segunda-feira, 1 de agosto de 2022

Elon Musk, his Project Mars and the reversible human freezing, in the conquest of space

 

Foto divulgação 

I state my conviction that Musk will achieve the aforementioned statement if he applies a thousandth of his wealth and a fraction of his determination, already proven in the manufacture and sales of the electric car (TESLA); in reusable space rockets (Space X); in the colonization of Mars and everything else Musk is involved in, as on his biography, written by Ashlee Vance, demonstrates: — “ Elon Musk: How the billionaire CEO of Space X and Tesla is shaping our …”. Please read, in the present text, my justification for this prediction.

To praise a billionaire is always suspect. I am not exempt from this suspicion, because I have a personal interest in Cryonics. For those unfamiliar, Cryogenics is the branch of science that studies the effect of intense cold on matter, either live or dead. Cryonics is specific. It means the use of Cryogenics on human beings suffering from an incurable disease - or very attached to life – and would like to freeze indefinitely until the medicine of the future can find a cure their disease, or increase their longevity and mental capacity. This is because it is impossible to predict the advancements in the fields of science and technology in forthcoming years. Even more impossible is to imagine what the Earth will be like two hundred years from now, a tic in the history of humanity. Stem cells will certainly rebuild important organs, refraining from transplants and its inherent rejection issues.

I wrote a novel, “ Cryonics ” in 2005, without advertising and distribution of the printed book — I was in a hurry, kind of old — emphasizing that humanity would take a huge leap into the future if it could achieve the technical feat of freezing a person, practically “ killing her”, to “wake her up” years later.  ki

When I was writing that book, I thought only of people with incurable diseases who after being thawed would be cured by the medicine of the future. Freezing is easy. Unfreezing — alive and well — is the problem. Cancer was my main concern. I have not thought about the colonization of Mars because back in 2005 this hypothesis seemed unthinkable. Only marginally did I consider the use of freezing for very remote space travel.

Few, I imagine approved of the “dismal” main theme of my novel, invoking religious reasons: — “It's ridiculous! So the soul is also frozen and then returns to the body!? How to freeze something immaterial?!” — or worried about overpopulation. There was, as there still is, a kind of taboo in the mere hypothesis, apparently impossible and grotesque. In addition, there was the fact that until now it had not been possible to thaw alive, a human being — or any dead mammal—after days, let alone after months or years. I recently read news that some frogs and insects in arctic regions come back to life in spring. Check it out, because there is a lot of difference between a man and an insect.

The idea of Cryogenics applied to humans — still dormant, discouraged, but not completely forgotten, because some great scientist , or “visionary” entrepreneur, with imagination, stubbornness, courage — and enough money — has not yet emerged capable of unfreezing, alive, a human being.

I have never accepted the doctor's passivity when he realizes that the patient's heart has stopped beating. It is true that some years ago, there has been a modest micro “resuscitator” similar to an iron —, which, at times, manages by means of a violent shock, to bring back to life a person who has just died. There was — pardon the black humor — a temporary “death” of seconds. But if the defibrillator had not been there, his death would have been final.

Reading, in e-book, the aforementioned biography of Elon Musk, I was excited about the possibility of Rusk getting involved in Cryonics because extraplanetary travel, even limited to the solar system — Mars, Venus, Moon and, who knows, other celestial bodies — , depend on the normal lifespan of astronauts, human beings, of limited physical and psychological resistance for long confinements. “Sleeping” frozen, they would be able to mentally endure a waiting span of months and perhaps years in long space travels, driven by solar or atomic energy.

One will object that Elon Musk has so far only been interested in other subjects: physics, mechanics, robotics, the internet, cars, rockets, finance ( PayPal ), astronomy, administrative innovations and business challenges, there is no reason to expect him to get involved in a subject so different, biological, “medical”, as is the case with Cryonics .

It turns out that Musk, fortunately — for all of us — likes to try the very thing that has not been tried yet. He was born that way, as his biographer shows. If he fails, once, twice, or more, in some experiments his obstinacy increases even further. His first Falcon rockets failed. Instead of giving up, as would be deemed “normal”, he redoubled his efforts. Suffice to mention here — proving the success of his persistence — that his Big Falcon Rocket is 68.3 meters high and weighs hundreds of tons, according to the book. How can one manage to build a maneuverable rocket with such weight? Airplanes have wings, which support themselves in the air. Rockets do not have wings, they only rely on their own explosions. And how to design them to land in the right place? After the space flight, the rocket returns to Earth and lands vertically on a floating platform; at sea, or on the original launch pad. In the final part of the book, already mentioned, there is a photo of one of its rockets that show the technological gigantism of this “Hawk” that weighs “almost 500 tons”, in the author's words.

Who supervises, personally and in detail, a work of this magnitude? Musk himself. This fellow is, of course, a “visionary”, and  mankind advances faster because of visionaries who, when also courageous, accept tremendous personal risks with trial, error and success. Being “visionary” just imagining or writing books is easy. It is very different to actually create artifacts, companies and systems that can take the visionary to prison, death, bankruptcy or misery. If it were not for Johannes Gutenberg, who designed and built the first printing press to incorporate movable type and mechanized inking — considered the most important invention of the second millennium — books would still be hand-made, one by one. Civilization owes him a lot.

If Elon Musk manages to unfreeze someone, to its previous form, he will also enter the history of human progress. There is nothing more innovative, “revolutionary” than that. It will affect, unintentionally, even religions since the “resurrected” will be able to tell what he “saw” the other side. A much more remarkable feat than making super-powerful and controllable rockets in their flight and landing. Rockets existed before him, but much inferior. Robert Goddard, American who died in 1945, was the father of rockets. And let's not forget Werner von Braun a German, whose unique talent was used by Nazis and Americans. They were mere flying bombs.

