sábado, 26 de setembro de 2020

Gunshot extraction of lower jaw

   


Francisco C. P. Rodrigues 

(This short story is merely a description of a robbery that actually occurred in Brazil, if I remember rightly in Rio de Janeiro, a few years ago. The person who told me what happened was a friend of the victim of the robbery. I read nothing about it; I only heard an account of it, coming from a person who had no interest in lying and never imagined that the occurrence would be transformed into a story, many years later. Let’s say that it is “a tale based on real life”. It is violent but, in this case, not due to a decision made by the author. The real world is violent.)

         Just before seven in the morning, Benvinda arrives at the residence where she has worked for several years. Her steps show an unusual vivacity.

        A forty-year-old, dark-skinned housemaid, she is smart and level-headed, despite little schooling. She has an eighteen-year-old daughter, who is just as level-headed as she is and who works in a bank, studying at night.

        Walking to work, today Benvinda experiences a euphoria that she has not felt for years. She is in love... And also surprised. How could that handsome, virile “hunk”, with a Spanish accent, have a “fixation” on her, a woman older than he is?

        — Does it have to do with love? — she asks herself. — Why not?! — On one occasion, she heard her employer, exhibiting a magazine, with photos, comment to her husband, a court judge, that a certain Arabian sheik, passing through Brazil, fell in love with a chambermaid at the hotel where he was staying, taking her to marry him in the Middle East.

        For sure — Benvinda reminds herself — the powerful Arab had several wives in his homeland. But this was another matter, a question of country, of legal differences that should be respected. As far as she knew, in his land, the big boss could have as many wives as he could support. What interested her was the fact that, in a “flash” — “the craziness of love!” — the hotel chambermaid had become the third or fourth — she couldn’t remember exactly —  rich “madam” of a wealthy, important man. With a right to luxury, servants, limousine, chauffeur, etc. And the photo of this lucky chambermaid, in her opinion, did not show any unusual beauty. It was an ordinary face, more or less like her own, only younger. Comparing the two males, Benvinda smiled, feeling superior. In the photo, the sheik was fat, rather old and ugly, whereas the object of her affections was a handsome “hunk”, capable of seducing any rich “lady of leisure” with the utmost ease. In addition, he is not likely to be short of cash, bearing in mind the elegant shirts that he wore.

        Speaking of a lady of leisure, Benvinda nurtures an intense contempt for young women who, dressed in miniskirts, over ventilate their “private parts”... By the way, she likes this expression, considering it to be very “chic” and uses it frequently... She believes it to be elegant, making it unnecessary for her to mention ugly words. And she was even more shocked with the first “dental floss” swimwear, which would certainly be uncomfortable and itchy “down there”, in the aforementioned “private parts”. She would never wear such “indecencies”. And her daughter, miraculously — because the second generation almost always reacts against the first — agreed with her.

        One day, when washing one of these items of swimwear — or cord? —, owned by one of her employer’s nieces, she was greatly impressed by the diminutive size of the item. On the occasion in question, it was impossible not to indulge in some wry speculation, of an odoriferous nature, related to that cord that permitted display of the bu…., or should I say “private parts”, so shamelessly. But what was more baffling for her was the fact that the wearer of that swimsuit seemed to be a sensible level-headed girl. If she was level-headed, why did she not wear a complete swimsuit? How could fashion have so much power? And why did the government no take any appropriate action?

        Júlio — the name of the “hunk” — had been courting her for almost a week; however, to date, he had not made any more amorous advances, one of those “petting” sessions, so normal at all times. And this worried her a little. It seemed that his approach was to solely converse, show concern for her, a tenderness more appropriate for an older man, making it impossible for something more primitive, concrete and carnal. At most, he took her hand, but only for a short time. And she thought: respect is good, of course, but in excess, it’s disturbing.

        Benvinda is not a shameless woman. Only in need of affection. She suffers a little with prolonged abstinence, but she would never give herself to a man on the first or second encounter. However, let’s say after the third or fourth, there would be no reason to maintain so much formality, that exaggerated respect, which is no longer adhered to by other young people. That would be too much! “After all, I’m not the Queen of England!”

        She even thought, for a moment, that there was something amiss in such shyness: — “Damn it! Could he be gay? I had not thought of that! No, it’s not possible! That virile manner, hairy forearm, chest with hair coming out of the opening of his shirt, thick beard, man’s voice. No. Gay? No way!”

        Benvinda had known, in the biblical sense, very few men; a maximum of eight. She was terribly deceived when, very young and pregnant with her daughter, she discovered that her boyfriend was married and lived with his wife. The shock was too much for her. She hoped to get married, or to at least live together in a decent manner; however, instead, she was left with loneliness and a growing belly. She even thought of killing herself. Or of having an abortion. But she was supported by her employer at the time, a kind, wise, Catholic woman, firm in her convictions, who dissuaded her from committing a sin. She would be killing an innocent being who could come to bring her happiness in her old age. And, in fact, being sensible just like her, her daughter only brought her happiness.

        This relationship left her with a very bitter opinion of the character of men in general: “liars and egoistic”. After the birth of her daughter, she only “lost her head” occasionally, when her libido started to bother her like a pressure cooker, almost exploding. When things got to this point, she went to public dance halls — known as “forrós”, “gafieiras” and “pagodes” — where she always managed to find provisory company; equally in need of discharging their libido free of responsibilities.  Although plain rather than pretty, she had a body that was sculpted by involuntary, forced domestic gymnastics — sweeping, washing, making beds — the “gym” of the poor, who are paid to “work out”.

       Unfortunately, she left these libidinous meetings only physically satisfied. Catholic by instinct, without any indoctrination, she could not free herself of a feeling of blame after such encounters. In order to cleanse her soul, she prayed and promised to no longer permit such liberties. 

       She had already changed religion three times, in a search for peace that was never attained. And it was in this way that her life continued until, unexpectedly, the attractive and respectful young man came onto the scene. She got to know him by chance, on leaving the residence where she worked, at the end of an afternoon. He was on the other side of the road, looking for an address that was impossible to find because the number did not exist. On seeing her leave the house, he asked for her help. And so, the chaste and unexpected romance began.

        What left Benvinda “uneasy” was his habit of asking questions. It was impossible to imagine someone more curious: — “Are you happy? Are you sure?” — She thought this part was rather idiotic. — “Are you well paid? Couldn’t your employer pay you more? It has come to my knowledge that, a few days ago, he received several gold bars and thousands of dollars as an inheritance... He needs to be careful and keep these valuables safe; if not, you know what may happen... Has he considered keeping the gold in a bank?”

        Such questions left her worried. She asked Júlio how he came to know of the inheritance, but he explained that he came to know about it by mere coincidence, as he had a friend who was an employee of the Law Court, working in the registry office that was dealing with inventory proceedings involving the judge’s father. On telling his friend that he had a girlfriend in the same street — Benvinda herself —, working at the residence of a judge, the young man inquired as to the name of the judge. Once informed, he mentioned the inheritance. The court employee commented on the fact because, in general, beneficiaries do not mention inheritances in gold and dollars, in order to pay less tax on the inventory.

        The explanation was plausible but, even so, Benvinda continued to be uneasy. But, on the other hand, if Júlio were a bandit, a robber, he would not need to beat around the bush so much. He would only need to draw his revolver and overpower the head of the household at the right moment, when he arrived by car at night or when he left home in the morning.

        She put an end to these reflections when she arrived at the home of her employer, situated in an upper-middle-class district.

        She had hardly put the key in the lock when she felt a hand, coming from behind, firmly secure her left arm, at the same time that the barrel of a revolver pressed into her ribs.

        Behind her, there were two assailants, both with stockings covering their heads. She was pushed forward and, in a matter of seconds, all three were already inside the house.

        The initial scare was followed by a diffuse weakness. Benvinda felt her legs grow weak. She almost lost control of her bladder, a common reaction of hers in moments of great fear. Despite her natural quickness of mind, her head froze, empty, dominated. Her mouth was firmly covered by the same man who  grabbed her from behind and now closed in on her from the front.

        — Not a sound, auntie! — was the firm but whispered warning of the bandit who dominated her. — If I shoot, I will blow your brains out! — And she clearly imagined, “saw”, her bloody brains, in pieces, flying in slow motion through the living room.

