles e mesmo os pré-socráticos —, fico me perguntando: Sócrates nasceu provavelmente em 470 antes de Cristo, isto é, cerca de 2.500 anos atrás. O que ele dizia — e seus seguidores escreviam — sobre a ética é muito superior ao que presenciamos, em média, nos nossos tempos. Mesmo entre os atuais “‘pensadores”, muitos deles mais preocupados com frases de efeito do que com a profundidade mesclada com bom senso. Na política, ainda é pior. Basta comparar as falas dos presidentes das nações, nos últimos cem anos, incluindo as nações mais ricas. Quanto aos discursos lidos, sabe-se que é comum que sejam eles escritos por ghostwriters. Nenhum progresso em 2.500 anos. Talvez até um retrocesso, apesar de nosso impressionante avanço técnico, fruto de poucos inovadores. 

Apesar de tanta leitura disponível — com a invenção da imprensa, dos computadores, dos celulares, da disponibilidade gratuita e instantânea da informação, etc. —, o homem moderno continua mentindo, enganando, matando e roubando; aparentemente de forma mais exacerbada do que dois milênios e meio atrás. Com uma agravante: depois dos filósofos referidos, surgiram três religiões que, sendo monoteístas, deveriam impulsionar a humanidade no sentido da irmandade da espécie humana.

Não adiantou. A carnificina só aumentou: Cruzadas, Guerra dos 30 anos, Guerra dos 100 anos, Guerras Napoleônicas, Guerra Civil Russa, Guerra Civil Americana, Revolta Dungan (na China), “Ataques” de Tamerlão”, 1ª. Guerra Mundial, 2ª. Guerra Mundial,  Guerra da Coréia, Guerra do Vietnam, Guerras do Golfo, Guerra “da Síria”, Estado Islâmico, combates entre israelenses e palestinos, etc. Isso sem contar com um possível conflito nuclear se Kim Jong-un e Trump continuarem mutuamente se ameaçando. Um aperto de botão, mesmo acidental, e teremos o caos.

 Falei “acidental” porque quando Jimmy Carter era presidente, um terno dele foi enviado à lavanderia, tendo em um dos bolsos do paletó, por descuido, o “celular”, ou aparelho equivalente, que, acionado, dispararia foguetes atômicos contra Rússia. Esta, revidando, usaria seu sistema de “resposta imediata”, disparando mísseis atômicos contra EUA, Londres e outras capitais. Felizmente, nenhum empregado da lavanderia, desconhecendo o perigo, tentou “experimentar” os botões do enigmático “brinquedo”. Seria um novo “smartphone”?

Costumo lembrar que, às vezes, no mal reside um bem, e vice-versa. Se EUA e União Soviética, no tempo da Guerra Fria, não fossem potências nucleares a 3ª. Guerra Mundial já teria ocorrido. Provavelmente em 1962, no conhecido incidente dos foguetes russos, com ogiva nuclear, enviados à Cuba pela União Soviética mas interceptados, no mar, pelos americanos.

O objetivo deste artigo foi o de apresentar novo argumento — o genético, de efeito futuro — contra a estupidez das guerras, todas elas, com exceção das guerras estritamente defensivas, antes da chegada do “xerife”, que prenderá “o bandido”.

Para evitar as guerras é preciso proibi-las, mas para proibi-las é preciso que as nações se conscientizem da necessidade de ceder parte de sua soberania quando esta colide com a soberania de outra nação. Colisão que ainda hoje, resolve-se pela força, a forma mais primitiva de solucionar qualquer problema.

(05/01/2018)

quarta-feira, 26 de dezembro de 2018

O aquecimento global. Acordo de Paris. Devemos sair dele?


Fotos: pixabay.

O aquecimento global. Acordo de Paris. Devemos sair dele?

Em 04/08/2018 publiquei no meu blog — franciscopinheirorodrigues.com.br — um artigo, Por que a Antártida está esfriando”?

Minha indagação — abelhudo contumaz — relacionava-se com a notícia de que em parte da Antártida estava ocorrendo a diminuição da temperatura — o oposto do esperável —, pois havia, e ainda há, um consenso acadêmico, quase unânime, de que o aquecimento global está crescendo perigosamente como consequência da atividade humana. Impunha-se, “consequentemente” — pensei, sem imaginar a imensa complexidade da climatologia — uma limitação mundial da atividade industrial, da pecuária, do desflorestamento e de tudo o mais que implicasse em aumento do gás carbônico (CO2) na atmosfera, mesmo que tal restrição cerceie o crescimento econômico dos países, inclusive o nosso, que está entre os dez mais poluidores. 

Como o aumento do nível do mar — supostamente comprovado, segundo a mídia — seria uma das sérias consequências do efeito estufa, inundando áreas costeiras , concluí que o anômalo esfriamento, ocorrido em parte da Antártida seria talvez explicável pela mudança do eixo da Terra, permitindo que os raios solares aquecessem determinadas áreas mas, em compensação, esfriassem outras, no mesmo continente, conforme o peso dos oceanos e o movimento de rotação da Terra. Essa variação — eu “deduzia” —, seria mais notada próximo às regiões polares, nos dois hemisfério. Algumas áreas, reafirmando, antes mais quentes, se tornariam mais frias e vice-versa, o que manteria inalterada a média da temperatura planetária. Se, por exemplo, havia inverno mais rigorosos em Nova Iorque, provavelmente na Sibéria, no lado oposto do planeta, o inverno seria menos severo, fenômeno pouco divulgado porque ocorrido em regiões pouco habitadas, não justificando manchetes. 