In addition to the aforementioned accomplishments, Musk is the founder and CEO of Neuralink, which studies the human brain. Ultimately, it is the brain the main problem in Cryonics. An unfrozen brain, or inadequately thawed, becomes useless in a few minutes, hence the option of some eccentrics to just freeze their own head because it is cheaper. Nothing for Musk is uninteresting if it has any practical use, now or in the future. When a difficulty arises, he becomes obsessed, brooding over the problem until he finds a solution.

Precocious geniuses but the one that impressed me the most was that of Elon Musk, because his curiosity is boundless and requires knowledge of subjects that didn't even exist decades ago, available to previous geniuses. His biography is similar to that of Thomas Edison, a autodidact genius who did not just invent the electric light bulb. He registered more than a thousand patents and had as his motto not to give up. This is also the philosophy of Musk, who never gave up despite almost going bankrupt several times.

If the reader feels I am exaggerating, please read his biography, mentioned in the beginning of this article. His biographer has spent a couple of years researching Musk's life and he does not seem to be a billionaire's kiss-ass and not always in agreement with his subject's line of thinking. The book, for the average reader — who knows little about engines — could be less detailed about mechanical and financial problems, but it may be of interest to mechanical engineers and young entrepreneurs of startups, electric vehicles and rockets. And when I say rockets, I remember that they carry spy, communication and weather satellites.

Of course, as of this date — July 2022 — the possibility of the total extinction of the human species is very remote. Even in the event of a dreadful nuclear conflict, perhaps  triggered by an accidentally fired missile — the “immediate strike” — involving the US, Russia, Ukraine, the European Union, China, and the remaining countries, it is clear that the human species will not disappear instantly. It will only go back to an almost savage condition, perhaps gradually disappearing from a widespread radiation.

Danger of sudden death could occur if Earth is struck by a huge meteor, or asteroid, if not destroyed before it reaches our planet. Or in case of malfunction of the sun itself. With no time to prepare an escape of a few hundred humans to Mars, the human species could in fact disappear. This is a cause of concern to the controversial inventor, summarized here. However, if he gathers and heads some twenty or thirty brilliant minds on the planet – ­­ physicists, chemists, doctors of various specialties – with exclusive dedication, I am sure they will be able, without much delay, to freeze and thaw, in the right way, any human being. Surely this feat will be less complicated and expensive than colonizing Mars. It will also be necessary, of course, to change the legislation in the definition of “death” and the freedom of the person to decide what to do with his own body and life.

To reiterate, Elon Musk is a gifted visionary, with a peculiar tendency to accomplish what to everyone seems impossible, or too far away. Reading his biography I was reminded of Thomas A. Edison, who attended public school for only three months, but being very naughty, was frowned upon by the teacher. He preferred to drop out and was educated by his mother. He became famous for having invented the electric light bulb and, according to him to have carried out 1,200 experiments to discover a filament, a conductor of electricity, which would not burn easily with a resistance to the passage of electricity, emitting light. He registered 1,033 patents. As a boy, he kept inventing incessantly.

The same phenomenon of precocity occurred with Elon Rusk , who, seeing something “stuck”, malfunctioning, immediately began to imagine a solution to give it speed and functionality. Knowing that the gasoline-powered car is polluting, he decided to manufacture the electric car intending over time to democratize its use. For this one, it needed special batteries and distribution across the country. He invented and continued to improve them. One invention led to another and as he mastered physics and the internet, finance and sales techniques, he managed to create Tesla, the largest electric car manufacturer in the world.

I will not proceed with its accomplishments. Read his biography and if you are still interested in freezing people, read my novel, in e-book: “ Cryonics ”, subtitled “the first Brazilian novel about human freezing”. It is available on Amazon.com

Please do not mix Cryonics with any religion, thinking that this technique — if successful — will defy “divine designs”. On the contrary. I imagine that God wants human beings to live happy and healthy lives, not to die “before time”. That is why there are the Holy Houses of Mercy. Believers, seriously ill, or injured, or their families, pray — with the support of priests — even asking for miracles. Is penicillin a bad thing, an invention of the devil? If the Pope were sick, on the verge of death, would it be an offense against God to pray for his healing? If that were the case, all Medicine would be cursed, for pretending to “compete” with the power of God.

There is no reason to reject Cryonics , if it gets too far advanced, allowing eccentric millionaires — with successive freezing and using stem cells — to live 120, 150, or more years, forming a dictatorial “elite” dominating enraged masses with so much inequality. Even if the medicine of the future manages to manipulate stem cells creating new neurons, youthful skin, and other restorations, it is presumable that future scientists and governments will have enough sense not to use Cryonics as a Frankenstein factory. It will just be a new therapy, not the pursuit of physical immortality—a bad idea for an already overcrowded planet.

Today, it is not just cancer that frightens humanity. The increase in longevity is no longer so rewarding. Alzheimer's disease sours the joy of living long. What is the point of reaching 90 or 100 years if the person is half-blind, deaf, amnesiac, unable to handle a cell phone or recognize family members?

A few special innovative talents could add two or three decades of lucidity. They would hasten the advance of civilization. Men like Einstein, Edison, and several others scientists would deserve this privilege, not for the enjoyment of idleness, but for the sake of productivity and the good of humanity.

Trees that bear beautiful fruit for a longer period deserve better care from the farmer. I do not know what is Elon Musk’s though on this.

Attention: I wrote this article in Portuguese and then tried to translate it with the help of Google Translate, because my knowledge of English is limited. The translation was instantaneous and practically perfect, like "guessing" what's in my head. I don't know how a "machine" can translate so quickly and intelligently. I only changed the version in those details where my style was really a bit confusing. Congratulations, therefore, to Google.

