quarta-feira, 14 de agosto de 2019

Twitters sobre Greenwald


A Constituição, no art.5°, LVII, não manda prender, nem soltar, quem está preso. Diz apenas que o réu não será considerado culpado (rotulado, classificado) antes do trânsito em julgado. Soltar o Lula, por amizade, simulará analfabetismo funcional do STF , porque o texto é claro

 ********************************************************
Greenwald é perigo ambulante, até para criminalistas. Se eventualmente conversaram, no celular, com altos magistrados, amigos de Lula, sobre seus processos, inimigos pinçarão frases que, publicadas, tentarão mostrar que sua libertação, no STF, foi corrompida pela suspeição.

********************************************************
G. Greenwald, receptador de diálogos furtados, conseguiu, no Brasil, sua opus magnum: será temido por centenas de autoridades grampeadas; honradas, mas desabafando em momentos de indignação

********************************************************
Se Gilmar, impulsivo, desconfiou que foi gravado, isso explicaria, sua liminar proibindo investigações contra Greenwald, que conseguiu o privilégio de investigar mas não ser investigado.

********************************************************
Fraco, o argumento de Gilmar sobre o “sigilo da fonte”. Todos já sabem qual é “a fonte” de Greenwald: os quatros rackeadores, chefiados por Delgatti Netto, já investigados como autores de crimes 

********************************************************

G. Greenwald publica, gotejando, as falas rackeadas porque precisa antes selecionar seu “material”, não publicando nada que possa prejudicar seu amigo Lula, visitado por ele na prisão.

********************************************************
O rackeamento de assuntos governamentais sensíveis, só existe nas democracias. Em Cuba, Coreia do Norte, China e Venezuela, nem pensar. Se ocorreu, não ficamos sabendo porque os infratores foram eliminados.

********************************************************
Difícil acreditar que a “pacificação” do país, de Toffoli, não tenha como prioridade total livrar seu amigo Lula da prisão. Secundariamente, anular todas as condenações da Lava Jato. 

********************************************************

Se Lula fosse um preso “normal”, poderia, apenas por razões “sentimentais”, aguardar livre o julgamento pelo STF. Solto, tudo fará para conturbar o país, temendo que Bolsonaro dê certo.

********************************************************

Se a Federal descobrir que Min. do STF foram rackeados, a solução será a Corte destruir todo o material, sem revelar o conteúdo, porque ministros são seres humanos, com direito à privacidade. Se publicado o conteúdo muitos Ministros, teriam que declarar suspeição.

********************************************************
Se cair a orientação do STF de prender após a condenação em 2ª. Instância, voltará a rotina da impunidade dos “grandes” porque a missão da defesa é favorecer o cliente, seja ele culpado ou inocente.

********************************************************

Países são "pessoas", merecedoras de proteção da sua "intimidade": segredos de coisas boas e más. Considerando que demais países não são santos, é lícito que exijam lealdade de seus funcionários. Que não repassem suas "entranhas" a jornalistas em busca de fama ou lucro sem risco

********************************************************

Depois das atuais Reformas será preciso a do Judiciário, abolindo, inclusive, a vitaliciedade no STF. A escolha não pode ser "ao gosto" do presidente. Quando escolhe mal, haja paciência nossa para suportar a gratidão do nomeado por quem o nomeou. Gratidão é linda, mas faz mal.

********************************************************

O leitor quer ficar com fama de herói? Consiga ser nomeado para trabalhar, em área sensível do governo. Copie os documentos secretos e os envie a jornalista, ou pilantra, pedindo-lhe que não revele a fonte. O jornalista sairá premiado, sem risco, mas o informante terá que sumir

********************************************************

Anular penas por “suspeição” do juiz, em casos revoltantes, significa que precisamos, doravante, recrutar juízes gelados, monstros morais?
********************************************************

Se queres ganhar uma ação, sem direito, deixe de lado essa besteira de provar. Contrate um bom hacker e diga que não pode revelar a fonte.

********************************************************

Direito e moral devem ser coisas distintas? Não. Devem coincidir. Quando não coincidem, alguma coisa está errada. E não será a moral.

segunda-feira, 5 de agosto de 2019

The cockroaches will inherit the Earth.


Two cockroaches, Glutof a male and his lovely wife Kiti, are engaged in a conversation in their own language, in the sewage, while nibbling rotten remains of food.  

“Why such enthusiasm?” – asks the husband, suspiciously. He is skeptic, solemn, cult, hard shelled, repulsive, with the eyes of a focused owl. A nourished glutton, he looks like a date, dark and obese with slim but brawny and hairy legs – or whatever is the right name for its bristles. Fortunately, Glutof does not gain any weight on his small thighs, allowing him to go off at an incredible speed in moments of danger; particularly when hunted by the darned triad of men, rats and cats. The last of them, carousers which only kill for sport since they don’t chew their victims. It’s too disgusting for them. 