Perguntava-me: o que poderia explicar essa provável mutação do eixo terrestre? Avaliando, a olho nu, no globo terrestre, a impressionante massa d’água dos Oceanos, a conclusão me parecia óbvia: com derretimento do gelo nos polos e nos picos das altas montanhas, milhões de toneladas de gelo derretido, notadamente na Antártida, foram parar nos mares e oceanos, aumentando seu nível, justificando a necessidade de limitação na atividade humana, dada como responsável pelo efeito estufa.

Eu não compreendia, no entanto, porque a mídia não mencionava essa explicação — da mudança do eixo — sobre o esfriamento parcial no polo sul, explicação que me parecia “tão óbvia”: se as geleiras da Antártida “visivelmente” derretiam — como sugeriam as s fotos —, a água resultante terminaria se somando à água dos oceanos, aumentado a inundação das cidades próximas do mar. Assim sendo, o Brasil deveria permanecer firme na decisão de impor a seus industriais, pecuaristas e agricultores as restrições assumidas na Conferência de Paris, em 2015.

Se os leitores quiserem mais detalhes da minha aparentemente lógica dedução, podem acessar meu blog.

Agora, tudo mudou. Ou pelo menos estremeceu a compreensão técnica de um problema que afetará o futuro da humanidade no médio e longo prazo.

Depois de ouvir “oceânicas” e eruditas palestras e entrevistas de Ricardo Felício e Luiz Carlos Molion, no Youtube, sinto-me consciente e impressionado com minha total ignorância sobre um assunto — a Climatologia —, que nunca imaginei ter chegado a tal grau de sofisticação e complexidade.

Pelo que ouvi desses dois cientistas, convictos de que a atividade humana não influi no clima planetário, os países devem pensar um pouco — ou muito mais — sobre cumprimentos de tratados globais sobre a diminuição do CO2. Cabe à maioria acadêmica — que sustenta ser o homem o causador do efeito estufa e do aquecimento global contínuo —, explicar melhor porque ela tem razão ao exigir dos países signatários do Acordo de Paris as limitações na emissão do CO2, ainda que isso implique em diminuição do PIB.

Três dias atrás, porém, acessando o Youtube, assisti às longas entrevistas do professor da USP, Ricardo Felício, alegando, com tranquila segurança, que o ser humano não é responsável pelo aquecimento global, não havendo razão para o Brasil cumprir as restrições oriundas do Acordo de Paris, de 2015, ratificadas pelo nosso país em 12/09/2016.

 Em síntese, Ricardo Felício diz que as variações de temperatura na Terra dependem apenas das alterações ocorridas no Sol, obedecendo a diferentes ciclos periódicos ocorridos na superfície de nossa estrela. Argumenta que o planeta já sofreu eras glaciais e já suportou períodos de temperatura bem mais altas que as atuais. 

Quanto ao aumento do nível do mar, Felício diz que o El Nino é um fenômeno natural, chegando a alterar o nível do mar em meio metro. Informa ainda que um famoso oceanógrafo, Macaulay — salvo engano —, já falecido, dizia que “a última coisa que o mar tem é nível”, não se justificando — no dizer de Felício —, a atual preocupação global com um centímetro a mais ou a menos, mesmo porque os mares sempre variam em seus níveis. Alega, ainda, que as melancólicas imagens de ursos magros — equilibrando-se em pedaços de gelo flutuante, no Polo Norte —, e as geleiras derretendo, ou melhor, “desmoronando” — na Antártida, datam de 20 anos atrás, sendo apenas falsa propaganda.

Felício argumenta que geleiras derretem-se e voltam a se formar, em décadas e séculos. Diz que existem mais de 160 mil geleiras e que a ONU só monitora 50 ou 60 delas, não podendo extrair conclusões corretas com tão restrita pesquisa.

Quanto ao já mencionado Luiz Carlos Molion —— professor e pesquisador da Universidade Federal de Alagoas, em Meteorologia, pós-doutor em Hidrologia de Floresta, com pós-gradução em Física e com inúmeras outras distinções —, pareceu-me, no Youtube, uma enciclopédia viva quando muda de um item para outro, conexos, com calma, segurança e coragem raras em assunto tão multifacetado. Ele também, precisa dizer algumas palavras sobre como conciliar a “santidade” do CO2 com a necessidade de diminuir a poluição ambiental. Esta não pode ficar totalmente desvinculada do tema Aquecimento Global.

Para não alongar esse texto,  já longo demais, convém o leitor acessar as entrevistas de Felício e Molion no Youtube para melhor se informar. Aconselho ouvi-las mais de uma vez, em dias diferentes — para não cansar e desistir — por se tratar de assunto técnico, com uma conclusão de imensa relevância: a retirada do Brasil nessa decisão mundial.