To contact the author please use the following e-mail,
oripec@terra.com.br 

Francisco Cesar Pinheiro Rodrigues
retired judge

Discover my books: click here - Amazon.com

sexta-feira, 22 de julho de 2022

Elon Musk, seu Projeto Marte e o congelamento humano reversível, na conquista espacial

 


Foto divulgação

Adianto minha convicção de que Musk conseguirá isso se aplicar um milésimo de sua riqueza e alguma fração da sua determinação, já comprovada na fabricação e difusão do carro elétrico (TESLA); nos foguetes espaciais reaproveitáveis (Space X); na colonização de Marte e tudo o mais em que Musk se envolve, como demonstra sua biografia, escrita por Ashlee Vance: — “Elon Musk: Como o CEO bilionário da Space X e da Tesla está moldando o noss...”. Leiam, no presente texto, minha justificação para esta previsão.

Elogiar um bilionário é sempre suspeito. Não estou isento dessa suspeição, porque tenho interesse pessoal pela Criônica. Para quem não sabe, Criogenia é o ramo da ciência que estuda o efeito do frio intenso na matéria, seja ela viva ou morta. Criônica é mais específica. Significa a utilização da Criogenia em seres humanos que, com doença incurável — ou muito apegados à vida — gostariam de se congelar por tempo indeterminado até que a medicina do futuro possa curar sua doença, ou melhorar sua longevidade ou capacidade física e mental. Isso porque é impossível prever o quanto a ciência e a técnica podem nos beneficiar nos próximos anos. Mais impossível ainda é imaginar como estará a Terra daqui a duzentos anos, um tico na história da humanidade. Células-tronco reconstruirão, certamente, órgãos importantes, dispensando transplantes, que provocam rejeição.

Escrevi um romance, “Criônica”, em 2005, sem propaganda e distribuição do livro impresso — eu estava com pressa, meio velho —enfatizando que a humanidade daria um imenso salto para o futuro se conseguisse a façanha técnica de congelar uma pessoa, praticamente “matando-a”, para “acordá-la” anos depois.

Eu pensava, quando redigia esse livro, somente nas pessoas com doenças incuráveis que, após serem descongeladas seriam sanadas pela medicina do futuro. Congelar é fácil. Descongelar — vivo e bem —, é que é o problema. O câncer era minha principal preocupação. Não pensava na colonização de Marte porque em 2005 essa hipótese parecia impensável. Apenas marginalmente eu levava em consideração a utilização do congelamento para remotíssimas viagens espaciais.

Poucos, imagino, aprovaram o “lúgubre” tema central do meu romance, invocando razões religiosas: — “É ridículo! Então a alma fica também congelada e depois retorna ao corpo!? Como congelar algo imaterial?!” —, ou preocupados com o excesso populacional. Havia, como ainda há, uma espécie de tabu na mera hipótese, aparentemente impossível e grotesca. Além disso, havia o fato concreto de que até agora não foi possível descongelar, vivo, um ser humano — ou qualquer mamífero morto —, depois de dias, quanto mais após meses ou anos. Recentemente li notícias de que alguns sapos e insetos, em regiões árticas, retornam à vida com a primavera. A conferir, porque há muita diferença entre um homem e um inseto.

A ideia da Criogenia aplicada em humanos — ainda dormita, desanimada, mas não totalmente esquecida, porque não surgiu ainda um grande cientista, ou empresário “visionário”, com imaginação, teimosia, coragem — e dinheiro suficiente —, capaz de descongelar, vivo, um ser humano.

Sempre me impressionou mal, em filmes, a passividade resignada dos médicos quando constatam que o coração do seu paciente, fisicamente inteiro, talvez ainda moço, deitado à sua frente no hospital — rodeado de tecnologias —, parou de bater. É certo que de uns anos para cá já existe um modesto micro “ressuscitador”  parecido com um ferro de passar roupa —, que consegue, às vezes, com violento choque, trazer de volta à vida um cidadão que acabou de morrer. Houve — com perdão pelo humor negro —, uma “mortinha” provisória de segundos. Mas, não houvesse ali o desfibrilador, sua morte teria sido definitiva.

Lendo, em e-book, a já mencionada biografia de Elon Musk fiquei entusiasmado com a possibilidade do biografado se interessar pela Criônica porque as viagens extraplanetárias, mesmo limitadas ao sistema solar — Marte, Vênus, Lua e, quem sabe, outros corpos celestes —, dependem do tempo de vida normal dos astronautas, seres humanos, de limitada resistência física e psicológica para longos confinamentos. “Dormindo”, congelados, poderão suportar mentalmente esperas de meses e talvez de anos em longas viagens espaciais, impulsionadas pela energia solar ou atômica.

Alguém objetará que Elon Musk até agora só se interessou por outros assuntos: física, mecânica, robótica, internet, carros, foguetes, finanças (PayPal) astronomia, inovações administrativas e desafios empresariais, não havendo por que esperar que ele se envolva em um assunto tão diferente, biológico, “médico”, como é o caso da Criônica.

Ocorre que Musk, felizmente — para todos nós —, gosta de tentar justamente o que não foi ainda tentado. Nasceu assim, como mostra seu biógrafo. Se falha, uma, duas ou mais vezes, em algumas experiências, isso só aumenta sua obstinação. Seus primeiros foguetes Falcon fracassaram. Em vez de desistir, como seria o “normal”, redobrou o esforço. Basta mencionar aqui — comprovando o sucesso de sua persistência —, que seu Big Falcon Rocket tem 68,3 metros de altura e pesa centenas de toneladas, segundo informa o livro mencionado. Como conseguiu construir um foguete manobrável com tamanho peso? Aviões têm asas, que se apoiam no ar. Foguetes não têm asas, apoiam-se apenas nas próprias explosões. E como projetá-los para aterrissar lugar certo?  Após o voo espacial o foguete volta à Terra e pousa, verticalmente, numa plataforma flutuante; no mar, ou na plataforma de lançamento original. Na parte final do livro, já mencionado, há foto de um dos seus foguetes que mostram o gigantismo tecnológico desse “Falcão” que pesa “quase 500 toneladas”, nas palavras do autor.