Glutof is proud of the brunette almost black shine of his wings, which he can vibrate with tremendous success, provoking a raving in the opposite sex. Although fat, he is a womanizer, or “cockroachizer”, a word he intends to include in the first dictionary of the language of cockroaches, being edited with him as the coordinator. He likes very much to philosophize and takes pleasure with the nonsense of his buddies of species, all of them very dumb when compared to him. A genetic mutation has occurred leading to greater longevity and a bigger size of the brain. But not all the cockroaches have been equally endowed with the increase of intelligence. By the way, a human problem as well, though way older. 

“You, critical and cocky, as usual!” Kiti protests. “What a terrible whim you have of diminishing me, of spoiling all my fun! It isn’t enthusiasm, goddamn! I was simply dumbstruck, or rather, horrified – is that good for you? – with the loathsome cleanness of the new restaurant around the corner, that enormous one. I only got in there once, under the door, in the inauguration eve and peeped. Last night after the inauguration I tried to go back to pinch a few things, sneaking through the corners, but I was really scared. Too busy! The only crack that could help me get in has already been closed. The prejudice against us, by the selfish mean-spirited ones, is just perfect. Entrance, only through the front door, but with the risk of being squashed by the sole of doorman.” 

“I still think you look rather euphoric, almost happy, unconsciously approving the detestable cleanliness”, insisted the husband, an academic very respected for his zeal in the protection of the values of sludge. He interrupted the little sucks in a moldy bread to sip, snapping his lips, a little cup of mucus, dripped from a nursing home of pauper elders.” 

“It’s just that I, although not approving, of course, any kind of neatness – what do you think I am, huh? – I like to see things well done. You know how perfectionist I am…” 

“Well, relatively”, interrupted the husband. “At home, you relax. There are still many clean things here and there… the tidiness is becoming unbearable. You are not such a good housewife; pardon me for my candor…” 
“But you do not cooperate, either!” she raised her thin and squeaky voice, wrathful, flapping her antennas. “You just stand there, in that old lawyer’s office, nibbling old greasy books, bought from second hand bookstores. You, my dear, I’m sorry to inform, are addicted to salt and old human grease.” 

“It’s you who can’t see beyond your nose. It is not just gluttony, my dear. I study. My idleness is only deceiving. Well, indeed, it’s true that I enjoy eating. I read as much as I eat. Above all, I relish slowly tasting not only the grease from the fingers of Adam’s decadent offspring, but also the abstract part, the printed ideas themselves. Therefore I do not walk around speaking rubbish, as do many of our husky and slender legged companions. One day we will inherit the Earth…Remember the prophecy? I have read that in case a nuclear conflict takes place, only we will remain alive. We will be well guarded here, underground, while the biped scoundrels toast at the surface, deservedly. Can you imagine our drunken carousals afterwards? It will be all ours… From litter right up to all computers…” 

“Well, that is if we have time to hide down here. If you are in the library when the “Big Boom” comes – where you will probably be you, you greasy book addict – then you won’t inherit anything at all! You will be just one more roasted date. Besides, what nuclear war do you refer? The only two giants that could do us this favor have already made up! It is all demoralized now! The Russian chief, that blond cardiac bear (she meant Boris Yeltsin) with Mongolian eyes – his mother must have had a Japanese neighbor way more attractive than her own husband – has turned into a capitalist! Instead of using his plump fingers to push the missiles’ launching button, he has fun just pinching his secretary! It is discouraging…” 

“Don’t lose hope, Kiti” – She is gracious, with long eyelashes, a brain full of mad and right intuitions, all mixed up. A hogtie, she is basically just pheromones and reproducer organs. She is famous for being frivolous, but up to now no one has ever had the courage to bear witness against her, because she is influential and revengeful. She is the owl face academic’s fifth wife. And he goes on patronizing: 

“Parodying what an American businessman has already said, no one up to this day has ever lost money when betting on the stupidity of ruffian state leaders. Or rather, in the stupidity of the human species, with no exception, who claims to be so rational. We who know them rather well, and who eat everything they throw away, we know what they really are deep inside, what is behind them. Especially what is on their “behinds” …” 
He made a pause to nibble a piece of putrid banana and continued, erudite, pleased to hear the voice he knew so well how to modulate with such authority: 

“Fortunately, the so called emerging powers are there, concerned with mastering atoms and, with that, scaring their neighbors. Therefore, do not dispirit yourself. One day, they will be making atomic bombs in their backyard. Our day will come, Kiti. I have always believed that our ideals of justice and supremacy will end up prevailing. The power of the empires goes up and down, just like a seesaw. It is written in the history books that I lick – I mean – read. Power switches sides. I feel it in the air, especially in the polluted air – this pleasant and stimulated air stemming from the trash – the signs that our turn is coming! The current system of domination is extremely unfair! Any human being, either smart or dumb, no sooner spots us eating a miserly crumb on the kitchen floor – even when we are at the verge of starvation – instantly opens the eyes wide like a mad killer and chases us ready to smash. Why such prejudice? In the end, we are cleaning their kitchens without even charging for it! They would save up a lot with house maids! We could all get along, in harmony! At night, the humans would lay down their dirty clothes on the floor, go to sleep naked, and we would break in, eating all the digestible dirtiness left on cups, bodies, plates and silverware. The clothes would be instantly dry cleaner. We would rinse everyone in the house, sparing them from the morning shower. A grand economy! They would wake up totally laundered! However, all the beasts do is crush us!” 