        — Where does your employer keep the gold and the dollars? — questioned the robber in her ear. In the meantime, his partner made a quick inspection of the ground floor of the beautiful two-story house.

        — What gold? — murmured Benvinda, becoming surprisingly quick-witted once again.

        The villain through it was amusing. He did not seem to be tense. Calmly, without desire, he pawed her with his left hand, massaging her breast, while he smiled beneath his disguise.

        — Congratulations! I never imagined that you would recover so quickly auntie! But the time for playing games is over. I know that your employer has gold and dollars. Do you want to play Joan of Arc? Look, we’ll rape you and even torture everyone here! — And, on saying this, he pressed the barrel of the revolver hard against Benvinda’s left nostril, hurting her with the gunsight. Her eyes filled with tears, but she did not dare to shout.

        — You don’t need to reply... He must be in the bedroom... Let’s go upstairs very slowly; you in front and me holding a gun to your head. At the bedroom door, you are going to ask your employer whether he wants to have breakfast. Pretend that you are taking it to him on a tray. Did you understand? Or do I need to beat you? If you obey, I’ll let you live. I’ll even let everyone live! I only want the dollars and gold bars. So, don’t try to be a heroine.

        Dominated, she nodded her head in agreement and, without noise or stumbling, she was pushed up the stairs that led to the upper floor.

        The three stopped at the door of the couple’s bedroom, Benvinda in front. She received a prod on the back of her neck with the gun barrel and a sign that it was time to play her role as a waitress. So, she asked in quite a loud voice:

        — Dr. Nelson... do you want breakfast? I’ve brought it on a tray.

        Benvinda, despite being smart, or exactly because of this, was not a good actress. The question came out in a shrill, strange voice, both screechy and irritating.

        Her employer, a little more than forty years of age, a Criminal Court judge and also a professor of criminal law at a private university, awoke to the sound of this harsh, strident voice. Without any difficulty, as it was at this hour that he normally arose. He soon found two things rather odd: first, the change in voice of his housemaid; second, the offer of breakfast in bed, something that never occurred. Why this change in routine now? Even so, he did not immediately think of a robbery and only thanked her:

        — ... Thank you, Benvinda, but I will have breakfast downstairs, as always.

        On hearing this, the “principal” villain, holding the housemaid — the other one had still not opened his mouth — hesitated a little. He didn’t expect this reply, but thinking quickly whispered in Benvinda’s ear: — Again... Offer it again!

        And she insisted: — You must have breakfast! — she shouted, almost wailing, desperate.

        This immediately aroused the judge’s suspicions in a manner he could not ignore. — Something’s up! — he thought, his heart racing.

        He jumped out of bed and, without putting on his slippers, he tip-toed to the door. Crouching as low as possible, he peeped through the gap under the door. Based on the shadows and considering that Benvinda was not an insect, with various legs, he found that there were other people in the corridor. This abundance of legs, together with the desperate appeal for him to have breakfast in bed, could only be yet another chapter of the menacing “true crime stories” that he read on a daily basis in court case files.

        — Just a moment, I’m going to open the door! — the judge shouted, while trying to maintain a normal tone of voice. He immediately drew close to his wife who, already standing, immobile, stared at him with eyes wide open, aware of the situation. In her ear, he whispered: — Lock yourself in the bathroom. Quickly! Without making any noise!

        Following this, he took a few steps in the direction of the fitted wardrobe, where he kept a double-barreled hunting shotgun that was always loaded, despite the risk implicit in this practice. He did this because, as a judge, he had heard innumerous accounts of robbery victims who did not have time to load their weapons when the robbers were already inside their homes.

        The judge took the shotgun and returned to the bed, where he reclined and placed the butt on his shoulder. He cocked the weapon and waited, pointing the barrels at the middle of the door. At this moment, his wife was already locked in the bathroom.

        The excessive delay and suspicious silence convinced the principal robber that the owner of the house was up to something. It was now or never. He pushed the maid aside and kicked the door vigorously three times, making a noise that echoed through the silent house. With the fourth kick, the door suddenly opened.

        At this exact moment, the judge squeezed one of the triggers. Apparently, — based on that subsequently found in the court case files —, for some reason, the robber in front turned his head. This was because his lower jaw had been ripped away, almost entirely, by the joint pressure of the small lead spheres fired, at short range, by the powerful hunting weapon.

        The shot also had the effect of a violent “Heavyweight” blow on a frail “flyweight”, as the robber in front was thrown backwards, taking his companion with him in the confusion, as well as Benvinda, who had not had time to go down the stairs, as she was rather dumbstruck.

        All three went tumbling down the stairs, while the involuntary “hunter of jawbones” rose from the bed and prepared for a possible second shot.

        From the top of the stairs, the owner of the house saw that, down below, neither of the two assailants were holding a firearm at that moment and both were dizzy. A revolver had fallen at the bedroom door, on the upper floor, and another on the top step, both out of reach of the robbers.

        Although lacking his lower jaw, the criminal who seemed to lead the robbery managed to lift himself up, stumbling, confused, eyes staring, with one hand holding on to the lowest part of the banister. With the other hand, he touched the hole where there was formerly a chin. A large amount of blood flowed from this hole. His companion, also injured, but not severely, sought to drag his colleague away in a supportive gesture, holding him by the waist and placing the injured arm on his shoulder. They dragged themselves in the direction of the kitchen, certainly with a view to escaping via the back yard of the house, where there was a wall that was not very high. Their only thought now was to escape.

        With the utmost caution, Benvinda’s employer followed them at a distance, attentive to what was happening, taking care regarding the possible existence of a third robber providing cover for the others. However, he soon convinced himself that they were alone.

        The robbers reached the yard wall, beyond which was an empty plot of land. The individual who was less injured quickly managed to climb the wall and, straddling it with one leg on each side, attempted to lift his companion. But his efforts were in vain. The man without a lower jaw had no strength. He seemed to be giddy. He could hardly remain standing. Loss of blood, together with violent trauma, had weakened him to the extent that he could do no more than decrepitly lift his arms and emit a few groans — an expression of pain or an explanation of the fact that he lacked strength. Subsequently, at the time of the autopsy, the owner of the house found out that the lead shot had dilacerated his tongue.

        The robber who was on top of the wall explained, shouting, to his companion — as understood by the judge — that he needed to escape, leaving him there, but that he should keep calm because he would soon return, well-armed, to take him.

        The other, however, seemed not to accept this solution. He wanted his companion to take him right away. Although weak, he protested, wheezing and coughing. Until, exasperated, the man on top of the wall fixed his gaze on the owner of the house. He raised his fist in hatred and yelled: — I’ll be back to kill you!

        This robber had hardly lifted his leg, preparing to jump down from the wall, when the owner of the house fired a second shot, which hit the criminal full-on. As the distance was now greater, the lead shot was able to spread to a greater extent, also hitting his companion who, stumbling, took a few steps from the wall and fell face-down into a small swimming pool. The other robber fell dead on the other side of the wall.

        When the police arrived, half an hour later, Benvinda was already being medicated — noting serious — and told her employer about the fleeting and extremely chaste “affair” that she had with that young man, who asked so many questions and was dead on the other side of the wall. Pulling the stocking from the face of this robber, she recognized Júlio, the chaste boyfriend. At the beginning of the robbery, he did not utter a single word in order to avoid being identified. During the police inquiry, it was found that the two robbers were brothers, born in Paraguay, and with criminal records both here and there.

        With regard to the judge, this traumatic event for particularly bitter for him. To date, as far as mammals are concerned, he had only killed a capybara in the state of Mato Grosso. Afterwards, he had felt a certain malaise, observing the dilacerated state of the animal.

        Going against his principles — he was a law-abiding man —, but due to his understandable defensive instinct, he found himself obliged to change the facts a little when he reported them to the Police Chief who arrived at the scene. He said that the robber, on the wall, mentioned drawing a firearm to shoot him.

        That second shot made with the shotgun — he knew, it was written in all treatises on Criminal Law — could not be considered to be legitimate defense, as the danger had passed. The robber’s threat was only hypothetical. However, as a citizen, he asked himself, seeking to clear his conscience: — “And if the robber came back in order to fulfill his promise? Was I not duty-bound to protect my home, wife and children?

        A few days later, he asked to be re-allocated to a Civil Court. He felt traumatized, without the level headedness necessary for judging violent criminals.