Quem supervisiona, pessoal e detalhadamente, obra desse porte? O próprio Musk. Esse camarada é, claro, um “visionário”, mas a humanidade avança, mais depressa por causa dos visionários que, quando também corajosos, aceitam tremendos riscos pessoais com tentativas, erros e acertos. Ser “visionário” apenas imaginando, discursando ou escrevendo livros é fácil. Muito diferente é criar concretamente artefatos, empresas e sistemas que podem levar o visionário à prisão, à morte, à falência ou à miséria. Não fosse Joannes Gutenberg, criando a impressão com tipos móveis — invenção considerada a mais importante do segundo milênio —, os livros continuariam fabricados à mão, um por um. A civilização deve muito a ele.

Se Elon Musk conseguir descongelar alguém, do jeito que estava antes, também ingressará na história do progresso humano. Não há nada mais inovador, “revolucionário”, do que isso. Afetará, sem querer, até as religiões porque o “ressuscitado” poderá contar o que “viu” do outro lado. Feito mais notável que fabricar foguetes superpoderosos e controláveis no seu voo e pouso. Foguetes já existiam antes dele, mas muito inferiores. Robert Goddard, americano, falecido em 1945, foi o pai dos foguetes. E não nos esqueçamos de Werner von Braun, alemão, cujo talento ímpar foi utilizado por nazistas e americanos. Eram meras bombas voadoras.

Além dos feitos acima mencionados Musk é o fundador e CEO da Neuralink, que estuda o cérebro humano. Em última análise, é o cérebro o principal problema da Criônica. Um cérebro não congelado, ou descongelado inadequadamente, inutiliza-se em poucos minutos, daí a opção de alguns excêntricos de só congelar a própria cabeça por ser mais barato. Nada, para Musk, é desinteressante se tiver alguma utilidade prática, agora ou futuramente. Quando surge uma dificuldade ele fica como que obcecado, remoendo o problema até encontrar uma solução.

Já li algumas biografias de gênios precoces mas a que mais me impressionou foi a de Elon Musk, porque é sem limites a sua curiosidade e exige conhecimentos de assuntos que nem sequer existiam décadas atrás, disponíveis para gênios anteriores. Sua biografia tem semelhança com a de Thomas Edison, gênio autodidata que não inventou apenas a lâmpada elétrica. Registrou mais de mil patentes e tinha como lema não desistir. Essa é também a filosofia de Musk, que nunca se deu por vencido apesar de quase falir várias vezes.

Se o leitor está pensando que exagero, leia, por favor a biografia dele, mencionada no início deste artigo. Seu biógrafo gastou alguns anos pesquisando a vida de Musk e não parece ser um puxa-saco do bilionário. Nem sempre concorda com o pensamento de seu biografado. O livro, para o leitor comum — que pouco sabe de motores —, poderia ser menos detalhado sobre problemas mecânicos e financeiros mas podem interessar a engenheiros-mecânicos e jovens criadores de startups, veículos elétricos e foguetes. E quando digo foguetes lembro que eles transportam satélites espiões, de comunicação e meteorológicos.

É claro que, neste momento — julho de 2022 — a possibilidade de total extinção da espécie humana, é remotíssima. Mesmo que ocorra um pavoroso conflito nuclear, talvez iniciado com um míssil disparado acidentalmente — o “revide imediato” —, envolvendo EUA, Rússia, Ucrânia, União Europeia, China, e o resto, é claro que a espécie humana não desaparecerá instantaneamente. Apenas retrocederá a um estado quase selvagem, talvez desaparecendo aos poucos, vítima da radiação generalizada.

Perigo de súbito morticínio poderá ocorrer se a Terra for atingida por um enorme meteoro, ou asteroide, incapaz de ser fragmentado antes atingir nosso planeta. Ou no caso de uma anomalia no funcionamento do sol. Sem tempo para preparar uma fuga de algumas centenas de humanos para Marte, a espécie humana poderia, de fato, desaparecer. E isso preocupa o polêmico inventor, aqui resumido. Mas se ele reunir e chefiar umas vinte ou trinta melhores cabeças do planeta — físicos, químicos, médicos de várias especialidades —, com dedicação exclusiva, tenho a certeza de que conseguirão, sem grande demora, congelar e descongelar, do jeito certo, qualquer ser humano. Certamente essa façanha será menos complicada e cara que colonizar Marte.  Será preciso, também, alterar a legislação sobre a definição de “morte” e a liberdade da pessoa para decidir o que fazer com a própria vida.

Reiterando, Elon Musk é um visionário superdotado, com a peculiar tendência de realizar o que a todos parece impossível, ou distante demais. Lendo a sua biografia lembrei-me de Thomas A. Edison, que frequentou a escola pública apenas durante três meses, mas sendo muito impertinente, era malvisto pelo professor. Preferiu sair e foi educado pela mãe. Ficou famoso por inventar a lâmpada elétrica e, segundo disse, fez 1.200 experiências para descobrir um filamento, condutor da eletricidade, que não se queimasse facilmente resistindo à passagem da eletricidade, emitindo luz. Ele registrou 1.033 patentes. Ainda menino, já inventava incessantemente.

O mesmo fenômeno de precocidade ocorreu com Elon Rusk que, vendo qualquer coisa “emperrada”, funcionando mal, logo se punha a imaginar uma solução para lhe dar rapidez e funcionalidade. Sabendo que o carro movido a gasolina é poluidor, resolveu fabricar o carro elétrico, pretendendo, com o tempo, democratizar sua utilização. Para esta, precisava de baterias especiais e sua distribuição pelo país. Inventava-as e continuava aperfeiçoando-as. Uma invenção puxava outra e como conhecia tanto a Física quanto a internet, as finanças e técnicas de venda, conseguiu criar a Tesla, a maior fabricante de automóveis elétricos do mundo.

Não vou, aqui, prosseguir com suas realizações. Leiam a biografia mencionada e, se ainda interessados no congelamento de pessoas, leiam meu romance, em e-book, “Criônica”, com o subtítulo “o primeiro romance brasileiro sobre o congelamento humano”. Está disponível na Amazon, também em inglês, “Cryonics”.