É pena — somente para mim, o curioso — que esses dois cientistas do clima nada disseram, sobre a eventual inclinação do eixo terrestre quando o planeta sofre resfriamento em partes da Antártida quando ocorre um aquecimento global. Provavelmente, nada falaram sobre o eixo terrestre por ser o detalhe, se ocorrido, irrelevante. Eles precisam entretanto, nos esclarecer como diminuir a poluição, que mata pessoas a longo prazo. 

Aquecimento global e poluição ambiental são, é claro, temas distintos. mas muito próximos. A saúde também deve pesar quando se discute o efeito econômico da diminuição obrigatória da emissão do gás carbônico em um tratado internacional.

O CO2 é necessário, nos campos, para a fotossíntese; mas não nas cidades, com o gás saindo do escapamento dos veículos movidos a gasolina, álcool e diesel — para entrar direto nos pulmões da população. Ainda mais quando acompanhado do monóxido de carbono, o CO — um gás prejudicial, venenoso —; do enxofre e de outros resíduos não salutares. Fotos e filmes nos mostram populações chinesas andando nas ruas com máscaras contra gases. E não são nada convincentes as assertivas de Felício quando diz que pode-se, tranquilamente, cortar todas as árvores porque elas voltarão a crescer. Pode ser que cresçam, mas depois de quantos anos, ou décadas, conforme a árvore? E a erosão, causada pelas chuvas não empobrecem o solo? 

Teria razão, por exceção, o precipitado Donald Trump, ao declarar que vai se retirar seu país do Acordo?

O assunto é especialmente importante para o Brasil porque Jair Bolsonaro acena em acompanhar Trump nessa decisão.

Permanecendo a dúvida técnica sobre sair ou não, o Brasil, do Acordo de Paris, a solução mais sensata seria Bolsonaro dizer que antes de decidir, aguardará a adesão formal, preto no branco, dos países com assento permanente no Conselho de Segurança. Felício disse, que a China prometeu assinar mas fica enrolando, ainda não assinou.  Se apenas os Estados Unidos sair, o Brasil deverá assinar. Mas deve assinar por último, porque somente vendo as assinaturas das grandes potências, membros permanentes do Conselho de Segurança — além da Alemanha e  Japão — é que ficará comprovado que “os grandes” também aceitarão as limitações exigidas do Brasil e outros poderes menores.

Molion insiste, com autoridade, nas suas palestras, sobre o interesse econômico das nações mais ricas em engessar o crescimento das nações em desenvolvimento. Disserta sobre patentes, lucros e perdas, etc. que estão por trás de uma decisão que deveria ser apenas técnica. 

O Brasil precisa conhecer, com mais certeza, os prós e os contras das variações do Sol, da Terra e da ação humana, antes de sair ou permanecer no Acordo de Paris.

(25/12/2018)

quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Marte é hoje o que será a Terra, amanhã.



Resumindo o presente artigo: Marte é, tudo indica, o túmulo de uma avançada civilização, soterrada na poeira de milhões de séculos.

Tolice — com o devido respeito —, essa miúda preocupação com a existência, ou não, de água salgada, ou doce, na superfície, ou abaixo dela, em Marte; com a existência de vestígios de seres microscópios, vírus e bactérias; com o metano substituindo o oxigênio; com a existência de água em estado líquido e com possibilidade, ou não, de abrigar terráqueos futuramente.

Com tantas terras desocupadas no nosso planeta, não passa de infantil ficção científica as atuais especulações sobre migrações de terráqueos para viverem em Marte. Tais preocupações poderão, talvez, ter sentido daqui muitos milênios. O que precisamos, agora, isto sim, é cuidar do nosso planeta em termos de desflorestamento, redução da camada de ozônio e da poluição, partilha racional da água doce, e uma inteligente e não agressiva contenção no crescimento desordenado da população, gerando pobreza e migrações em massa, com sofrimentos de toda ordem, tanto na saída quanto na chegada dos fugitivos a outros países.    

Se o Planeta Vermelho, eventualmente — como já disse —, conseguiu, com avançada tecnologia, sobreviver, no ambiente hostil, frio e sem oxigênio, isso ocorreu reduzindo tremendamente sua população, vivendo abaixo do solo, o que explicaria a existência de discos voadores — caso ficar comprovado que eles existam.      Pessoalmente, acho que existem, embora não tenha avistado nenhum. E, se existem — progredindo na dedução —, seria bem lógico, normal, que eles estivessem nos observando como futuro habitat, uma maravilha se comparado com o gelado e hostil Marte.

Nunca fui muito interessado em discos voadores mas quando leio alguma coisa sobre eles impressiona-me a constante indagação dos que afirmam a sua existência: — Por que esses tripulantes dos discos só nos espiam, evitando um contato? Qual o interesse deles? Planejam alguma coisa má?

Paro por aqui, no item flying saucers, porque o foco do presente texto é sugerir — com desculpa pelas repetições — que Marte, quando menos gelado, com clima semelhante ao nosso, hoje, teve tempo para crescimento de uma civilização que, ou se extinguiu por completo — deixando suas ruínas cobertas por toneladas de poeira —, ou conseguiu, com muito esforço, sobreviver com reduzida população, vivendo no subsolo, aquecido com a perigosa tecnologia nuclear, mas ambicionando, talvez, colonizar seu planeta mais próximo, no caso, a Terra. 