“What if we set up an underwear buffet? We could make some money out of it…”, Kiti proposes, her eyes gleaming, always mindful to get some profit out of any idea. She considers herself a great entrepreneur. 
“Well, you would be the one to take care of it. I do not like involving myself with money affairs…I feel as if I would lose my dignity.” 

“It is all fine with these theories of yours. You know I don’t make a fuss about these readings. I personally only enjoy speed readings; but right now I’m interested to know what we would eat, in case of a nuclear war. Wouldn’t the supplies be contaminated by the radiation?” 

“Oh, well…” – he sounded surprised. He had never thought of that. He labeled his wife’s lightings of good sense as “sparks from the beast’s horseshoe”, as once said a famous Brazilian critic. But he did not admit he was wrong. “Indeed, of course hum, in fact I had already thought about that… For some time, which our technicians would determine, we would not eat what is on the surface. We have, in the sewer, a gigantic and delicious natural supermarket stock, all of it ready and seasoned for our consumption. Therefore, we would only have to wait a while in the gutters, until the radioactivity decreased.” He made a pause again to lick, snapping his lips, a type of chocolate mousse extracted from a white piece of paper – square and of soft texture - and concluded: 
“That would be true Glory!, as if we were at Cambodia right now…” 
“Why Cambodia?” 

“Because there has been a juicy civil war in Cambodia, which lasted 25 years. During this period, between 6 and 10 millions of landmines were planted. The result is that now, every month, between two and three hundred people “go up in air” in Cambodia. And not on airliners. It is the country that – though tiny – has the highest level of amputations in the world. Let’s say, it is an earthly paradise, ‘isn’t it? If there was tourism between our species… wow, can you imagine that? Yummy….just the thought of it makes my mouth water! What about the flamethrower? We would be able to even choose between raw meat, well done, stagnant, rare, medium…” 
“There you go with your polyglot exhibitionisms…” 

“And the specialists say it will be necessary about three hundred years to find and deactivate all landmines.” 
“Why did they grow so many bombs? Wasn’t it possible a more traditional type of agriculture?” 
“Kiti…You need to read more carefully. No one plants bombs, my darling, they stuck explosives in the ground! Each group, when withdrawing, would spread the mines to fuc… – I mean, to mess (he did not approve of dirty language on the mouth of great leaders) - with its rival. And since there were many comings and goings in the ongoing skirmishes, losing and regaining territories, the result is that Cambodia has been turned into a vast slaughterhouse, supplying legs, heads and arms in separate pieces. For us, a real paradise, since we are really tiny and we can walk around without setting off landmines. Our Cambodian cousins, those lucky bastards, have blood and fresh meat at hand, at all times. It is even damaging their liver now, they say, due to the excess of iron in their food. It’s just like getting plastered, it gives you that terrible hangout the next day. The “tremendous intelligent” humans, ha! ha!” – he laughed, raising his eyebrows, frilling his wings in disdain – “never thought that, one day,  the shootout would end? They forgot that old definition that they are “human bipeds”? Since they can’t fly, they tread…and then they fly.” 

“I’ve heard that a terrible little English princess – I think Lady Di was her name – had been advocating the prohibition of landmines. Do you think this misfortune will come upon us as well?” 
“Unfortunately she is dead now.” 

“Unfortunately?”, Kiti spread her wings, surprised. “What is wrong with you? It is a good thing she died which made this disgusting campaign stop.” 

“You have no vision whatsoever, Kiti…I say unfortunately since with her death the press began to worship; thus strengthening her ideals. I’d rather have her alive, only pestering…She would be – alive – less threatening to our cause. They persecuted the infamous for years and years, surveying her, taking pictures of her from a distance, criticizing and gossiping all the time. They even wanted, because of her, the downfall of the monarchy. Now, all it took was for the evil reformer to die is for and there you go! She became a goddess! And it is there that the danger lies! Henceforth, in a consciousness crisis – such a sickening thing among humans – and specially to sell more magazines, the media would want to put into practice her policies. This is how it works with human beings. Only after the person is dead – no longer a cause of envy in others – she is cherished. All I hope is that the little English princess, uglier than hygiene – and I’ve heard humans saying seriously, the contrary – does not have posthumous success in her absurd campaign for the abolishment of landmines. But, even if there isn’t a nuclear war, they will die anyway though slower, cooked in dribs and drabs of the greenhouse effect or poisoned by carbonic gas. They are too dumb and ambitious to stop in time.” 

“Do you think  one day we will be like that too, I mean with these character flaws  the humans have?” 
“Probably…” Glutof sighed. “I’m sorry to inform…But this is the price of civilization.” – He felt proud of his coldness of a statesman. “Unless we create new Ethics, on which I have been working for years, with the deepness peculiar to my profile. To start with, we need to invent a reinforcement of duress, a cockroach-god, our image and similarity: husky, with large antennas, powerful and revengeful. You know, not everybody will obey directors, presidents or chiefs. But a cockroach-god, with the true power of life and death will be feared and followed by the planetary cockroaches... I will talk in private with “it” – my own self, of course – once a week on the rooftop of a tall building” – he smiled, ironically closing his owl eyes – “and then I will transmit to our people the message that only I was allowed to listen. What do you think?” 