Por favor, não misturem a Criônica com qualquer religião, pensando que essa técnica — se bem-sucedida —, afrontará “desígnios divinos”. Pelo contrário, imagino que Deus quer que os seres humanos vivam felizes e sadios, não morrendo “antes do tempo”. Por isso existem as Santas Casas de Misericórdia. Crentes, gravemente doentes, ou acidentados, ou seus familiares, rezam — com apoio de sacerdotes — pedindo até milagres. A penicilina será, por acaso, algo mau, uma invenção do diabo? Se o Papa estiver enfermo, à beira da morte, será ofensa à Deus rezar pela sua cura? Se assim fosse toda a Medicina seria maldita, por pretender “concorrer” com o poder de Deus.

Não há por que rejeitar a Criônica, se ela ficar muito adiantada, possibilitando que milionários excêntricos —, com sucessivos congelamentos e utilização de células-tronco —, vivam 120, 150, ou mais anos, formando uma “elite” ditatorial dominando massas enraivecidas com tanta desigualdade. Mesmo que a medicina do futuro consiga manipular as células-tronco criando novos neurônios, pele de jovem, e outras restaurações, é de se presumir que futuros cientistas e governos tenham juízo suficiente para não utilizar a Criônica como uma fábrica de Frankenstein. Ela será apenas uma nova terapia, não a busca da imortalidade física — uma péssima ideia para um planeta já com excesso de gente.

Atualmente, não é só o câncer que amedronta a humanidade. O aumento da longevidade já não é tão compensador. O Mal de Alzheimer azeda a alegria de viver muito. Além da decadência física, a mental. O que adianta chegar aos 90 ou 100 anos se a pessoa está meio cega, surda, amnésica, incapaz de lidar com um celular ou reconhecer os familiares?

Alguns talentos especiais, porém, inovadores, poderiam aumentar duas ou três décadas de lucidez. Apressariam o avanço da civilização. Tipos como Einstein, Edison, e vários outros, mereceriam esse privilégio, não para gozo da ociosidade, mas pela produtividade e bem da humanidade.

Arvores que dão belos frutos, por mais tempo, merecem melhor cuidado do agricultor. Não sei qual a opinião de Elon Musk a respeito.

Para um contato com o autor, prefiro o e-mail

Francisco Cesar Pinheiro Rodrigues
Desembargador aposentado
oripec@terra.com.br

Conheça meus livros: click aqui - Amazon.com 

(22/07/22)  

segunda-feira, 20 de junho de 2022

Bolsonaro, fazendo isso, poderá ser reeleito.

                                                                                                                                           Foto divulgação

 — “Isso o quê? Perguntarão.  Digo: permitir — pelas vias legais —, que as pessoas que recebem Bolsa Família e/ou Auxílio Brasil, possam continuar recebendo tais benefícios mesmo que consigam trabalho com carteira assinada.

A atual sistemática legal tem muitos inconvenientes: desestimula o necessitado a procurar um emprego porque, conseguindo-o, perde um ganho certo, governamental. Prudentemente, não trocará o certo pelo duvidoso. Seu patrão também vive rodeado de incertezas. Milhares de empresas fecharam suas portas por causa da pandemia, e a situação mundial ainda é vacilante.  Novamente desempregado, o trabalhador teria que pleitear novamente a ajuda governamental, sem a certeza da sua concessão com urgência. Há em tudo uma burocracia. Um incentivo à ociosidade. Para não morrer de fome, terá que ou mendigar, ou ingressar na criminalidade ou na prostituição.

Outro inconveniente, agora político, da atual legislação: o pobre, vivendo somente com as modestas quantias das “bolsas” torna-se completamente dependente do governo de plantão. para poder viver, juntamente com sua família. Torna-se eleitor forçado, porque sem dinheiro ninguém vive. Quem sabe — pensa o infeliz —, mudando o governo na próxima eleição, o sucessor não manterá o auxílio, ou diminuirá a quantia mensal.

Acredito que a maioria das pessoas que recebem o Auxílio Brasil gostariam de poder melhorar de vida, trabalhando de fronte erguida, sem medo, como se fosse um infrator, um criminoso “proibido de trabalhar”. Somando os dois ganhos — o auxílio e o salário — poderiam ingressar mais depressa na classe média. Estudando e trabalhando sem medo, na legalidade. Em troca, o governo federal, a cada dois anos, revisaria a necessidade, ou não, de manter, diminuir ou aumentar o valor do auxílio, conforme a situação econômica do país. O leitor pode confiar que a soma do trabalho honesto mais o auxílio governamental não vai enriquecer ninguém. São quantias insignificantes, mesmo somadas.

Espero que esta sugestão chegue aos ouvidos do atual governo federal.

Francisco Cesar Pinheiro Rodrigues
Desembargador aposentado
oripec@terra.com.br

Conheça meus livros: Click aqui - Amazon.com

sexta-feira, 17 de junho de 2022

Duas médicas que merecem retratação

 

                                                                                                                                  Foto divulgação 

Está no Twitter:

“O brasileiro odeia arrogância e grosseria contra mulher. Na CPI da Covid-19 as médicas Mayra Pinheiro e N. Yamaguchi foram hostilizadas por três senadores.
O povo não os perdoará no voto. Se Cristo não tivesse sido crucificado, talvez inexistisse o Cristianismo. Seria grande filósofo”


Explico o significado de minha resumidíssima e inusual “tuitada” — falando até em Jesus Cristo —, sobre a grosseria na CPI da Covide-19 e sua provável consequência político-eleitoral para três torturadores e duas vítimas. Cerca de um ano depois da opressiva Comissão Parlamentar de Inquérito parece-me comprovado que a brutalidade — mesmo quando apenas verbal —, não é esquecida pelo povo, milhões, que assistiam, na televisão, às agressivas e desrespeitosas inquirições contra duas médicas, Mayra Pinheiro e Nise Yamaguchi. Elas que não tinham como revidar às ofensas e ameaças porque poderiam ser presas no ato se insistissem no mero direito de dar explicações completas sobre o que lhes era perguntado.