        He continued lecturing on Criminal Law, but his students complained that, although he was a demanding teacher, paying attention to details, he became evasive and brief when he explained the formal requirements for legitimate defense. Most notably the item “actual or imminent aggression”. He did not seem to feel at ease explaining this aspect, and quickly went on to another topic.

        One month later, they moved to an apartment, where they have not been robbed to date.

        With regard to Benvinda, she spent several months in a state of sadness, disappointed with herself. Every time that she looked in a mirror, it seemed that a stupid ass was staring back at her. 

END 

(Francisco Cesar Pinheiro Rodrigues is a Brazilian writer, retired judge, who resides in São Paulo, Brazil, owner of the website www.500toques.com and the blog francepiro.blogspot.com. Contact by email: oripec@terra.com) 

Translated by: John Upson

john@wetranslate.com.br

segunda-feira, 21 de setembro de 2020

Benedito Moraes, um impressionante e modesto desenhista

                                            

A modéstia não pode ser considerada uma virtude, pois assemelha-se mais a um sofrimento do que a uma qualidade”. Aristóteles. 

Desenhar é a integridade da arte. Não há possibilidade de trapacear. Ou é bom ou é ruim”. Salvador Dalí. 

Este artigo visa dois objetivos: proclamar o valor de um invulgar artista do desenho, residente na cidade de Tietê-SP, e também moderar, nele, a simpática virtude da modéstia, porque todo talento especial que se esconde — mesmo com a mais santa das intenções —, significa um desperdício da natureza no mecanismo evolutivo, que ocorre com saltos, por mero acaso. 

O talento, qualquer talento, é como o raio, pode cair em qualquer parte: numa árvore ou numa santa mulher rezando de joelhos em uma praia deserta. O pai de Leonardo Da Vinci era tabelião. Provavelmente, para desenhar o círculo precisava de um copo. No entanto, seu filho..., bem, todos sabem quem foi, talvez, o maior pintor de todos os tempos, além de cientista e inventor. 

Dando outro exemplo: 

Se Thomas A. Edison, que inventou a lâmpada elétrica, caso se se limitasse a fazer, por diletantismo, um aparelho que iluminasse apenas sua casa, sem usá-la para iluminar cidades — para não prejudicar o comércio do óleo de baleia, causando prejuízos e desemprego — seria correta essa omissão? Não. Até as baleias, impiedosamente caçadas com arpões, implorariam a Edison que difundisse sua invenção, diminuindo o massacre. O arpão geralmente, acerta no pulmão, não no coração, prolongando a agonia.

                                              

No caso do Benedito Moraes — seu nome completo é Benedito Moraes Leite, mas não é afrodescendente —, seu “desperdício” consiste em desenhar, gratuitamente, por mero prazer, os rostos de parentes e amigos, provocando exclamações de surpresa e alegria, tal a exatidão do seu lápis. Antes disso, Moraes já pintava quadros, paisagens, flores, qualquer coisa. Certa vez, uns vinte anos atrás, estando eu em sua casa, em Tietê — salvo engano durante um churrasco —, vi uma sua pintura que me impressionou pelo realismo e beleza. Perguntei se ele tinha outros quadros e ele me mostrou vários, todos bonitos. Só então fiquei sabendo que o Moraes, dono de uma ótica, tinha também “veleidades artísticas”. Nossos papos eram geralmente mais uma troca de anedotas — limpas — e com elas abastecíamos nossos respectivos repertórios de humor.

Como ele não praticava a chamada arte moderna, e não se empenhava comercialmente para promoção dos seus quadros, sempre no estilo clássico, realista, não fiquei ruminando minha estranheza em ver tanto talento guardado como simples hobby. Mesmo porque já vi — e o leitor também já deve ter visto — quadros de paisagens, pintados por ilustres desconhecidos, que despertavam admiração pelo simples fato de que eu, ou o leitor, nunca teríamos a capacidade de fazer algo semelhante.

                                              

Passados vários anos, em outra visita casual a Tietê — onde moram parentes de minha mulher —, um deles me mostrou alguns desenhos do Moraes, retratando, com lápis, pessoas que conheço, gente famosa, cães, qualquer coisa viva. Fiquei, de novo, espantado com a perfeição. Pensei: — “Como pode!? É mais perfeito que uma foto! Deve haver algum truque nisso”! 

Como teste, enviei-lhe um pequeno retrato, 3x4, de minha cara, e em dois ou três dias vi que tinha sido “fotografado”, tal como sou, pelo lápis do Moraes. Pensei: “Será o Benedito”!?  Nem mostro esse desenho porque, vendo-o tal como sou, octogenário, acabado, pessoas que leem meus textos deixarão de me ler: — “Se eu gostasse de olhar múmias eu passaria minhas férias no Egito”. 

Após investigar, com a ajuda do Google, a possibilidade do computador fazer maravilhas — como se fosse um retratista de carne e osso —, cheguei à conclusão, segura, de que os desenhos do Moraes são mesmo autênticos, feitos à mão. Talento puro e simples, complementado com um curso que o Moraes disse ser “do Neves” que ele considerava um dos maiores desenhistas do Brasil, juntamente com Carlos Laveso. Não sei se ambos estão vivos. 

Não entro em detalhes técnicos para a conclusão de que Moraes desenha com a mão — não com computadores —, que só prejudicariam esse texto, pela extensão. Ele desenha, informou-me, em papel Canson MI-TIENTES e usa grafites importadas, detalhes que, salvo engano — não sou perito no assunto — indicam que não usa qualquer truque de computador. 

 É claro que devem existir grandes desenhistas realistas, igualmente extraordinários — vi alguns desenhos na internet — mas presumo que não sejam muitos os que conseguem desenhar um rosto exatamente como está na foto, como o Moraes. Digo assim porque algumas pessoal, retratadas, fazem questão de aparecerem, no desenho, exatamente como são na vida real. Não “melhoradas”, ou rejuvenescidas. Embora o desenho seja lindo, quem está no papel é outra pessoa, não a da foto.

   

A cópia “apenas” perfeita, com lápis, não é uma deficiência de imaginação do artista. É uma virtude técnica, deliberada, quando o retratado deixou expresso que deseja ser visto “tal como sou!”, não apenas “parecido”. Se bem que o Moraes, querendo — consultando quem pediu o próprio retrato — possa fazer ligeiras “melhorias” quando uma mulher não acha ruim aparecer com menos rugas. Direito dela, afinal o rosto lhe pertence. Tinha orgulho da própria beleza. Prefere ter seu desenho como ela era antes, nos melhores anos de sua vida. Já vi, na internet, alguns desenhos belíssimos, de outros desenhistas, mas não sei se correspondem ao que está na foto enviada pelo interessado. 

Perguntei ao Moraes como é que ele justifica ter começado como pintor e só depois se tornado mais desenhista que pintor, vez que a pintura tem muito mais prestígio que o desenho. Aí ele me explicou que quando pintava quadros, sempre em estilo clássico, ele antes fazia um desenho, com lápis, ou carvão — porque é mais fácil de apagar. Desenhava antes de pintar para manter o senso de proporção nas coisas a serem pintadas. 

Essa falta de senso de proporção na “pintura rápida” da arte moderna — fruto do comodismo, ou da inata incapacidade do pintor para o desenho —, foi “aproveitada” pela arte moderna, usando um palavreado filosófico como substitutivo do desenho difícil, quando a “dura mão não colabora”. Na arte moderna as deformidades fáceis que nela aparecem — museu de horrores sem qualquer beleza — seriam “propositais”, porque o valor da arte — segundo os modernistas — residiria somente na “emoção” do pintor enquanto pinta, não na emoção de quem olha. Uma inversão do objeto da arte, na história da humanidade, porque sua função primeira é provocar um sentimento agradável de beleza. Ou, se o quadro retrata uma cena de horror, um sentimento de espanto pela capacidade técnica do pintor, de conciliar o horror com o domínio de sua arte. Técnica, exatidão e beleza, ou choque emotivo não podem faltar em uma Arte que mereça esse nome. O resto pertence à outras áreas, como, por exemplo, a propaganda e marketing. A literatura, igualmente, consegue conciliar a descrição do horror real com a “força literária” de um estilo preciso e impressionante.    