Obviamente, prefiro que minha hipótese não esteja certa porque já temos confusão demais em nosso planeta, liderado por burros ou espertíssimos governantes, de todos os calibres, que não conseguem, sequer — mesmo com uma ONU — impedir que verdadeiros jumentos, escudados em ilimitada “soberania”, façam o que lhes dá na veneta.

As presentes considerações vieram-me à cabeça com a notícia de que o módulo espacial InSight, da Nasa, pousou anteontem (26/11/2018), com sucesso, na superfície de Marte, pretendendo estudar o interior do planeta.

Arrisco, sem medo do ridículo, acreditar que Marte, hoje, corresponde à Terra no distante futuro, vítima, a Terra, de suas loucuras ambientais e possível guerra nuclear, desencadeada por mero acidente. A estratégia nuclear de “resposta imediata” — contra-atacar antes de verificar se o primeiro ataque não foi acidental — em um planeta, o nosso, cada vez mais recheado de armas nucleares, é convite para o caos.

As considerações, acima e abaixo, neste texto, partem da presunção, que só pode ser correta, de que o nosso Sol era, em “seu início”, bem mais volumoso e quente. Como o combustível dessa gigantesca bola de fogo foi progressivamente se esgotando, sem reposição, houve em um longo período, no passado, em que a Terra era quente demais, inabitável, porém Marte — mais distante do Sol —, tinha uma temperatura agradável, como a Terra, hoje.

Astrônomos afirmam que a cada segundo mais de 4 milhões de toneladas de matéria solar são convertidas em energia. Isso significa um constante esfriamento do “forno”. Um dia, o sol se extinguirá — afirmação unânime da Astronomia —, por esgotamento, após um súbito crescimento que queimará nosso planeta. Será o “canto do cisne” da nossa estrela.

Repetindo, o Sol no seu início era mais quente que agora. Tão quente que nosso planeta não podia hospedar a vida. Marte, porém, naquela época, podia florescer em crescente civilização, porque mais distante do sol. Depois dessa longa fase, com o sol se esfriando progressivamente, a Terra se tornou habitável e Marte, mais distanciado do sol, tornou-se frio demais, só podendo, talvez, e dificilmente, abrigar uma vida subterrânea de seres inteligentes com um altíssimo nível de tecnologia.

Não tenho a menor dúvida de que a vida brota em todo corpo celeste com tamanho suficiente para sua longa duração, desde que receba luz, calor adequado e contenha água. Isso aconteceu com Marte, antes de a Terra, quente demais, não possibilitar a vida. Marte e Terra são como que planetas irmãos, só que Marte nasceu primeiro. Quando a Terra ainda era habitada por dinossauros, ou nem isso, Marte talvez fosse uma espécie de Idade Média terrestre.

Como todos os seres vivos — todos, sem exceção — nascem com duas tendências que sempre me impressionaram pela constância — o instinto de auto conservação e de propagação — isto é, comida e sexo —, os “bichos” marcianos também evoluíram lentamente de bactérias até seres inteligentes, semelhantes a humanos. De mutação em mutação — por acidente genético e também por pressão do ambiente hostil — os marcianos inventaram a escrita, descobriram as matemáticas e chegaram ao conhecimento profundo da matéria.

Parece-me lógico concluir que em Marte também tenha surgido um Albert Einstein, ou teórico de igual nível. Pensando, pensando e pensando, o “Einstein marciano”, igualmente cismado, cavando nas suas especulações, acabou esbarrando no mistério das partículas quase invisíveis da matéria, só enxergáveis com microscópio eletrônico. Enquanto isso, na Terra, sequer sabíamos, que nosso órgão pensante era o cérebro e não o coração, ou fígado.

Sendo o marciano um animal inteligente, tal como o homem, os dois impulsos primordiais, acima referidos — auto preservação e propagação da espécie — com o constante estímulo de luta pela supremacia, “governos” marcianos devem ter entrado em conflito global que acabou destruindo a vegetação e o meio ambiente. Lembremo-nos que nosso oxigênio origina-se das plantas. Sem estas, vida somente elementar e rara.

                 Finalizando, futuras escavações ou prospecções, em Marte, se encontrarem alguma coisa “interessante”, não será apenas água, ou extintas formas primárias de vida microbiana. Encontrarão é construções de cimento, ou material equivalente, soterradas. Vestígios de extinta civilização, ou — mais dificilmente —, provas de uma atual e diminuta “civilização subterrânea”, inteligente e talvez pacífica porque avançada demais.

                 Acredito que quanto mais avançada for qualquer civilização, mais compreensiva e ética ela se torna, o que explicaria a não-tentativa, até agora, dos eventuais marcianos, de dominar a terra, tirando proveito de seu maior avanço tecnológico. Se eles foram capazes de construir discos voadores, isso será prova de sua superioridade, demonstrada na aeronáutica.

                Não me venham com o argumento de que nem sempre o avanço tecnológico ou científico tende para bem porque a ciência nazista era extremamente cruel. Na verdade a “ciência nazista” não passava de asneira demagógica buscando prestigiar o regime com uma fantasiosa aura científica.