“And you really think that our people will believe this, in this divine private conference? Our people are more suspicious than the humans, because they have suffered way more than them…” 
“They will believe, because it’s good for the soul to believe. One always believes in what one wants believes.” 
“But do you believe it yourself?” 

“Of course not. However, no one will ever be able to prove my lack of belief. Unless you open your pretty little mouth, of course; but in that case you know what awaits you. I only sell a truly necessary product - hope. I’d even say essential, as long as there is fear in the heart of the cockroaches. It’s only business. And speaking of fear, the human race is sinking exactly by lack of fear. Their “must” right now is a deep understanding of the motivations of human actions. The dorks want to “understand”, mind you… The result: they have learned for example, that it is of no use filling up prisons, since prisons do not bring back anyone. Of course, they don’t! But does impunity change for the better, by any chance? They walk around, like dizzy cockroaches – oops! I meant dizzy humans – not knowing what to do. And astutely find a way of combining the old desire to withdraw from circulation the detestable thief and in the same time praise themselves by saying  they are making a tremendous good deed, by “reeducating him”. Me, when I’m in charge of this crap, I know how to solve such a problem: death penalty with immediate effect to all the cockroaches who commit a serious crime. This will be a great example to all. We won’t spend money and time with lawsuits, paper, prisons and specially food. To small infractions we would torture the guy, by keeping him in a morbidly clean place for a few days. For him it will be like death! He will never want to mess up again. In case he does, back to neatness.” 
“Wow! How much finesse!  When you want, you can be real mean… Maybe it would be better to just kill them all at once…But how would we kill the most perverted criminals anyway as we don’t have any weapons, teeth or even hands?” 

“We would train the rats. They are clever, but dumb. There is a great difference between shrewdness and intelligence. All they think about is gnawing and fornicating. Unless they also undergo a mutation like ours. Then we will be in a fix as they have a bigger brain…and teeth…By the way, I have already given instructions to our staff to inform me about any radioactive material found in the sewer. We will immediately isolate the area as anything could happen with radiation. But if the rats become like us, well, goodbye to our future millennium of glories! They will replace men and reign over the Earth.” 

“But back to the new restaurant around the corner, you should see the neatness of the kitchen! All sparkling! Not even a little speck to… “Stop! Stop!” – he interrupted her, shouting, stomping on the floor, shaking, brute, crumpling and throwing away the toilet paper chocolate-stained. “I can’t take this dirty talk of yours no more, especially now, right at meal time! Do you want to make me throw up?” 
“Geez…Did you need to yell like this? You’re disgusted by the cleanliness? Hummm, what a delicate sensibility…You sound just like a little girl…” 
“Hey, watch your tongue” – his antennae vibrated with indignation. He had never beaten his wife, but he was about to. 

“You’re getting the poets’ nervous fits, from reading too many human books, another ivory tower sensitive. Watch out, huh…I know one who has become a fag…” 

“What books would you like me to read, you stupid ass? Have cockroaches got editors and publishing houses? Now we are smart, of course – so much that the humans don’t even suspect, because we know how to disguise it. But we have to for the time being, draw the available culture, until we can elaborate our own, which will be of course, way superior than the human one.” 

“I only said that to upset you…Because you were rude to me.” With her two specially gracious big antennae she stroke Glutof’s antennae, smoothing it, at the same time emitting pheromones which turned him on. But he soon controlled his impulse because he found it dangerous to have sex right after large meals. 
“Sweetie…”, she asked, with tenderness, “why do you read so much? Don’t you think you exaggerate? It can damage your sight… And we still haven’t got opticians among us. Speaking of it, I think you would look super cool wearing turtle glasses. A more intellectual look would just be impossible. Aw, you’re my molded bread, my putrid apple pie. There are many husky crooks around who envy me; you think I don’t notice?” 
“I read since I want to be prepared to organize our species toward the new millennium if a global cataclysm happens. We, cockroaches, will not repeat the same mistakes made by humans.” 

“What mistakes, my darling? Excuse me, but with or without mistakes, they are on top…They are millenniums ahead of us. Our genetic mutation - thanks to the praised radioactive dirt that they throw around – is too recent. The humans still squash us anyway. Or they poison us with those mortal squirts. I almost died the other day, didn’t I tell you? You are close to almost being talking to a ghost right now. I think I even have sequels. I haven’t been the same you know; I have a weird sensation in my womb…The housewife, despicable and promiscuous – probably recently coming back from a party - she had huge shadows around the eyes – had just turned on the light and then she saw me there, dizzy because of the brightness; she run and got a can of insecticide. The cruel woman didn’t want to dirty her expensive shoe sole. At this moment I ran around huffing and puffing , until I remembered it would be better to escape under the door opening to the backyard. Meanwhile, the assassin beast, panting and whirling, afraid I would climb on her, tapped a warrior dance, trying to spray the insecticide towards me. Fortunately, it barely hit me, nevertheless just with the haze I felt a terrible colic immediately. I think I had an abortion…It came out all mixed up. They don’t make mistakes, my dearest one. The world is theirs, no matter what we do…I still regret not climbing up her legs, up to their end. I would give a little bite with care right there. I assure you that the vagabond would pass out from dread.” 