 Em suma, ainda sobre a arte moderna, se o artista estava, eventualmente, embriagado ao pintar — com mão trêmula, misturando errado cores e fragmentos de objetos  —, se ele for famoso ou cara de pau, pode alegar que seu fraco “trabalho” tem um “significado “profundo”, só “captado” pelos realmente entendidos de arte. E se o jornal disser que seus quadros estão no Louvre, e valem milhões, ninguém tem coragem de, em público, dizer que tudo aquilo é ridículo. 

Não sei o que Benedito Moraes pensa sobre a arte moderna. Nunca conversamos a respeito. As opiniões críticas acima esboçadas são apenas minhas. 

O termo Arte, pela sua abrangência, dificulta muito a discussão de seu conteúdo. A Arte está em toda parte. No desenho, na pintura, na escultura, na música, na dança, na literatura, no cinema. Até nas artes marciais já a vi mencionada. Ou na guerra. Victor Hugo dizia que “A música está em tudo. Do mundo sai um hino”. No cinema é mais difícil enganar o público. Se o filme, exibido na televisão, não presta, o espectador não tem paciência de ficar mais de quinze minutos olhando o besteirol, a menos que aguente somente porque está muito interessado em saber o final do enredo. Esse truque — a curiosidade em saber como o roteirista tentou salvar a mixórdia — já me fez perder muito tempo, porque é difícil mudar de canal sem saber como termina o filme. 

Depois da invenção da fotografia — tão prática, tão rápida — a pintura realista foi se tornando “desnecessária”. Dá muito trabalho, consome um tempo enorme. Consta que Leonardo Da Vinci levou cinco anos pintando a Mona Lisa. Pintava um pouco de cada vez. Picasso disse que poderia encher de quadros vários museus de arte, em dois ou três meses, insistindo que podia pintar até de olhos fechados, apenas sentindo. E um malandro desses, pasmem, chegou a ter o mesmo “cartaz” que o Leonardo. 

Para encerrar, considerando, porém, que o impulso artístico faz parte da natureza humana, é útil, benéfico, que milhares de pessoas, em todo o planeta — aquelas mais sensíveis —, disponham de uma atividade que alivie sua tensão, nem sempre explicável racionalmente, usando, pacificamente, as mãos — ou pés, quando não têm mãos — ou boca, segurando um pincel — pintando, desenhando, ou tocando um instrumento. É uma forma de terapia, seja bom ou feio seu produto final. 

Por isso, não sou contra qualquer “hobby”, com ou sem talento para a coisa. Mas quem tem esse nobre impulso interior e demonstra um especial talento, deve difundi-lo em grande escala, porque todo trabalho bem feito gera admiração e o desejo de fazer igual ou melhor. O desejo de aperfeiçoamento deve ser estimulado em todas as pessoas. 

Com este artigo publico alguns desenhos feitos pelo Benedito Moraes, em dois ou três dias, como amostragem.

Se o leitor, ou eleitora tiver dúvida sobre o talento do Benedito Moraes, querendo uma prova de sua expertise, solicitando um retrato, deixo aqui seu e-mail para eventual contato: 

 opticamoraes@hotmail.com e seu endereço comercial: 

Benedito Moraes Leite - Óptica Moraes

Largo São Benedito, 07 - Centro - Tietê - SP - CEP 18530-000

Telefone 15 - 3282.3034

terça-feira, 1 de setembro de 2020

“Rachadinha” é pretexto para depor Jair Bolsonaro

Complô mesquinho e sem nexo, porque todo ser humano só pode responder, moralmente, pelos próprios atos, não por eventuais atos de filhos ou cônjuge. Ainda mais quando alegadamente praticados anos atrás, bem antes de Bolsonaro ser candidato a presidente. 

A se pensar o contrário, será arriscado a qualquer cidadão, doravante — quando tímido —, disputar uma eleição presidencial porque nem sempre conhecemos completamente a biografia de nossos parentes e afins. Se um pretendente à presidência tiver filho, ou pai, tio, avô ou avó — próprio ou do cônjuge — envolvido em algum ato discutível, no passado, seus inimigos não lhe darão trégua quando o entrevistarem depois de eleito. Ficarão felizes com a devassa minuciosa, dos parentes do “alvo”, martelando no assunto, com perguntas ofensivas, buscando o máximo de audiência. Tentarão, pela insistência exasperante, tirar o presidente do sério. 

Razão tinha Rui Barbosa, nosso jurista máximo, ao dizer que “Um homem irritado é um indivíduo que não responde pelos seus atos, com que o inimigo pode contar para suas manobras: é um instrumento nas mãos do seu adversário” (“Migalhas de Rui Barbosa”, citação 684). Digo “razão” porque Bolsonaro estava certo defendendo, com energia, pessoa acusada ausente, sua esposa, em pergunta desrespeitosa de um repórter. 

Lembram-se, os leitores, da fábula do lobo e do cordeiro, de Jean de La Fontaine?  Resumo-a aqui: um cordeiro estava bebendo água, à beira de um riacho quando percebeu que alguns metros mais acima, no terreno inclinado, havia um lobo, também bebendo, que lhe perguntou como é que ele, cordeiro, tinha coragem de sujar a água dele, lobo. O cordeiro respondeu que isso era impossível porque água corre pra baixo e não pra cima. Inconformado, o lobo insistiu: — “Você fica agitando a água e, além disso, falou mal de mim no ano passado. — Impossível, porque no ano passado eu não havia nascido. — Se não foi você, foi seu irmão. — Não tenho irmão. Sou filho único. — Humm..., se não foi você, foi algum seu amigo, ou outro cordeiro, ou o pastor do rebanho, ou algum cão-pastor e por isso preciso me vingar”. Dizendo isso avançou contra o cordeiro, matou-o e o arrastou para a floresta, para comê-lo com a consciência do dever cumprido. 

É isso o que vem acontecendo com Jair Bolsonaro, quando entrevistado por repórteres ou jornalistas enviados por patrões inimigos declarados do presidente. Ocorre que Bolsonaro não é tímido — muito pelo contrário. Tem pavio curto, por tendência natural, e por mais que tenha se esforçado, ultimamente, para se modificar seu temperamento, às vezes não consegue. Por isso respondeu violentamente, sugerindo um soco na boca porque a intenção do repórter era denegrir a imagem de uma mulher, não presente, só para prejudicar o marido dela. O repórter deveria perguntar a um presidente sobre fatos e decisões dele, não sobre fatos eventualmente praticados pelo cônjuge, ainda mais ocorridos vários anos antes da eleição presidencial. 

Na verdade, certas perguntas são feitas já sabendo, o perguntador, que provavelmente não serão respondidas. O repórter provavelmente foi orientado para exasperar, provocar uma reação violenta que possa tirar do sério o entrevistado. — “Maravilha! Conseguimos nosso objetivo! O presidente, irritado, será visto como uma espécie de animal violento que odeia todos os jornalistas”! Generalização enganosa, porque ainda há muitos jornalistas sensatos que sabem como e quando perguntar sobre atos parentes ou cônjuge do entrevistado. Costumo lembrar uma frase de Napoleão Bonaparte, que dizia ter mais medo de três jornais de oposição do que de milhares de baionetas inimigas. 

No incidente do hipotético soco na boca, a pergunta foi: — “Porque sua esposa recebeu R$89 mil de Queiroz”? Note-se que o repórter nem pergunta ao entrevistado se sua esposa recebeu. Dá como pressuposto que recebeu, e com intenção criminosa. 

Uma resposta possível de Bolsonaro poderia ter sido: “Não sei se ela recebeu. Se recebeu, pergunte a ela”. Tal resposta, educada mas, ingênua, seria logo classificada, na mídia inimiga, como própria de um “sangue de barata”. E o repórter, estimulado com seus cinco minutos de fama, continuaria cutucando a ferida, buscando, com novas perguntas — um oportuno “tribunal do júri” —, humilhar publicamente o presidente e sua mulher, mesmo não estando ela presente para se defender. 

Vamos supor, imaginar, que tenha havido esse depósito, talvez perfeitamente legal — mas sem prévio conhecimento de Bolsonaro — e que ele, posteriormente, sabendo disso, tenha repreendido a esposa, explicando que tudo pode ser desvirtuado pelos seus inimigos. Deveria Bolsonaro, na referida entrevista, ficar discutindo conjeturas com o repórter, sabendo que milhões de brasileiros escutariam esse diálogo? Que marido — banana, e burro —, seria ele se ficasse dando corda ao entrevistador, discutindo detalhes e hipóteses que só serviriam para diminuir a reputação da mulher? E se ficasse em silêncio essa recusa seria interpretada pelos jornais como um “quem cala, consente”.         