               Aguardemos as prospecções em Marte.

               (28/11/2018) 

sexta-feira, 23 de novembro de 2018

O Banco do Brasil, os idosos e os golpes nos cartões de crédito.


Sinto-me injustiçado, até mesmo injuriado, com a decisão desse banco estatal de não me indenizar pelo “saque” criminoso de R$12.680,00 de minha conta corrente — falsas “compras e saques” —, no dia 5 de outubro de 2018, uma sexta-feira — o dia preferido dos meliantes —, realizado por uma gangue especializada na clonagem de cartões de crédito e débito.

Minha revolta não decorre tanto do montante do prejuízo — para mim economicamente suportável —, mas da exclusiva preocupação do Banco do Brasil em lucrar o máximo, em seu balanço, em detrimento de correntistas idosos — geralmente avessos às complicações da informática — que recebem suas aposentadorias sem poder previamente escolher o banco pagador.

A portabilidade (mudança de banco) será, claro, uma forma de saída, dos prejudicados pela política do BB — incômoda, principalmente ao correntista idoso. Ocorre que essa mudança de banco pode ser trabalhosa porque o correntista velho, no geral tem vários débitos automáticos em conta, empréstimos parcelados e outras complicações burocráticas.

Daí a procedência dos estudiosos de instituições bancárias quando sugerem a privatização do Banco do Brasil, argumentando que o poder do Estado de forçar os funcionários públicos a receberem seus salários e aposentadorias nesse banco estatal estimula excessos de astuto “rigor”. Astuto porque talvez o banco tenha seu próprio seguro, quando indeniza o correntista roubado. Não sofrerá desembolso.

A falta de concorrência, em igualdade de condições, estimula o abuso. Inclusive na forma sumária, bitolada, cômoda, de investigar os fatos, nas contestações de débitos, usando a técnica marota de só preencher uns quadradinhos de “sim”, ou “não” apenas com um xis.

O presente artigo visa alertar, com meu infeliz exemplo, pessoas que já caíram no “golpe do cartão” — principalmente idosos —, a reagirem à própria e natural aversão ao uso massivo de celulares, smartphones, e maquininhas de todo tipo — em constantes alterações para o bem e para o mal, em igual proporção. Como se o idoso não tivesse nada mais a fazer na vida a não ser estudar e exercitar os dedos em celulares e outros “brinquedos” perigosos, tentando se desviar das flechadas cibernéticas do mal. Isso porque na mínima distração seu patrimônio entra em risco, sem o escudo do banco.

E não há saída. Sem um cartão de crédito você se torna um homem das cavernas. Não pode abolir o perigoso plástico que tem um segredinho de três dígitos  no verso, número que pode ser rapidamente lido e memorizado quando manuseado por um eventual funcionário desonesto do estabelecimento vendedor. Se quiser fazer uma pequena compra talvez não consiga pagar com dinheiro vivo, como já aconteceu comigo, porque não havia troco disponível na loja. Esse descompasso entre a rapidez vertiginosa da técnica e a compreensível lenta atualização dos idosos na forma de defender seu patrimônio — supostamente guardado no banco — obrigaria este, pelo menos moralmente, a indenizar o correntista com um seguro que deveria ser obrigatório. Se o é, no meu caso foi descumprido.  

Esse favorecimento do BB no recebimento dos proventos de seus aposentados estimula a intolerância bancária no ouvir explicações quando idosos caem no golpe.

Como desembargador estadual de São Paulo, aposentado, recebo pelo Banco do Brasil. Não sei se os outros bancos teriam a mesma decisão “severíssima” de não cobrir meu prejuízo, caso ouvissem meus argumentos apresentados oralmente na fase administrativa de contestação do débito, dentro na agência. Meus argumentos não foram sequer ouvidos pela administração central do banco porque no formulário da contestação só havia quadradinhos a serem preenchidos com um “sim” ou “não”. Sem espaço para a explicação do detalhe que me beneficiava: o fato de eu haver tentado me comunicar com o celular profissional do gerente de relacionamento do banco quando uma voz de mulher me “alertou”, falsamente, que meu cartão fora clonado.

Cheguei até a pensar — erroneamente, revoltado —, que há, por traz desse meu “castigo financeiro”, alguma conotação política: a indisfarçável alegria de punir um desembargador aposentado, tão “ingênuo” que chegou a cair no “conto do motoboy”. — “Como podem esses desembargadores pedir aumento quando se mostram tão incompetentes, despreparados, a ponto de acreditar nas palavras de uma bandida que se fazia passar por colega do gerente do banco, momentaneamente ausente”?

Se, eventualmente, foi essa a intenção do banco ao não cobrir meu prejuízo, esclareço que como magistrado aposentado não recebo — e não teria qualquer sentido recebê-la — qualquer quantia “extra”, rotulada de “penduricalhos”.

Foram compras e saques claramente mentirosos, fora do padrão dos meus gastos. Felizmente — espero que não mudem de ideia... —, o setor de Cartões entendeu logo o que havia ocorrido e “só” sofri o prejuízo na conta corrente, no valor acima mencionado.