“When I talk about mistake, Kiti, I’m referring to the human behavior towards their own species. They will eliminate their own race, be it through bombing, pollution, or urban criminality. We do not need to interfere. All we need to do is to wait. In Algeria, some fanatic guys a couple of years ago – who won an election but not assume power - are beheading hundreds of people in remote villages. These victims - including children - have nothing to do with the political illegality. They also raped young women because no one is made of iron. And they kill with axes. Our Algerian cousins are the ones who regale with these devil humans.” 

“Regarding us”, Glutof continued, because he felt specially inspired, “and also the rats, for example – these resistant scoundrels, clever however short sighted, also attack us when starving - they, the humans, are really efficient…Well, partly efficient, because I have heard that in the Pentagon there was once a plague of thousands of American cockroaches, right under their noses, skilled computer techies. Yes, humans know how to kill but fortunately for us, they hate each other. They love each other during small intervals in life; but once vexed, they turn love into hate. One disagrees and is instantly screwed. A father hates the son and vice-versa. Amazing, isn’t it?” 

“Excuse me, but I don’t find quite the same…”, Kiti felt a subtle pleasure every time she found a flaw in Glutof’s arguments, “Some human beings are not aggressive, even with us. Last week, I and about fifty friends were on the sewage pipe´s roof, talking, gossiping, when a worker from the public system, walked down through a little ladder. Spotting us just a few centimeters from his head, he shouted over to his colleagues, who were right above, at the street level: “All clear, guys! No danger!” And then he started working on the piping without causing us any damage whatsoever. A saint, an exception. I was shaken… I almost flew to his lips to give him a kiss… Really, human beings can be astonishing… They are not always evil.” 

Glutof smiled, stuck up, amused by his partner’s ingenuity. “So, the pretty girl thought that the man spared you because he liked you? None of that, my darling. He let you live since the fact that there are cockroaches down in the wastepipe means there are no toxic gases around. It is only when there are none that there lies the danger. If there are cockroaches, they can work with no fear. They only spare us when we’re useful, get it?” 
“Dear God! They´re always covering themselves” bewildered, Kiti scratched her right armpit, as she always did, when she felt ridiculed. “How you know it all, sweetie… Why don’t you, with all this knowledge, organize a mass attack against humans? They are fearful. They eat a lot and have such easy lives. I have seen a big man jump like a monkey, panicky, just because there were two cockroaches on his shirt, which he put on in the dark. Or just because an innocent little colleague of ours flied and casually entered into an old man’s mouth. He was practicing respiratory exercises, making a movement of deep inspiration. It was indeed the death kiss. The poor little one was spilled as if she was a disgusting thing and…crumbled! The scariest of all is that the old man then went off to pray!” 

“I know that humans are scared, but they have the technology of death. In war, we would be defeated. We would only win a few initial skirmishes, by giving them a few spooks. Flying, for example in their eyes, or into their mouths, or hiding ourselves in the underwear of a few big shots, vibrating our wings near their testicles. But that would be all…Scares, little things. At most a few heart attacks, because these big shots full of power, pizza, lasagna and filet mignon won’t go too far anyway, they have tubes – what is the name of it, again? Oh yes, arteries! – full of fat, just as much. Nature has been a stepmother. We do not even have stingers. If a mutation towards this was possible….But they occur with no control whatsoever. Now we have intelligence, but you have noticed not all of us. We are really far from being able to manipulate genetic engineering. Without hands, little beings that we are, what could we do meanwhile? Just think and organize ourselves. And wait for them to kill each other, which is almost certain to happen. For those who love action, we have IRA, ETA, and the Middle East. They will never, I hope so, reach an agreement to live together because the greed for lands and power does not allow it. Peace does not interest them, actually. All those warlords, terrorists and anti-terrorists, will never be happy to return to their quiet life, dull, tedious, earning little in factories, offices or departments. Would they trade off an exciting life, full of ideological charm, easy money and money for jobs such as postman, cooker, sales person, market vendors, etc? No way! That would be demoralization!” 
“But, my darling, some even explode with their bombs…They sound idealistic.” 

“Right, right…but only the jerks…The intellectuals, the big bosses, they never do that. Terror warrior explode; big bosses don´t. Never! After all, “the cause” needs its powerful brains. Right? On the other hand, what did the opposite flank, which has been spread throughout the world, imagine? That they would retake their old land, hundreds of years later, evict the locals in turbans, colonizing without any reaction… I don’t know, they are the humans let them understand each other. Maybe they will never do actually! That is what we wish. 