 O simples fato de a oposição, no Brasil, neste momento, ficar esmiuçando o passado de parentes e esposa de um presidente em exercício é um indício de que o presidente Bolsonaro tem, individualmente, um passado e um presente limpos no que se refere a honestidade pessoal com o dinheiro público. E foi só por isso que ele foi eleito, não pela elegância verbal de seus pronunciamentos. Se é desaforado, não engolindo provocações, perderá muitos votos, claro, na próxima eleição. Cabe, porém, só aos eleitores, não aos jornalistas — ou melhor, aos donos dos jornais —, decidir se preferem um presidente com pavio curto, mas que não rouba, ou outros de fala bonita, mas com honestidade incerta, a ser conhecida só depois de eleito, quando pode ser tarde. 

É revoltante a desonestidade mental da mídia escrita quando tenta convencer o país que o presidente Jair Bolsonaro precisa sofrer um impeachment porque um de seus filhos, Flávio, teria, como deputado estadual no Rio de Janeiro, vários anos atrás — alegadamente entre 2011 e 2016 — provavelmente criado ou participado de um esquema de “rachadinha” no valor total de 89 mil reais. Em cinco anos — 60 meses — isso daria um ganho ilícito mensal de R$1.483,00, “grande prejuízo”, se comparado com os desvios petistas naqueles cinco anos. 

O que é, juridicamente, uma “rachadinha”? Para início de conversa, a legislação penal não a formalizou como “crime”, com a necessária descrição da conduta infratora, o tal “tipo penal”. Nem o Código Penal, nem qualquer lei avulsa, descreve, com precisão, qual seria o crime batizado hoje com o apelido de “rachadinha”. 

 Consideram-na, com razão, como “algo desonesto”, embora provavelmente praticado em grande parte dos legislativos municipais, estaduais e federais. Como temos 26 estados e 5.570 municípios, essa prática talvez tenha sido não rara, pelos motivos que menciono em seguida. 

Nos 12 anos de domínio do PT, provavelmente houve centenas ou milhares de “rachadinhas”, que não serão investigadas porque para os inimigos de Bolsonaro essa investigação seria contraproducente. Eles pensarão: — “Se havia milhares de “rachadinhas”, na era petista, como justificar que apenas Flávio Bolsonaro esteja sendo investigado? Ficará comprovado que estamos apenas de olho no impeachment do pai dele!” 

Se o leitor pesquisar a respeito, na internet jurídica, verificará que há muita discórdia no enquadramento jurídico da “rachadinha”. Para alguns seria peculato. Outros a consideram como corrupção passiva; para outros seria concussão, ou emprego irregular de verbas públicas, ou improbidade administrativa. Transcrever aqui tais discordantes opiniões cansaria o leitor, que pode conferir na internet. 

Há também quem considere a “rachadinha” como não sendo crime algum, sendo apenas falta de ética, conforme o caso concreto, porque se o dinheiro fornecido ao parlamentar entrou na sua conta, ele pode fazer o que quiser com seu patrimônio. 

Já ouvi a explicação — deve ser verdadeira — de que quando um parlamentar é eleito ele recebe uma verba, legal e não módica, para pagamento de despesas de contratação de pessoas, de sua confiança, que o ajudará na atividade parlamentar. Quando ele já se deu por satisfeito com determinado número de funcionários ele teria legalmente — presumo —, que devolver ao governo a parte da verba não utilizada para as contratações. Não sei se essa obrigação de “devolver o não usado” é expressa igualmente na União, Estados e em todos os Municípios, tendo em vista a extensão da pesquisa.

  De modo geral, as pessoas não gostam de devolver sobras de verbas públicas que poderiam gastar inteiramente. Esse assunto só agora veio a público porque era preciso, aos inimigos de Bolsonaro, descobrir uma falha legal ou moral qualquer — se não no próprio Jair pelo menos de algum filho. 

Friso que não estou, aqui, sugerindo — pelo contrário —, que o governo faça uma ampla investigação para saber quem devia devolver ao governo a parte que não foi usada pelo parlamentar, nos governos petistas e do presidente Temer. Essa obrigação de devolver é perniciosa — no meu entendimento —, porque, sendo formalmente ilegal —, mas provavelmente não obedecida em milhares de casos —, acaba criando um dispensável complexo de culpa dos parlamentares, estimulando neles a sensação de que é um hipócrita, um impostor, desde que tomou posse no cargo. Fica “com o rabo preso”, robustecendo a ideia de que neste país “todos são corruptos” e “quando em Roma, como os romanos” — referência ao passado daquela nação.  Estimula o auto desprezo, quando o novel parlamentar deveria entrar no parlamento de cabeça erguida. 

Melhor seria, psicologicamente, se não houvesse obrigação de restituir parte de sua verba parlamentar quando, em vez de, por exemplo, contratar dez assessores, contratasse só metade — o suficiente para ele — e o resto utilizasse para pagar suas dívidas pessoais, oriundas das despesas para se eleger. Na minha opinião, essa verba para contratação de funcionários dos parlamentares deveria ser apenas de "ida” e não de “ida e volta”. Se for o caso, reduzam-na. Mantê-la como “crime” é uma forma — talvez não intencionada —, de incutir no novel parlamentar a ideia de que ele, e o próprio parlamento, não são lá muito honestos. E acaba, pelo hábito e pelo convívio com colegas, incorporando na alma a sensação de que é um hipócrita. “Mas quem não é”? 

Se o leitor discorda de meu ponto de vista, pergunto-lhe se nunca “burilou” a descrição de seus ganhos na declaração do imposto de renda. E se a Receita — por remoto acaso —, errasse nos seus cálculos de restituição de imposto, favorecendo o contribuinte, o leitor iria notificar o fisco para lhe restituir menos? 

O Brasil, tem um excesso de leis e regulamentos de toda ordem. “Quanto mais leis, mas corrupto é o país”, já disse alguém. Onde tudo é proibido, nada é proibido, porque a auto convicção de que é um hipócrita enfraquece sua coragem de enfrentar outros Poderes, que não fizeram “rachadinhas” mas talvez coisas piores. 

(01/09/2020)

terça-feira, 25 de agosto de 2020

A crítica honesta precisa ser protegida, legal e judicialmente




                                                                                                                                                                              Foto divulgação 

Resumo de proposta de alteração legislativa: quem for processado, civilmente, por dano moral, deve ter o direito — que hoje não tem — de não só contestar o pedido de indenização em dinheiro como também apresentar reconvenção — isto é, defender-se e atacar no mesmo processo —  por dano moral, exigindo igual soma indenizatória do Autor da ação, caso o Réu demonstre, nos autos, sua boa-fé nas críticas que fez contra o Autor. O simples fato de ser cobrado, civilmente, de elevada quantia, em processo que pode demorar vários anos, já representa um dano moral, um sofrimento psíquico do Réu que se tornará impune quando comprovado que o Autor, com a ação, pedindo indenização, quis apenas intimidar e silenciar quem o criticou por seus malfeitos.

Nossa liberdade de opinião, na imprensa e na internet, ainda é fictícia — mesmo quando exercida com retidão. Isso ocorre por causa de uma possível e intimidante ação de “indenização por dano moral”, movida por quem — geralmente um poderoso —, errou, sabe que errou, continua errando mas pretende silenciar seus críticos “usando” a lentidão da Justiça para seu astuto objetivo.

Com a atual legislação processual civil — em um país com milhões de processos demorados —, o receio de uma pesada condenação por “dano moral” inibe a exposição da verdade ou a torna imensamente arriscada. Essa situação protege e estimula quem age desonestamente e não quer que a mídia, ou qualquer pessoa, exponha suas ilicitudes. Com isso, o país fica sem saber do que acontece “debaixo do pano” porque é muito perigoso dizer a verdade contra “gente poderosa”.  

Em toda ação judicial, deveria estar presente a máxima genial de Voltaire que gosto de invocar pela sua realidade e abrangência: “A vantagem deve ser igual ao perigo”.