Como já disse — se não estou mal informado —, só pelo fato de ser correntista, tenho um seguro contra fraudes desse tipo. E talvez o BB nem teria prejuízo se cobrisse meu prejuízo, porque bancos costumam ter sua própria cobertura securitária quando cobrem o dano do correntista.

Esse golpe, “clonagem” em sentido amplo, cada vez mais aperfeiçoado, lesou centenas ou milhares de vítimas — de preferência idosos —, sabidamente avessos a acompanhar, de perto, as quase diárias mudanças na informática, cada vez mais complicadas, até mesmo ditatoriais no exigir o uso simultâneo de celulares, smartphones, com infindáveis senhas, e “modus operandi” — variando de banco para banco — na forma de utilizar os caixas eletrônicos e movimentação do dinheiro pelo computador.

O cartão de crédito tem o seu lado útil, estimulando o consumo e a produção, mas mesmo usado com cautela tornou-se fonte de preocupações e endividamentos. Milhões de brasileiros estão endividados — não é meu caso — e sempre em perigo no item segurança.

Se queremos comprar algo pela internet, ao telefonarmos para o vendedor, o funcionário da empresa tem o pleno direito de exigir que o comprador mencione os três dígitos escritos — esqueci a nomenclatura — no verso do cartão. Mencionado o número, quem pode garantir que um funcionário desonesto — ou financeiramente desesperado — não venderá o número do cartão juntamente com esses três dígitos a uma organização criminosa? Ninguém está livre dessa possibilidade. Quando pagamos uma conta com o cartão — em qualquer estabelecimento — será facílimo ao funcionário uma rápida e furtiva espiada no verso dele, para memorizar os três dígitos do verso.

A segurança será sempre precária.  Não é à-toa que em muitos estabelecimentos há o aviso de que “não aceitamos cartões de crédito e débito”. É preciso, urgente, inventar algo que seja mais seguro que o atual modelo de cartão.

Essa técnica de venda — boa para os bancos mas perigosa para os correntistas — dispensa a contratação de milhares de funcionários, explicando simultaneamente o invulgar lucro bancário e o aumento do desemprego. Não é de admirar, por exemplo, o lucro — 3,13 bilhões — do BB no segundo trimestre de 2018, mesmo com a economia em depressão. Vou contribuir, involuntariamente, com meus caraminguás, acima referidos, para o lucro do BB no último trimestre deste ano.

A bandidagem especializada na informática percebeu onde está o ponto fraco de suas vítimas preferenciais — os idosos — e inovam constantemente suas técnicas. Sabendo disso, os bancos deveriam aconselhar — ou obrigar — seus correntistas a fazerem o seguro contra golpes, via cartão, algo que nunca me foi proposto pelo BB, que eu me lembre. Eu pagaria, com a maior boa-vontade, um seguro desse tipo porque o progresso criminoso na informática, na computação e na tecnologia de telefones torna-nos praticamente indefesos. Tanto nas decisões do banco quanto na justiça. Esta agora inventou, dizem, um paradigma cômodo para responsabilizar  — automaticamente — só o correntista pelas falhas da prevenção bancária na luta contra o crime cibernético.

 Ressalte-se que a bandidagem pode hoje até matar sem tiro, faca ou dinamite. Basta contratar um racker (pirata cibernético) para “fazer o serviço” matando, como já ocorreu, na Itália, quando a justiça lutava contra a Máfia.

Segundo relato de um jurista brasileiro — que ouviu a informação de um magistrado da Itália —, a Máfia italiana não se conformava com o fato de não poder matar os “arrependidos” que, presos, denunciavam os colegas de crimes, em troca de absolvição, ou redução da pena. Esses “dedos duros” denunciavam os colegas e depois desapareciam, protegidos pelo serviço de proteção de testemunhas.

Impossibilitados de efetuar um “merecido castigo”, os mafiosos denunciados, espalharam a notícia de que, não conseguindo matar o traidor, assassinariam um seu irmão, ou outro parente próximo, ou o cônjuge. Com uma ameaça desse tipo, seriam raras novas delações. No caso contado pelo juiz italiano, a Máfia mandou matar o irmão do “rato”. O infeliz parente, ao sair do escritório recebeu vários tiros dos executores que, vendo a vítima imóvel e ensanguentada, fugiram rapidamente do local, pensando que a vítima estava morta. Mas pensaram errado porque apesar do número de perfurações, ela sobreviveu.

Levada às pressas ao hospital, a vítima ficou na UTI, com aparelhos gotejando em suas veias os remédios e nutrientes necessários à sua sobrevivência. A Máfia, inconformada com seu “azar” e vendo o hospital protegido com policiais, teve uma ideia: que tal contratar um super racker para “completar o serviço”?  Encontraram um especialista, na Suíça, que conseguiu entrar no sistema de computadores do hospital e desligar os aparelhos que mantinham a vítima viva. Desligados os aparelhos — não me perguntem como — ela morreu.