Besides we must never forget the sacrosanct AIDS, the nectar of the Gods! It is a plague that, I hope will make a large mop-up because we are immune against it. And the drugs, then, our revengeful allied, that once tried is impossible to get rid of! Being weak as they are - and they know they are - the human clowns still try them, only to check and in the end see that it was just like it is they said. Maybe they do it to roguishly be in the position of victims, poor ones, addicts; actually a good idea, because then everyone cockers them. Addicts don’t need to work, neither study, nor do anything at all. He only needs to remain landmine addict. A stroke of genius! Speaking of it, I have had an involuntary binge because, when the police arrive, the first thing which a drug dealer remembers is to flush all the white powder down the toilet. Without any concern with our health, as we live down in the sewer. I saw that light powder floating and I instantly thought it was sugar. I sucked all of it. When I realized it I was jumping all over the walls and challenging big rats to wrestling.” 

“Let us not forget” – Glutof continued – “the wonderful hospital infection, one of the few segments in which we can personally contribute for the success of our cause. We are organizing courses of orientation on how to suck the infected gauze and then nibble the patients´ food. Especially the children’s, since it is much better to kill the enemy at its root. While the cleaners keep on pretending they mop the hospital floors and their chiefs pretend they supervise it – in fact they are afraid of the cleaners, or afraid of sounding “authoritarian” – things will go wonderfully. But, back to what I was saying before, we, cockroaches need, above all, to disguise our recent intelligence. Have I told you about what happened to Horace?” 
“I don’t think so…You talk so much, darling, that I get giddy sometimes…” 

“Well, that´s quite like you anyway, …Horace is a cockroach as well, he was a friend of mine. He was one of the first mutants. But, instead of disguising and pretending to be stupid, he gave in and showed himself off. And it ended up really bad, of course. One night, he embarked on a journey through a long wastepipe he didn’t know – ah! The illusory appeal of the unknown – a real long, long one and he ended up in the drain of a solitary cell. When the prisoner saw him, he had an idea: “I’m going to train this cockroach. Otherwise, I will go insane. I still have three years in.” 

Glutof continued: “This prisoner had murdered his wife, imagining that she had betrayed him – and he was right – but then he thought that he had made a mistake – which he hadn’t – but then it was too late anyway. The sorrow he felt in jail was doubled, for he was regretful. So, he patiently – he had once been a dog trainer – taught Horace to write famous quotes from great mentally retarded people,  I mean human thinkers. Horace would dampen his little leg on the ink-pot and then he would write a deep thought. Sometimes he would mix the source, but who would check it? The fact that a cockroach could write was a phenomenon by itself.” 

“How could this Horace lower himself so much? Human philosophers! It makes me noxious!” 
“Interest, naturally. Horace soon learned to write the nonsensical phrases, but he would conceal his speed in learning because each time he would write a certain philosophical thought he would get a candy. Being gluttonous as he was, he stretched this process as long as he could, pretending to be assimilating it all very slowly. He could not show his geniality being a cockroach. If he would write it all down at once, he would only eat one single time. And so six months passed. Then, since there was yet a long time for the “reeducated” to be released – another human stupidity, for in prisons no one changes for the better, only for worse – he taught Horace to dance upright, on his back feet, imitating Gene Kelly in Singing in the Rain…” 
“Wow, that is certainly extraordinary…” 

“And that is not all! He also taught Horace something else really astonishing: to dance can-can, just like those French dancers, with vigorous leg kicks, kicks that many times brought Horace down on the floor. After all, our short little legs were not made for Folie Bergère. If nature has given us six legs, how to cope with just two? And yet, Horace, extremely vain and inebriated with stardom, would turn his back to the invisible audience shake his little wings and cram his backside, just like those showgirls who pulled up their dresses and showed their butt. I think the prisoner even thought that Horace was a female. And finished the exhibition, Horace would take bows, sending kisses to the audience and screaming with a feminine voice, almost inaudible: “Je vous aime! Je vous aime!” I think that, with a few more rehearsals, Horace would be able to have his sex changed.” 

“Darling, I’m sorry to interrupt you. I was concerned with the time…Don’t you think we should be going home right now? Soon the rats will awaken…Tell me right away how your friend’s story ends, please.” 

“Well, when the penalty ended, the prisoner left the jailhouse, taking Horace in the pocket of his suit, inside a little box…He wanted to look out for a manager. He hoped to be very wealthy because never, in the history of show business, there had been a similar spectacle. He would win loads of money…But, unfortunately things just didn’t quite work out…” 

“I know it, I know!”, Kiti anticipated herself, euphoric, clapping her hands. “The manager fooled Horace!” 

“No! Damn it! How lousy your mind is! What a nasty type of joy! No, but it was in fact something much worse that happened…There had been a long time since the ex-prisoner last drank a good beer, an ice cold and good one. In prison all he could get was a “Crazy Mary”, worthy of its name because in it there was even varnish. So, he headed to the bar with the idea of regaling with a “blondie”. But he ended up drinking four or five glasses. And he simply could not refrain from showing off a little bit. He took out the little box from his pocket, told Horace to come out and placed him on the counter. He was about to tell him to dance and squeak some excerpts from the song La Vie en Rose. He then called the barman and proud, half drunk, pointed to Horace with a finger, while saying “See that?” But the barman, annoyed, as soon as he saw that husky cockroach on the counter, crushed it with a rackety slap. And so, stupidly, died a great artist…When we, from the Committee, heard about the case, we transmitted an instruction forbidding until further notice, intelligent demonstrations of any type in the presence of humans.” 