 O senador relator, pouco interessado em saber a verdade, cortava a fala das depoentes quando o que ouvia poderia atrapalhar sua única intenção: prejudicar o presidente da república. Para isso, tratava as médicas como se fossem criminosas e mentirosas. E isso certamente não saiu da lembrança de milhões de ouvintes eleitores.

Em assuntos políticos os espectadores decidem mais com o sentimento, com impulsos — simpatia ou aversão — do que com análises complicadas sobre economia, legislação, etc., e, insisto, não esquecem na hora de votar, meses ou anos depois. Em consequência, se as duas referidas médicas quiserem se candidatar, como deputadas ou senadoras, terão mais chances de se elegerem do que os seus “carrascos” verbais, de se reelegerem. Aguardemos a próxima eleição para conferir. Será necessário, porém, que o eleitorado saiba que as médicas são candidatas. Se forem republicados os momentos de humilhação é previsível  que serão eleitas por suas biografias, com ajuda involuntária e trapalhona de três senadores funcionando como cabos eleitorais das médicas.

 Agora, em junho de 2022, constatamos — lendo as pesquisas de intenção de voto para a eleição presidencial de outubro deste ano — que o comportamento agressivo e/ou arrogante na pandemia pode ter sido um tiro pela culatra. Dou dois exemplos: João Dória e Simone Tebet, ambos inteligentes, enérgicos e sem acusações de desonestidade. No entanto, uma certa arrogância natural — ou desprezo ostensivo — parece tê-los prejudicado no gosto popular, porque nas recentes pesquisas de intenção de voto a cotação dos dois políticos era baixíssima, um ou dois por certo.  

Dois meses atrás previ — e disse a algumas pessoas —, que Dória seria o futuro presidente da república por causa de sua luta incansável e agressiva em favor da vacinação em massa durante a pandemia. Não porque eu pretendesse votar nele, apenas constatava um fato. Almoçando e assistindo diariamente, na televisão, à Band News, a partir do meio-dia, era impossível não perceber a orgulhosa autoconfiança, energia e belicosidade de um Dória ambicioso, tenaz e inteligente. Eu não votaria nele porque minha opinião era a de que sua política de “todos trancados” estava errada no médio e longo prazo. Achava que os mais moços, trabalhando normalmente, desenvolveriam imunidade natural e continuariam produzindo, criando uma riqueza que agora nos falta após longo tempo de inércia forçada por um governador. Quanto aos idosos poderiam ficar isolados se assim concordassem. Eu acreditava que a imunidade natural é superior à vacinal porque esta última “enfrenta” adversários biológicos já muito enfraquecidos ou mesmo artificiais, “produtos” de laboratório. Bolsonaro, por exemplo, que nunca tomou vacina contra o coronavírus — bem mais velho que Dória e ainda sofrendo consequência das facadas — , não está em situação física pior do que o ex-governador que recebeu inúmeras vacinas e voltou a ser infectado. Cito aqui Bolsonaro não como proselitismo político, mas ressaltando um exemplo concreto bem conhecido.

Pergunto: o que explica a baixíssima percentagem de Dória na intenção de voto após seu inegável sucesso na antecipação da vacinação, que salvou muitas vidas? Penso que a explicação da ingratidão popular está no seu estilo de falar e governar. Autoconfiante demais, “ditatorial”, “antipático”. Um “detalhe” aparentemente insignificante mas que explica a ingratidão do povão brasileiro afirmando que não votaria nele. E Simone Tebet, na CPI da Covid-19, também foi muito hostil — não tanto quanto o trio condutor da Comissão — quando fazia algumas perguntas no final das inquirições das duas médicas já mencionadas. Tebet deixava claro que considerava ambas eram mentirosas. Penso — talvez erradamente, não sei —, que a má posição da senadora na corrida eleitoral não é apenas fruto do pouco conhecimento de sua pessoa pelo eleitorado. Ela já é bem conhecida pela população. É bem articulada, respeitada e honesta mas imagino que seu pouco apoio popular tem ligação com seu estilo de desprezo no massacre das duas médicas na CPI.

Finalmente, explico por disse, no meu twitter, que “Se Cristo não tivesse sido crucificado, talvez inexistisse o Cristianismo. Seria grande filósofo”.

Jesus Cristo, fundador do Cristianismo, foi, inegavelmente, um profundo e bondoso filósofo — ou o deus-vivo, encarnação divina — conforme a particular convicção de cada um. Depois de uma curta vida — morreu com 33 anos — pregando a bondade, a tolerância, o perdão, o amor, a retidão de vida, foi traído, torpemente julgado, injustamente condenado, coroado com espinhos, chicoteado e pregado numa cruz.  Para “complementar” a maldade contra o fundador do Cristianismo, seus seguidores sofreram horrores, atirados às feras, no Coliseu, sofrendo perseguições e suplícios indescritíveis que ficaram registrados no decorrer da história. Leiam algum livro sobre os mártires do cristianismo para saberem a força de uma convicção.

Parece-me inegável que o sofrimento físico e moral da crucificação de Jesus Cristo, tocou o coração da humanidade, predispondo-a a aceitar, sem reserva, uma nova religião no planeta.  Hoje ela corresponde a cerca de 31,5 %  da população mundial, compreendendo católicos, protestantes e ortodoxos. Pergunto: se Jesus tivesse sido apenas um arguto pensador e pregador, com uma vida tranquila, prestigiado, conferencista — uma espécie de Sócrates, ou Platão, ou Aristóteles —, teria Cristo força para mobilizar o coração de bilhões de pessoas, como foi o caso do cristianismo?  Não teria, com toda certeza. Lendo, por exemplo, Buda e os grandes filósofos antes de Cristo, seus pensamentos e conselhos tinham muita afinidade com a posterior pregação de Jesus. Ocorre que Buda e os filósofos não foram torturados por horas e horas. Sócrates bebeu cicuta, mas seu sofrimento foi minúsculo, se comparado com a longa agonia de Cristo. E todo sofrimento injusto é vingado, de uma forma ou de outra, inclusive na versão eleitoral.