No caso que me prejudicou, o fato ocorreu da seguinte forma: no dia 5 de outubro, uma sexta-feira, por volta das 10:30 horas, fui, como carona, no carro de um amigo, a um shopping center, em São Paulo — não menciono aqui o nome do shopping para não prejudicá-lo —, para solicitar, numa loja da Vivo, a transferência, para mim, de um telefone fixo que estava em nome de meu filho. Para sair do shopping era preciso, moralmente, que eu pagasse pelo estacionamento do carro, vez que seu dono me fizera um favor ao me acompanhar. Fiz o pagamento da única maneira possível naquele local: usando meu cartão de crédito/débito do BB.

 Não percebi nada de estranho ao usar o cartão mas concluí, dias depois, vendo a fatura, que foi nesse local que provavelmente ocorreu a clonagem — ou termo equivalente —, porque algumas horas depois de usar meu cartão no estacionamento, já em casa, recebi um telefonema, com voz de mulher, no meu aparelho fixo, dizendo-se funcionária do BB, zelando pela segurança do cliente.

Como ela sabia meu nome, meu telefone e que era correntista do BB?

Ela perguntou se eu havia feito alguma compra, no dia anterior, com o cartão, no valor de R$1.700,00. Disse a ela que não. Em seguida, ela perguntou se eu havia feito algum saque na parte da manhã do dia cinco. Novamente neguei. Então, ela me disse que meu cartão havia sido clonado e que eu deveria cancelar — ou termo equivalente — o cartão, o mais depressa possível e que a polícia já estava no encalço dos bandidos porque estavam ocorrendo inúmeros casos. E começou a me dar instruções para inutilizar o cartão cortando-o ao meio, no sentido horizontal, por cima dos números, colocando-os em um envelope lacrado, etc. Posteriormente, constatei, pelo extrato bancário, que antes dessa chamada não houve compras ou saques na minha conta corrente.

Prosseguindo. Meio desconfiado, disse à suposta bancária, antes dela prosseguir, que eu precisava falar, com urgência, com uma pessoa — não disse quem — e que conversaríamos depois. Desliguei esse telefone, deixando-o em minha mesa, e peguei outro, também fixo, e telefonei para o celular do gerente de relacionamento da agência do BB para indagar dele se a notícia da clonagem era verdadeira. O telefone tocou algumas vezes mas não foi atendido. Desliguei e novamente tentei falar com ele. Quando nessa tentativa a mesma mulher, ou outra com voz parecida, entrou na linha, ou ligou de novo, usando o primeiro telefone — já não me lembro —, insistindo na urgência de se prender os meliantes, dando-me instruções sobre como cortar o cartão e levá-lo, o mais cedo possível, a Osasco, a um endereço que ela logo mencionaria, porque a polícia já estava no encalço dos infratores.

Eu disse a ela que não tinha possibilidade, naquele dia, sexta-feira à tarde, de ir até Osasco porque minha mulher estava adoentada e eu só poderia fazer isso na segunda-feira. Ela então me respondeu que, como a pressa era muito importante, o banco poderia, como um favor, enviar o cartão cortado por mim, à polícia, disponibilizando um motoboy de confiança do banco.

Acreditando que a mulher estava substituindo o gerente — para quem eu estava ligando —, acabei confiando nela, presumindo que o gerente, precisando se ausentar, deixara seu celular profissional com ela, e por isso dei à mulher alguns informes, como endereço, filiação, CPF, etc. Não me lembro de ter dado senhas mas, como houve saques em dinheiro — segundo relatos “da funcionária” —, informou-me depois o gerente que se houve saques de dinheiro isso só pode ter ocorrido se eu dei minha senha. Será?  Tenho minhas dúvidas. Se pode-se até “tele-matar”, como fez a Máfia, não acho impossível até a clonagem de celulares, mesmo de gerentes de banco.

Só depois de vários dias do ocorrido fiquei sabendo do detalhe de que, nos telefones fixos, quando desligamos o aparelho, mas quem chamou não desligou, quem chamou escuta tudo o que acontece na outra ponta de linha. A estelionatária que telefonou pra mim, dizendo que era do banco, tendo permanecido da linha — sem eu soubesse — deve ter deduzido que eu, após desligar, ligara, sem êxito, para o gerente enquanto ela segurava a linha. Aí ela provavelmente desligou e ligou de novo para mim, dizendo que não pudera atender meu chamado de poucos segundos antes, quando eu ligara para o gerente.

Frise-se que é comum que gerentes de bancos não atendam chamadas quando estão atendendo um cliente em assuntos mais complicados. Não atendem no momento mas, tão logo dispensado o cliente, verificam, no seu telefone, quem havia ligado sem ser atendido, e ligam para ele.  No caso, eu. Foi assim, suponho, que voltei a escutar a falsa funcionária, preocupado com a urgência da polícia em pegar logo os marginais. Pensava, insisto, estar falando com alguém de confiança do gerente porque eu ligara para o celular profissional dele.

 Deve ter sido essa a técnica esperta utilizada pelo grupo criminoso. Saliento, ainda, que é comum receber chamadas, na minha residência, do BB, perguntado se eu emiti um cheque no valor de xis reais, ou se fiz uma transferência eletrônica de valor alto. Face a essa prática, parecia-me normal, até elogiável, receber um telefonema do Banco me alertando que meu cartão fora clonado.