“What a sad, sad story…a martyr! How did the ex-prisoner react?” Kiti wanted to know. 
“He jumped over the counter at the same time and strangled the barman, crying and guffawing at the same time, like a madman. It was the fastest case of criminal relapse in the history of Criminology. Criminologists, unaware of our mutation, spent liters of ink dissertating about this case, even suggesting possible passional and Freudian attachments between man and cockroach, this one symbolizing the man’s mother. All of this mental imbalance a consequence of the brutal isolation of the prison regime. These criminologists even made analogies with a guy named Kafka, a nut who wrote drivels about a man that went to bed as a human and woke up as a cockroach. As if such an abrupt improvement was possible. No one believed the defendant´s story that the cockroach danced can-can and sang in French.” 

“If we come to dominate the Earth, you should set up as a way of paying tribute to this great hero, a “Horace Prize”, equivalent to the human´s Oscar. Even I would love to compete…I love the stage, any type of stage…” 

“It is not your case, but actors – all of them – can’t help but have a real bad character. How could it be possible to spend one’s whole life pretending to feel something they don´t, without having a screw missing, at least in the character. 

“Well, I am starting to get real dizzy. You are so profound that after about ten minutes listening to you, a great somnolence engulfs me…I’m going to sleep just a bit and afterwards watch the television news to update myself.” 

“Watch out, don’t believe too much in the news! The press is also our big ally and…”, he stopped, for he heard Kiti snoring, gently. 
He felt sorry for her. She seemed so foolish and helpless…He gently waked her. The time for going home had passed already. 

Entwined, they slowly walked towards the hole down the sink of the house in which they lived. They did not notice two big rats, esurient and with evil eyes, coming right behind them on their tiptoes, already with water in their mouths for the “dates” that they could almost taste in their stomach. 
Kiti, lighter and less gluttonous, miraculously escaped the attack, but lost two of her legs, an antennae and a wing. She cried copiously the next day mourning, in her husband’s funeral. Or else, at the two little hairy thighs and one wing’s funeral – all that was left from “Glutof, the Rescuer”, the great leader that had already joined history. 

But she was pregnant, and soon – very soon, indeed – all those projects of a hero, still numb in their eggs, would be born, replacing their father in the heroic creation of a new civilization. 
THE END

Note: – This tale was translated from Portuguese by Engracia Maria Victória Fernandes (e-mail victoriafernandes@hotmail.com) 


terça-feira, 16 de julho de 2019

Um “bom” racker conseguirá anular a Lava Jato?


Embora criminoso ele é mais eficaz que dez Habeas Corpus somados.
Você quer ganhar uma causa complexa e importante? Não perca tempo com habeas corpus, petições, provas, etc. Contrate um bom racker. Ele é “extraordinário”. Mais eficaz que qualquer recurso jurídico de mesmo nome.

Refiro-me à invasão da privacidade dos celulares de Sérgio Moro e Daltan Dallagnol. Alguns operadores do direito, inimigos da Lava Jato, pretendem que a “fonte” — quem teria enviado as gravações ilegais ao jornalista Glenn Greenwald — é, por definição, sagrada, intocável, a menos que o jornalista que divulgou o produto do crime concorde em revelá-la.

 Como o jornalista não concorda, talvez temendo represálias — ou do governo ou do criminoso invasor, ou de quem o remunerou pelo “trabalho” —, o crime da invasão deveria ficar impune? Não. Ambas as “ilegalidades” — a do grampo, já provada, e a da eventual suspeição do juiz, em andamento —, precisam ser examinadas.

Ocorreu no Brasil um crime de escuta ilegal de enorme duração — ocupando mais de duas mil páginas de transcrições, segundo a mídia —, visando beneficiar o ex-presidente Lula. Esse longo e paciente trabalho ilegal sugere que essa operação de escuta faz parte de um poderoso esquema político, com um custo operacional que não pode ser pequeno, face ao tempo consumido e o risco de ser descoberto pela polícia.

Tendo ocorrido um crime, as gravações, é obrigação da Polícia Federal tentar localizar o criminoso, pois não? Com ou sem a concordância do jornalista porque a origem dessas escutas ainda é um mistério. Acho pouco provável que o jornalista tivesse a ideia de montar o esquema porque destruiria sua reputação. Mas nada é impossível. Que houve um plano bem arquitetado, houve. Pelo longo e arriscado trabalho, não pode ser de um racker qualquer, insignificante. Quem o financiou deve ter lhe garantido a impunidade. Um ou vários político, ou milionários? Por isso, ficaria melhor, moralmente, para o jornalista que fez o estrago na luta contra o crime concordasse com o exame de suas contas porque “quem não deve não teme”.