Quem, por exemplo, pede uma indenização de alguns milhões de reais por ter se sentido ofendido por uma crítica escrita ou verbal deveria saber — caso seja alterada a legislação — que se a prova dos autos for favorável ao Réu, este teria direito a receber do Autor da ação essa mesma quantia — no mesmo processo — como indenização pelo dano moral implícito na mera situação de ser réu em um processo demorado e ameaçador que pode arrasá-lo financeiramente .

Quem pode negar o sofrimento diário de figurar como Réu em um processo judicial que pode se arrastar por vários anos? Se ele “ganhar a causa”, isto é, se a justiça finalmente concluir que a crítica dele, Réu, era de boa-fé, justa, ele provavelmente nada receberá do Autor como compensação pela longa sensação de perigo sentida na condição de Réu. Apenas seu advogado receberá do Autor — findo o processo — o valor da “sucumbência” (a condenação em honorários). O Réu, propriamente, nada receberá depois de tanta inquietação e despesas, por só ter dito ou escrito a verdade.

Teoricamente, o Réu, na legislação vigente, poderá receber algo caso ocorra a condenação do Autor da ação por ter agico como “litigante de má-fé”. Ocorre que quase sempre a má-fé do Autor não é reconhecida na Justiça porque as pessoas variam muito no grau de sensibilidade e o juiz leva isso em conta. Acresce que se o juiz, ou tribunal, disser que o Autor agiu como litigante de má-fé, esse detalhe possibilitará ao Autor interpor novos recursos só para alegar que não houve “má-fé’, esticando ainda mais o processo.

Enfim, com a legislação atual, o Autor da ação, que empunhou o chicote da intimidação, durante o processo, consegue, silenciar a crítica honesta do Réu, por muitos anos, e tudo fica por isso mesmo. Uma tremenda injustiça do atual sistema. Frise-se que o Réu, durante o longo processo, não tem como saber qual será o valor da sua eventual condenação porque o dano moral não é tabelado por lei e “cada cabeça uma sentença”. O Réu pode perder uma prova com que contava — por exemplo, a morte ou sumiço de sua testemunha principal, antes de depor — e por isso perder a causa. Nem sempre o “prova dos autos” reflete a realidade dos fatos. Além do mais, uma testemunha pode eventualmente ser comprada ou intimidada.

Com a atual sistemática — de risco financeiro apenas do Réu, — altas figuras das finanças, da política, da magistratura, do funcionalismo, da vida social, de entidades religiosas, etc., usam e abusam do direito de intimidar quem aponta seus deslizes.

Em algumas ações de indenização por dano moral, paradoxalmente — porque nas ações judiciais é o Autor quem geralmente tem pressa no término da demanda —, quanto mais tempo ela demorar, melhor para o criticado Autor, porque sua verdadeira intenção não é obter o dinheiro da indenização mas incutir medo paralisante — na alma e/ou no “bolso” — de quem apontou suas falhas.

É por causa da desigualdade de forças financeiras entre autor e réu que muitas investigações importantes, iniciadas por órgão de imprensa, somem do noticiário. Milhares de brasileiros sabem de certas patifarias mas temem publicar ou relatar isso em público temendo serem processados com a cobrança de milhões de reais, sob alegação de dano moral.

Em ações envolvendo dinheiro é salutar que o autor não se sinta em total zona de segurança ameaçando o réu com uma ação que servirá mais como um “Cale a boca senão vou arruiná-lo financeiramente!”.

Ponha-se o leitor na pele de um jornalista que foi citado judicialmente para pagar, digamos, uma indenização de cinco milhões de reais, porque não comprovou uma falcatrua — ouvida de fonte confiável, em tese crível. Essa ameaça tira-lhe todo o estímulo para o jornalismo investigativo. E pode ocorrer que, devido a globalização, a ação por danos morais seja processada em país estrangeiro propenso a indenizações milionárias.

O jornalista Paulo Francis, por exemplo, na década de 1990, foi condenado, pela justiça americana, a pagar uma indenização de cem milhões de dólares por haver mencionado — em entrevista no Brasil mas divulgada também nos EUA —, que a diretoria de uma empresa estatal brasileira,  teria desviado altas somas da empresa para contas particulares dos seus diretores em banco suíço. Como Paulo Francis não comprovou em juízo (americano) esse desvio — o sigilo bancário era então inviolável —, o jornalista foi condenado a pagar os cem milhões. Ele justificava-se, quando processado, dizendo que ao fazer suas denúncias pensava que o governo brasileiro iria investigar o fato, mas a investigação não ocorreu. Pelo que presumia a mídia, nos anos 1990, o enfarte do jornalista foi apressado com tal condenação.

Por que não, repita-se, decidir as culpas recíprocas no mesmo processo? Se ficar provado, no conjunto da prova — do Autor e do Réu —, que o jornalista abusou, que pague pelo abuso. Se ficou provado que não abusou, que receba do “ofendido” (do Autor),  a mesma quantia que este lhe cobra, ou outra diferente. Justo, não? “Quem ganhar, leva tudo”, a “bolada”. Se ambos erraram e também acertaram, que a justiça fixe a divisão da quantia em disputa, na medida e proporção do abuso de cada um.

E tem mais: se o conflito em exame exigir dois processos, um após o outro, pode acontecer que a prova apresentada no segundo processo seja diferente da prova produzida no primeiro processo, acarretando uma contradição da justiça, abalando seu prestígio.

Este artigo foi direcionado ao público em geral, sem formação jurídica. Por isso, minhas explicações repetitivas, elementares, desnecessárias aos formados em Direito.

Espero que algum grupo de jornalistas investigativos se interesse pela presente sugestão. Prefiro que o interessado na proposta contrate um processualista civil competente e atualizado, para a redação do anteprojeto, porque ando muito afastado, há anos, de trabalhos jurídicos. Mas se houver interesse pelo assunto, poderei colaborar, redigindo um esboço.

Pessoas que preferem a manutenção do status quo, tentarão lutar, no Congresso, para confundir a discussão do anteprojeto, procurando pelo em ovo. Como dizia o Marquês de Maricá, “os abusos são como os dentes, não se arrancam sem dores”.

(25/08/2020)

domingo, 19 de julho de 2020

A Constituição e o Poder Moderador das Forças Armadas.


Diz a Constituição Federal, no Art. 142, que “As Forças Armadas, constituídas pela Marinha, pelo Exército e pela Aeronáutica, são instituições nacionais permanentes e regulares, organizadas com base na hierarquia e na disciplina, sob a autoridade suprema do Presidente da República, e destinam-se à defesa da Pátria, à garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa de qualquer destes, da lei e da ordem”. Friso o “por iniciativa de qualquer destes” (poderes).

Em assunto tão importante, o equilíbrio dos Poderes, não é lícito minimizar ou ignorar — como se ela simplesmente não existisse —, a letra expressa da Constituição, só porque o escrito não agrada a opinião de alguns intérpretes.

Não se argumente que as Forças Armadas, sendo compostas de militares — não de juristas —, não teriam condições de examinar questões jurídicas de imensa complexidade.

Esse detalhe — conhecimento jurídico —, presume-se, era conhecido pelos que redigiram nossa Constituição. Se não a leram direito, quando a aprovaram, que a modifiquem por emenda constitucional. A Rainha da Inglaterra — e de vários países da Commonwealth —não é jurista e ninguém, no Reino Unido, ou fora dele, que eu saiba, considera que a monarca não tem poder moderador algum, que o escrito é letra morta, ornamento gráfico “para inglês ver”.

O poder moderador é uma espécie de “seguro de vida” institucional na solução de conflitos entre os três poderes. Conflitos que podem se tornar insolúveis — até sangrentos, mortais —, caso os poderes entrem em choque e não abram mão de suas respectivas opiniões, usando, cada qual, a força bruta disponível no momento.

Principalmente quando o Judiciário faz parte do conflito, tirando proveito do direito de tudo decidir por último, mesmo em causas em que demonstrem, alguns de seus integrantes, evidentes simpatias ou ódios pessoais em seus julgamentos inapeláveis.

Magistrados são também seres humanos, falíveis. Ou não são? Sob certos aspectos até mais falíveis que os simples mortais, que têm consciência de sua insignificância, ao contrário de altos magistrados, habituados a serem sempre obedecidos.