Espero que as duas médicas mencionadas se candidatem, para ver se minha profecia estará correta.

Francisco Cesar Pinheiro Rodrigues
oripec@terra.com.br

Conheça meus livros:
Amazon.com.br

segunda-feira, 13 de junho de 2022

Gotas de Sabedoria



O brasileiro Olavo de Carvalho, recém-falecido, foi um gênio erudito e pensador, odiado e difamado pelas esquerdas. Autodidata, corajoso e desaforado, sua obra precisa ser lida em várias línguas. Não pode ser lido apenas no Brasil. Confiram o que digo, lendo-o.
06.06.2022

************* 

Na disputa entre jornais e a rede social esta última é pouco elegante, mas revela mais sinceramente a opinião do país. O jornalista nem sempre pensa como o dono do jornal. Cumpre ordens. O cidadão comum, na rede social, tem mais chance de ser sincero.
01.06.2022 

                                                                     ************* 

Há diferentes tipos de ditadura. O mais raro é o da magistratura, porque exercido pela sua cúpula, que talvez nem perceba que age ditatorialmente. A abstração do Direito, sem contrariedade, incentiva o autoengano. Daí a necessidade de oposição firme, preferencialmente educada.
30.05.2022

                                                              *************

Ótima a notícia de que Elon Musk pretende comprar o Twitter. A liberdade popular de expressão atualmente vem sendo sufocada nas redes sociais porque seus atuais donos temem ser processados judicialmente. Isso descamba em ditaduras. Musk demonstra independência e coragem.
29.05.2022 

segunda-feira, 30 de maio de 2022

A legalidade constitucional da graça concedida a parlamentares

 Há muita gente opinando, apaixonadamente, pró e contra, a concessão presidencial da graça (Constituição Federal, art.84, inciso XII) a um deputado federal, Daniel Silveira, que, indignado com algumas decisões da última instância brasileira, excedeu-se verbalmente na sua indignação, insultando e ameaçando os ministros que o condenaram a uma pena ilegal – na opinião de muitos juristas –, ignorando a inviolabilidade da expressão parlamentar, prevista na Constituição Federal, artigo 53.

Em brevíssimo lembrete, o deputado indultado foi condenado a cumprir oito anos e nove meses de prisão, pelas ofensas e ameaças, em regime fechado, e outras penas, acessórias, financeiras. Tais acessórios, em torno de meio milhão de reais, relacionam-se, salvo melhor classificação, com omissões ou recusas relacionadas com o funcionamento das tornozeleiras e desobediência. Esteve preso durante cinco meses, depois foi solto, mas em prisão domiciliar, com tornozeleira. Multado, foi proibido de se manifestar nas redes sociais, teve sua conta bancária bloqueada e provavelmente ficará impedido de disputar sua reeleição, em 2 de outubro de 2022 porque um ministro da Corte – individualmente ofendido pelo parlamentar —, conduzirá o Tribunal Eleitoral a partir de agosto de 2022.

 O Presidente da República, simpatizante da posição política do referido deputado, ao saber da decisão do STF imediatamente lhe concedeu a graça – também chamada de indulto individual –, prevista no artigo 84, inciso XII, da Constituição Federal. Note-se que a graça existe no ordenamento jurídico do Brasil desde a constituição de 1824.

 Tal concessão recebeu violentas críticas e apoios, com opiniões extraídas mais do “fígado” do que do significado jurídico e filosófico desse tipo de extinção de punibilidade mencionada na Constituição Federal Brasileira. A graça existe também em 29 países, conforme impressionante e trabalhoso texto do Dr. Rodrigo de Oliveira Ribeiro – “O INDULTO PRESIDENCIAL: ORIGENS, EVOLUÇÃO E PERSPECTIVAS”, publicado em 2015 na Revista Brasileira de Ciências Criminais 2015 RBCCRIM VOL. 117. Bem antes da graça aqui discutida.

 Referido pesquisador salienta que “Em países como Canadá, Estados Unidos e Suécia, o perdão pode ocorrer antes do trânsito em julgado, ou mesmo antes da denúncia, sendo possível antes de qualquer investigação. Um caso histórico de clemência foi o do presidente Gerald Ford que perdoou Richard Nixon, antes de qualquer acusação ter sido apresentada”.

Não deixe, leitor, de ler, na parte final deste artigo, a relação dos 29 países – a maior parte do primeiro mundo –, comprovando que essa unanimidade planetária da graça é uma espécie de “remédio heroico”, algo análogo ao habeas corpus, hoje anulando, no Brasil – com argumentos inconvincentes –, detalhadas condenações em duas ou três instâncias, jogando fora um gigantesco trabalho judicial conhecido como operação Lava Jato.

Como tarimbados magistrados – de qualquer país – podem, em circunstâncias especiais, indignados com palavras duras demais, extrapolar juridicamente no “revide solidário” contra o “ofensor”, violar a tradicional separação dos três poderes. Isso ocorrendo, somente um poder externo — no caso brasileiro, as Forças Armadas”, no Reino Unido o Rei —, poderia solucionar o impasse entre Poderes, de igual hierarquia e independentes: o Executivo, o Legislativo e o Judiciário.

Nesse impasse, um Tribunal Máximo, condenando um político ofensor, mas o Presidente da Republica cancelando a condenação — pode surgir até uma guerra civil, o caos, porque a Constituição Brasileira prevê as Forças Armadas como a "garantia dos poderes constitucionais e, por iniciativa destes, da lei e da ordem". Isso sem mencionar o perigo extra de políticos estimularem a discórdia entre os próprios militares. Daí a imensa utilidade da graça ou indulto individual. Com ela, que dispensa explicações do presidente — em matéria de Direito tudo se discute —, o impasse é resolvido sem a necessidade do uso da força, tiros e sangue derramado. Se houver ressentimento de um dos lados, com a concessão da graça, esse rancor seguirá apenas na forma verbal. E não se argumente que um Presidente da República , em qualquer país, vai ficar por aí, distribuindo graças como se fossem folhetos de propaganda. Agindo assim, seria logo interditado e suas mil graças canceladas porque o presidente estaria louco.