Como estávamos em uma sexta-feira, próximo do horário de fechamento da agência, havia o sério risco de o bandido fazer novos saques e compras no sábado e no domingo. Daí minha pressa em enviar o cartão cortado pelo meio, dentro de um envelope. Pensei, na pressa, que um cartão cortado, “inutilizado”, não serviria pra nada, a não ser para a polícia, em busca de prova policial.

Como já disse antes, o Judiciário, preocupado com o fluxo enorme de lesados, decidiu agora trilhar um caminho jurisprudencial bastante cômodo: se o correntista foi, de alguma forma, “ingênuo”, entregando um cartão cortado a um motoboy supostamente enviado pelo banco, “que se dane!”

 No caso, não me considero um ingênuo porque havia motivo para acreditar que estava falando com uma funcionária auxiliar do gerente de relacionamento, uma vez, insisto, que eu ligara para o celular profissional dele.

 Ignoram, tais decisões recentíssimas da Justiça que ela deveria ser detalhista, individualizada, examinando as particularidades do agir humano. Se, à guisa de comparação, um homem mata outro, seu julgamento não pode depender do preenchimento de quadradinhos a serem preenchidos com um xis como aquele usado no formulário do banco na contestação do débito. A analogia seria algo assim: “Matou? Então está automaticamente condenado a cumprir tantos anos de cadeia!”.  Não. O homicídio pode ter sido cometido em legítima defesa; ou sob domínio de violenta emoção logo em seguida a injusta provocação da vítima”; ou quando o acusado não estava no uso normal de suas faculdades mentais, sem culpa própria.

No meu caso, o BB decidiu não me indenizar porque, cheguei a entregar a um motoboy, aparentemente enviado pelo banco, um cartão de crédito cortado — para mim ele não prestaria para mais nada, a não ser como possível prova policial.

Uma pergunta: todo correntista do BB, quando dos fatos, em 5 de outubro, era obrigado a saber que quando uma pessoa telefona para outra, usando telefone fixo, quem chama pode segurar a linha, mesmo quando a outra pessoa desligou o telefone?  Eu só vim a saber disso depois de sofrer o prejuízo.

 A regra de que “ninguém pode alegar ignorância da lei” só vale para as leis, não para o conhecimento das técnicas criminosas. A valer esse princípio, no caso dos cartões, o poder público deveria, por coerência, obrigar todos os correntistas, principalmente os velhos, a frequentar cursinhos para atualizar os correntistas sobre todas as novidades criadas pelos criminosos. Exigência semelhante aos cursos obrigatórios para revalidação da carteira de motorista. Se, sem a carta, não pode dirigir, sem o curso de atualização informática criminosa, o velho não poderia continuar como correntista, devendo-se fechar sua conta, caso ele não o faça”.

Pela minha recente experiência, é uma péssima escolha, para idosos, ter como banco — para recebimento de suas aposentadorias —, uma entidade financeira que exige de todos os seus clientes — com igual rigor para todas as idades —, um constante acompanhamento das inovações e malandragens cibernéticas.

Os idosos são hoje beneficiados com vagas nos estacionamentos de shoppings, supermercados e outros locais. Têm prioridades nos processos judiciais e para indenizações vindas do poder público. Mas em golpes espertíssimos, via informática, os velhos que se danem porque não sabem dos mais recentes truques, sempre aperfeiçoados.

Para mim, até três meses atrás — doravante será diferente —, eu só usava o celular quando saía de carro para o caso de sofrer algum acidente automobilístico, precisando chamar o guincho. Essa aversão dos idosos a celulares, smartphones, aplicativos, e miríades de coisinhas inventadas semanalmente, é um dado da realidade, queiram ou não os bancos, que deveria pesar na hora do banco decidir se cobre ou não o dano. Isso já está recomendado na legislação.

A Constituição Federal de 1988 diz, no art.230, que “A família, a sociedade e o Estado têm o dever de amparar as pessoas idosas, assegurando sua participação na comunidade, defendendo sua dignidade e bem-estar e garantindo-lhes o direito à vida”. E a Lei nº 8.842/1994 detalha essa preocupação. E idoso é quem tem mais de sessenta anos.

 Eu preencho, com largueza, esse requisito. Tenho 86 anos, faço 87 em janeiro próximo, leio e escrevo muito. Sei pouco de computação — só o suficiente para escrever meus livros e artigos — porque gasto meu tempo lendo livros, revistas e jornais (apenas notícias e artigos de opinião). Não perco tempo com esportes, nem com fofocas. Doravante ficarei mais “esperto”, contratando técnicos para me atualizar sobre truques novos porque o banco às vezes sabe menos que os bandidos cibernéticos que depenam seus correntistas.


Sei que o Banco do Brasil, agora, sob nova e honrada presidência, está pondo ordem na casa, mas presidentes — seja do que forem —, nem sempre sabem o que está ocorrendo em todos os setores. Talvez, examinando meu caso, me dê razão, dispensando-me de entrar na justiça em busca de uma indenização.

Que minha má experiência seja de bom proveito para meus colegas etários — ou “otários” —, porque seremos sempre as vítimas preferenciais dos bandidos mais covardes eis que podem roubar sem qualquer risco pessoal.

Aos velhinhos, em especial, um conselho: corram, com bengala e tudo, enquanto é tempo.

(23/11/2018)