Se os três Poderes têm força teórica igual, havendo um choque entre eles — não solucionáveis pelos métodos políticos normais —, quem diria a última palavra? O Judiciário? Sim, quando julga um conflito entre o Executivo e o Legislativo. Não, quando o próprio Judiciário integra o conflito, porque todos sabem, universalmente, que todo julgamento em causa própria é suspeito de parcialidade. Não havendo um poder moderador explicitamente mencionado na CF — ou sendo ele ignorado, por ser “forte demais” — quem exerceria o tal poder? A imprensa? A mídia, em geral? As redes sociais? O Ministério Público? A OAB? O Congresso? O Papa?

Não se pode presumir a ignorância do legislador constituinte quando redige a Carta Magna. A se considerar que houve apenas um “erro de digitação, ou impressão, em temas essenciais, claramente expressos, a Constituição flutuaria em seus ditames, a exigir anualmente, algumas “Erratas” impressas, atualizando o que ainda “vale” e o que “não merece valer” no texto. Não que houvesse uma decisão judicial, ou emenda constitucional, mas simples engano de um datilógrafo ou digitador.

Deve-se até elogiar a corajosa previsão constitucional em um país como o nosso, fértil em “saídas” improvisadas, inventadas pela astúcia “jurídica”. Um país com boa fração de seu Legislativo temeroso de reprimendas do STF relacionadas com a forma como o parlamentar financiou sua campanha eleitoral. Esse “temor reverencial” — na verdade “penal” —, somado ao direito do Supremo em decidir sem possibilidade de revisão, incentiva o abuso do próprio poder, mesmo que seus Ministros não tenham consciência do seu abuso.

O abuso age como uma espécie de vírus mental anestesiante que bloqueia ou embriaga a autocensura. Mal comparando — porque nossos magistrados são pessoas mentalmente normais — Hitler e Stálin não se sentiam errados quando decretavam a morte de milhões.

Lenin, o líder da Revolução Russa, nunca revelou remorso por ordenar a morte do Czar, mulher e filhos, a cozinheira, o motorista, etc. Fidel Castro, que ficou no poder por cerca de 60 anos, sem eleições livres, nunca se considerou um ditador. Qualquer pessoa, com poder absoluto corre esse risco, nas devidas proporções. Daí a regra universal da existência do equilíbrio dos três poderes nas repúblicas.

A Rainha do Reino Unido não é jurista mas é um Poder Moderador. Se tiver que solucionar uma contenda entre os Poderes, saberá, bem assessorada, reunir um grupo de juristas de incontestável competência e isenção política para solucionar, topicamente, o problema, sem, obviamente, “extinguir” o Poder que extrapolou seus limites. Na situação brasileira do momento, o prestígio do STF, ou de alguns de seus integrantes, nunca esteve tão contestado. Se qualquer um dos três Poderes se considera vítima do abuso dos demais — unidos ou isoladamente — é preciso utilizar a solução expressamente mencionada do texto constitucional. Melhor assim do que “resolver” o conflito pela força das armas, rebelião popular, tiroteios, saques e mortes violentas.

Bolsonaro foi impedido, pelo STF, de estabelecer um plano geral — “quarentena vertical” —, combatendo, simultaneamente, o coronavírus, protegendo os idosos e permitindo aos não-idosos trabalhar, mantendo o país produzindo. Obliquamente o STF autorizou que governadores e prefeitos decidissem o oposto, critério que transformou governadores em “donos” da situação porque os prefeitos dependem mais dos governadores do que do presidente. Estados e Municípios podem apenas “ajudar”, complementar, a orientação do Presidente da República. Manietado, o Presidente ficou limitado a apenas enviar bilhões de reais, para evitar que milhões de pessoas não morram de fome.

Com base em conjeturas de intenções de “autogolpe” do presidente Bolsonaro, o STF proíbe o chefe do Executivo de nomear servidores da segurança para cargos de chefia, arvora-se em vítima de Fake News e transforma-se em órgão de investigação, acusador, julgador e executor de suas próprias decisões.

Quando senadores querem, com base na CF, impugnar tais eventuais excessos do Supremo, pedindo o impeachment de alguns dos seus Ministros — o presidente do Senado permite-se o direito de adiar indefinidamente a colocação em pauta do pedido, ou arquiva-o, baseando-se em parecer de um seu subordinado, formado em Direito, que pode — por que não? — estar errado ou parcial na sua fundamentação. Com essa atitude, dá mais valor à opinião jurídica de um simples funcionário — mesmo advogado —, do que a opinião de 81senadores. “1” vale mais que 81?

Fosse o problema discutido nas comissões e no plenário, a solução poderia ser oposta à do parecer interno da Casa. Não só porque são senadores eleitos mas porque, quando sem formação jurídica, podem consultar juristas especializados em matéria constitucional.

Relembre-se que os presidentes da Câmara Federal de do Senado são apenas, respectivamente, 1/513 e 1/81 dos respectivos representantes do Legislativo. Em tese, não são “donos” do poder legislativo.

A Constituição, realisticamente, deixou expressa, no art. 142, seu realismo de que todos os Poderes são exercidos por seres humanos, com suas virtudes e fraquezas. Um poder moderador, previsto na CF, saberá, consultando várias fontes jurídicas, encontrar a melhor solução. É salutar, nos integrantes dos três poderes, o discreto medo de serem corrigidos, por seus excessos, pelo Poder Moderador, mostrando que são, no fundo, meros mandatários, empregados do povo brasileiro.

Neste exato momento, 18/07/2020, o único que parece mais brando, cordato, cedendo no conflito, é o Executivo. Que os demais Poderes sigam seu exemplo.

(18/07/2020)

domingo, 5 de julho de 2020

Pensamentos indiscretos e filosóficos dos tempos modernos


HENRY LOUIS MENCKEN

“É pecado pensar mal dos outros, mas raramente é engano”.

“Na democracia, um partido sempre dedica suas principais energias tentando provar que o outro partido não está preparado para governar. Em geral, ambos são bem-sucedidos e têm razão”.

“Na história humana, não há registo de um filósofo feliz”.

“Um homem perde o senso de orientação após quatro drinques; uma mulher após quatro beijos”.

“Quando um homem e uma mulher se casam, tornam-se um só. A primeira dificuldade é decidir qual deles”.

“O homem chora porque terá que morrer breve. A mulher chora porque nasceu tantos anos atrás”.

“Um idealista é alguém que, ao perceber que uma rosa cheira melhor que um repolho, conclui que ela também dará uma sopa melhor”.

“Os homens casados vivem mais do que os solteiros — ou, pelo menos, queixam-se durante mais tempo”.

GROUCHO MARX

“Atrás de todo homem bem-sucedido, existe uma mulher. E, atrás desta, existe a mulher dele”.

“Você prefere acreditar em mim ou em seus próprios olhos”?

“Estes são meus princípios. Se você não gosta deles, tenho outros”!

“Nunca me esqueço de um rosto, mas, no seu caso, vou abrir uma exceção”.

“Para mim, a televisão é muito instrutiva. Quando alguém a liga, corro à estante e pego um bom livro”.

“Eu não sou vegetariano, mas como animais que são”.

“Há tantas coisas na vida mais importantes que o dinheiro. Mas, custam tanto”.

“Eu corri atrás de uma garota por dois anos apenas para descobrir que os seus gostos eram exatamente como os meus: Nós dois éramos loucos por garotas”.

“Perdoem-me por não levantar”. (Epitáfio de Groucho Marx)

“A filosofia é a ciência que nos ensina a ser infelizes da maneira mais inteligente”.

“Eu pretendo viver para sempre, ou morrer tentando”.

“A política é a arte de procurar problemas, encontrá-los em todos os lados, diagnosticá-los incorretamente e aplicar as piores soluções”.

“Só há uma forma de saber se um homem é honesto, pergunte-o. Se ele disser 'sim', então você sabe que ele é corrupto”.

“Do momento em que peguei seu livro até o que larguei, eu não consegui parar de rir. Um dia, eu pretendo lê-lo”.

“O segredo do sucesso é a honestidade. Se você conseguir evitá-la está feito”!

“As noivas modernas preferem conservar os buquês e jogar seus maridos fora”.

“Inclua-me fora disso”.

(citações colhidas no site “frasesfamosas.com.br)

sexta-feira, 12 de junho de 2020

O perigo de ter uma imprensa inimiga


“Tenho mais medo de três jornais do que de cem baionetas”. (Napoleão Bonaparte)


Mario Vargas Llosa, o escritor peruano, é uma unanimidade mundial: talentoso, Prêmio Nobel, mentalmente honesto, inteligente e bem informado.  