Um engano jurídico bárbaro, que já assisti na televisão  – e até em jornal, por pessoas formadas em direito —, consiste em dizer que a graça concedida ao deputado brasileiro “não vale” porque foi outorgada quando ainda estava pendente o prazo do recurso chamado “embargos de declaração”, ou “embargos declaratórios”, previstos na legislação processual civil e penal para correções de erros evidentes e contradições em sentenças e acórdãos.

O engano óbvio é que os “embargos de declaração” só se referem a processos judiciais, e a graça em discussão não faz parte de nenhum processo que correu na justiça, seja ele cível, pena, trabalhista, etc., que presumem extensa discussão sobre fatos e provas em um processo com autor e réu. Não há nem autor nem réu no indulto individual. É uma decisão de natureza Constitucional e a constituição brasileira dispensa a menção do “porquê” do presidente emitir seu perdão. Cada um pense o que quiser. A única restrição que se faz à graça é que o indultado não tenha cometido crime hediondo, tráfico de drogas ou tortura. Consulte, o leitor, a legislação e os dicionários jurídicos e constatará que todos eles se referem a pedidos de esclarecimentos em processos judiciais, o que não é o caso da graça.

Como este texto já está ficando longo demais, transcrevo, abaixo, a meritória pesquisa do Dr. Dr. Rodrigo de Oliveira Ribeiro, em que menciona os países que preveem a graça, e o artigo da sua Constituição então vigente em 2015. Lendo o seu artigo, em respeitada revista jurídica, dispensei-me de uma longa tarefa  procurando confirmação de cada referência, até 2015, de um jurista que desconheço pessoalmente mas de impressionante persistência. Ele tem aqui minha homenagem.

Lista dos países que preveem a graça:

Afeganistão (art. 75); Alemanha (art. 60, 2,3); Argentina (art. 99,5); Bélgica (art. 110); Chile (art. 32, 16); Colômbia (art. 150, 17); Coréia do Sul (art. 78); Cuba (art. 88); 18 Dinamarca (§24); Egito (parte III); Espanha (art. 62, i); Estados Unidos (art. II, 2); Geórgia (art. 73); Holanda (art. 122); Hungria (art. XXXI, 1, 2, j, e 8,3,j); Índia (art. 72); Luxemburgo (art. 38); França (art. 17); México (art. 89, XIV); Noruega (art. 20); Nova Guiné (art. 151); Paraguai (art. 238); Peru (art. 118,21); Portugal (art. 134, f); República Tcheca (art. 62); Suécia (art. 13), Suíça (art. 173), Uruguai (art. 85); Uzbequistão (art. 93, 200).

Revista Brasileira de Ciências Criminais 2015 RBCCRIM VOL. 117 (NOVEMBRO-DEZEMBRO 2015) HISTÓRIA DO DIREITO PENAL 3. O INDULTO PRESIDENCIAL: ORIGENS, EVOLUÇÃO E PERSPECTIVAS.

Encerro este artigo agradecendo a tolerância dos leitores, interessados em questões vitais de natureza política e jurídica. Como o texto foi escrito pensando em ser lido na internet, permiti-me sublinhar algumas palavras mais importantes, prática pouco elegante quando se escreve em processos judiciais, dos quais estou afastado inúmeros anos.

Obrigado a todos.

(29/05/2022)

quarta-feira, 30 de março de 2022

Bolsonaro, fazendo isso, poderá ser reeleito.

 


Foto divulgação .

— “Isso o quê? Perguntarão.  Digo: permitir — pelas vias legais —, que as pessoas que recebem Bolsa Família e/ou Auxílio Brasil, possam continuar recebendo tais benefícios mesmo que consigam trabalho com carteira assinada.

A atual sistemática legal tem muitos inconvenientes: desestimula o necessitado a procurar um emprego porque, conseguindo-o, perde um ganho certo, governamental. Prudentemente, não trocará o certo pelo duvidoso. Seu patrão também vive rodeado de incertezas. Milhares de empresas fecharam suas portas por causa da pandemia, e a situação mundial ainda é vacilante.  Novamente desempregado, o trabalhador teria que pleitear novamente a ajuda governamental, sem a certeza da sua concessão com urgência. Há em tudo uma burocracia. Um incentivo à ociosidade. Para não morrer de fome, terá que ou mendigar, ou ingressar na criminalidade ou na prostituição.

Outro inconveniente, agora político, da atual legislação: o pobre, vivendo somente com as modestas quantias das “bolsas” torna-se completamente dependente do governo de plantão. para poder viver, juntamente com sua família. Torna-se eleitor forçado, porque sem dinheiro ninguém vive. Quem sabe — pensa o infeliz —, mudando o governo na próxima eleição, o sucessor não manterá o auxílio, ou diminuirá a quantia mensal.

Acredito que a maioria das pessoas que recebem o Auxílio Brasil gostariam de poder melhorar de vida, trabalhando de fronte erguida, sem medo, como se fosse um infrator, um criminoso “proibido de trabalhar”. Somando os dois ganhos — o auxílio e o salário — poderiam ingressar mais depressa na classe média. Estudando e trabalhando sem medo, na legalidade. Em troca, o governo federal, a cada dois anos, revisaria a necessidade, ou não, de manter, diminuir ou aumentar o valor do auxílio, conforme a situação econômica do país. O leitor pode confiar que a soma do trabalho honesto mais o auxílio governamental não vai enriquecer ninguém. São quantias insignificantes, mesmo somadas.

Espero que esta sugestão chegue aos ouvidos do atual governo federal.

(30/03/2022)