Pena é que, mesmo com tantas qualidades, Llosa formou, sem culpa própria, uma opinião equivocada, tendenciosa, sobre o que está agora acontecendo no Brasil, no combate contra o coronavírus.

Não morando no Brasil, baseando-se, provavelmente, no que lê na mídia internacional sobre Jair Bolsonaro e a pandemia, Vargas Llosa escreveu um artigo — “O exemplo uruguaio” —, publicado no jornal O Estado de S. Paulo (07/06/2020), elogiando profusamente o novo presidente do Uruguai, Luis Lacalle Pou, pela maneira liberal, não ditatorial, com que tem confrontado a pandemia da covid-19.

 Nesse texto, Vargas Llosa ataca Bolsonaro, como se o presidente brasileiro tivesse uma opinião contrária à do presidente uruguaio, quando ela é justamente a mesma. Bolsonaro pensa exatamente como o novo presidente peruano, contrários, ambos, ao excesso de manter as pessoas fora das ruas, em quarentenas prolongadas, com a economia quase totalmente parada por meses.

Elogiando Luis Lacalle, Vargas Llosa escreveu no artigo que “(...) Lacalle Pou resistiu à decretação de uma quarentena, como fizeram tantos países no mundo. Apelando para a responsabilidade dos cidadãos, ele declarou que ninguém que quisesse sair para a rua ou continuar trabalhando seria impedido de fazê-lo, multado ou preso, e não haveria aumento de impostos, pois a empresa privada desempenha um papel central na recuperação econômica do país, após a catástrofe. Apenas seriam suspensas as aulas nos colégios e as fronteiras seriam momentaneamente fechadas”. (Observação: Bolsonaro também sempre foi pessoalmente contrário a impedir os brasileiros de trabalhar normalmente.

Concordou apenas em manter os idosos em casa, no que denominou “modelo vertical”)

Mais adiante, V. Llosa escreve: (...) “O grande problema que o Uruguai enfrenta é sua fronteira com o Brasil, uma cidade que ambos compartilham, e onde, com o caos brasileiro criado por Jair Bolsonaro, os casos do coronavírus se multiplicam”. (Por que “caos”? Bolsonaro, embora contrário ao confinamento maciço, não conseguiu ser obedecido, nem pelos seus ministros da saúde, nem pelos governadores, nem pelos prefeitos, e sempre foi hostilizado pela imprensa e pelos ministros do STF, este Poder decidindo como se tivesse um Poder duplo, o de julgar e o de administrar o país.

Um pouco mais adiante, Llosa acrescenta o que pensa sobre Lacalle Pou: “Com sua corajosa atitude frente ao flagelo que se abate sobre o mundo, ele poderá poupar ao Uruguai boa parte da catástrofe econômica que se abaterá sobre os países cujos governos, apavorados pela pandemia, e a perda de popularidade, se apressaram a fechar fábricas e lojas e a impor um confinamento extremamente severo, ou a anunciar aumentos de impostos e estatizações, sem pensar que tudo isso contribuirá para agravar a tragédia econômica, uma das heranças da praga e a mais difícil de sanar” (Igualzinho ao que Bolsonaro sempre disse nos seus pronunciamentos).

Quem vive longe de um país que raramente visita — é o caso de Vargas Lhosa, distante muitos anos depois de escrever “A guerra do fim do mundo” —, forma sua opinião política com base no que lê nos melhores jornais, impressos na sua própria língua nativa e em outras faladas no mundo culto.

Os três melhores jornais brasileiros que mais escrevem sobre Bolsonaro e o Coronavírus são, certamente, o Estadão, a Folha de S. Paulo e “O Globo”. Correspondem, profeticamente, aos três jornais mencionados por Napoleão na epígrafe deste artigo. Causam medo em qualquer chefe de governo, porque doutrinando os leitores e evitando publicar opiniões contrárias, criam uma unanimidade artificial. Não fossem discordâncias da redes sociais, Bolsonaro já estaria em casa, ou na cadeia.

Acontece que tanto a diretoria de tais jornais brasoleiros quanto os jornalistas que nela trabalham estão, há meses, ressentidos com estilo aguerrido, pesado, de Bolsonaro, que se defende atacando. Melindrados, esses três jornais se uniram para dar “uma lição” no presidente, sempre o hostilizando, deturpando suas intenções. Como Bolsonaro não tem formação livresca, está longe de ser um erudito e fala conforme pensa e sente, essa franqueza ofende repórteres que se acham no direito de revidar e castigar, em entrevistas e outros contatos, só fazendo perguntas cuja resposta possa diminuir o entrevistado. 

Não me lembro de ter lido, em entrevistas recentes do presidente, o entrevistador fazendo perguntas amenas. Outras figuras políticas, quando ouvidas, são melhor tratadas. Com Bolsonaro é só pergunta hostil, desagradável, querendo prejudicar o entrevistado com minúcias e eventuais vexames envolvendo parentes, o cônjuge ou empregados. Até parece que o repórter já veio orientado para não fazer qualquer pergunta cuja resposta possa melhorar a imagem de quem responde.

Um tema especialmente presente quando se entrevista Jair Bolsonaro é pinçar atos ou frases proferidas por seus filhos, como se o presidente fosse obrigado a calar a boca de três homens adultos, exercendo função pública. Seus filhos são políticos legitimamente eleitos. Como tais, podem emitir suas opiniões, sem ter que antes consultar o pai. Um é vereador, outro é deputado estadual e o mais novo é senador. Tendo jurado, como parlamentares, cumprir as leis e lutar livremente pelo que pensam, não é exigível — nem mesmo tecnicamente —, que os três fiquem impossibilitados de dar opinião em assuntos políticos que de alguma formam se relacionem com o pai. Que cada filho responda por seus atos. Se o presidente decidir admoestar o filho, em particular, que o faça, mas seria demais obrigá-lo a convocar a imprensa para presenciar o “carão”. O filho, senador, deputado, ou vereador, ficaria desmoralizado, e seu eleitor logo pensaria: — “Como votei nesse idiota novato, nesse sangue de barata que leva pito do pai, em público, como se fosse um menino”?

Outra coisa que aumenta a má-informação dos países europeus sobre a atual presidência, no Brasil, é a permissão de Dilma, Lula e amigos poderem sair pelo mundo fazendo palestras e dando entrevistas desancando o presidente que os derrotou nas urnas. Sem um contraditório, a plateia estrangeira engole qualquer versão. 

Com voos e estadias pagas pelo governo brasileiro, acompanhados de inúmeros assessores, esse pessoal molda a “realidade” conforme seu gosto e rancor. A audiência estrangeira, não sabendo o que realmente ocorre no Brasil, talvez tente, depois, um ou outro, se informar um pouco mais, na mídia de seu próprio país.

Lendo, porém, nos jornais, as transcrições dos piores momentos e palavrões proferidos em reunião privada governamental — em momentos de desabafo —, fica horrorizada com o que ouve e conclui que “esse presidente brasileiro é mesmo “um monstro ignorante, um ‘caos’, devendo ser logo expulso da função”.

Por sua vez, a imprensa brasileira, lendo tais opiniões estrangeiras apressa-se a difundir aqui esse mau juízo estrangeiro que é o mero resultado da própria campanha brasileira de desmoralização de um presidente que tem alguns defeitos sérios de comunicação verbal mas ainda não decepcionou seus eleitores na intenção de estancar roubalheira no país.

Os eleitores de Bolsonaro, de primeira hora, continuam pensando: — Entre um presidente “grosso, mas honesto” e outro “fino, culto”, mas inconfiável, ainda fico com o primeiro”.

Jornais certamente não gostarão deste artigo. Lamento, mas é minha opinião. Sou ainda assinante das duas versões do Estadão, em papel e on-line; e da Folha e de O Globo, apenas on-line. Do Estadão, gosto da página 2 — apesar dos ataques diários ao Bolsonaro —, dos cronistas, menos um, e do erudito “Aliás” aos domingos (no momento enxutos demais). Espero que a isenção volte a prevalecer no futuro próximo, mantendo a velha tradição dos Mesquita.

Poderíamos continuar, mas quem aguentaria ler mais parágrafos?

(12/06/2020)