Crimes envolvendo informática e tecnologias afins são ainda muito difíceis de serem investigados, mas considerando que dinheiro, em grande volume, chama a atenção, deixa rastros, nada impede que a Polícia — paralelamente a outras investigações e com autorização judicial —, tenha acesso às contas do jornalista — não diretamente visando puni-lo mas tentando alcançar o criminoso da informática. Se, porém, por mero acaso, aparecer uma prova convincente contra ele, aplique-se a lei. O resultado do exame das contas ficaria sob sigilo, enquanto durasse a investigação.

Ou será que nosso sistema judicial privilegia com a total impunidade o crime da escuta clandestina de diálogos de figuras públicas e mesmo de cidadãos comuns? Nenhum jurista de peso sustenta tal possibilidade.

O misterioso racker em questão, graças a sua “tecnologia criminosa”, deve sentir-se hoje “o rei”, muito seguro da impunidade porque, conhecendo todos os truques de sua malévola “profissão” sabe como “fazer o serviço” sem deixar pista. Ele quer exercer o “direito” de bisbilhotar todo mundo supondo que a vítima e a polícia não conseguirão, tecnicamente, fazer o mesmo contra ele, a menos que algum cliente seu — que lhe pagou o trabalho da escuta — cometa alguma distração, técnica ou bancária.  Daí o direito da Polícia Federal, com autorização judicial, de examinar as contas de Grenwald, procurando tais distrações que poderão chegar ao racker para a devida punição.

Nos EUA, país da liberdade de imprensa, até agora o governo não desistiu de punir Julian Assange que fez revelações de segredos de estado que não escolhiam nem beneficiavam partidos, visavam o bem geral do país. Já nas revelações de Greenwald as escutas e sua difusão tinham “partido”: beneficiam um determinado cidadão preso, Lula. Pergunta-se: porque o “idealista” racker não se interessou por gravar os diálogos de três ministros do STF que em seus votos demonstram uma repetida tendência favorável ao petista? Será que nesses diálogos não haveria material suficiente pesado, frases que comprometeriam a parcialidade de tais ministros nos próximos julgamentos de Lula?   

Não é impossível, em tese, que um jornalista, qualquer jornalista — mesmo o ganhador de um prêmio —, possa receber uma elevada quantia impossível de explicar. Um determinado registro contábil pode ensejar uma boa pista que leve à descoberta de um criminoso da informática que, com a mais tranquila impunidade, esteja, neste momento, “fazendo a festa”, devassando celulares, computadores e demais instrumentos de comunicação de magistrados, parlamentares, ministros, presidentes, sacerdotes, donos de empresas, etc. Nenhuma profissão, no mundo, inclusive o jornalismo, goza da presunção de inocência absoluta de quem a exerce. Nem mesmo um Papa está isento de investigação, se houver, para isso, alguma justificativa razoável.  

É, portanto, de grande conveniência que a Polícia Federal — autorizada por quem de direito —, examine as movimentações financeiras do jornalista americano Glenn Greenwald e do seu site The Intercept Brasil. Não especificamente visando punir o jornalista pelo fato de publicar algo relevante, mas para alcançar o criminoso “técnico”, ou seu financiador. Ou comprovar que não há terceiros envolvidos na escuta clandestina.

A finalidade última de Greenwald, é provar que Moro não é esse juiz severo e imparcial descrito por seus admiradores. A prevalecer a intenção de Greenwald, todos os réus presos por causa da Lava Jato dirão: — “Se Moro era parcial com Lula, ‘obviamente’ também foi parcial comigo. Se os desembargadores e ministros do STJ concordaram com minha condenação é porque eles assinaram em cruz. Confirmaram minha culpa porque não leram direito os processos. Tudo bem, eu confessei, indiquei provas, comprovando minha culpa, porque sentia-me constrangido pela prisão, mas a confissão só vale quando isenta de qualquer mínima pressão. Se eu estivesse solto, não teria confessado, ora bolas”.

Como o STF diz a última palavra sobre culpa ou inocência de réus, a gravação e difusão de frases proferidas por ministros simpáticos a Lula — revelando a suspeição pró-Lula — aumentaria a confiança nacional na justiça porque qualquer decisão de primeiro grau pode sempre ser modificada, o que não acontece nas decisões da instância máxima.

Para que essa investigação financeira de Greenwald tenha eficácia a Polícia Federal poderá dispor — legalmente, a meu ver — dos serviços técnicos da Coaf, porque ocorreu o fato concreto de um crime “gigantesco”, em forma continuada, por longos anos. A COAF não poderia tomar a iniciativa só por vaga antipatia, ou motivação política, sem prévio crime ou movimentação suspeita. Como houve, porém, um confessado "grampo" nos celulares, uma vasta operação de espionagem ilegal, cabe a pergunta: quem a financiou? Só pode ter sido uma operação caríssima.

Deixar essa ilegalidade passar em brancas nuvens será um estímulo para que todos os celulares, telefones fixos, computadores, contas bancárias e conversas particulares, dentro de escritórios e residências, sejam devassados por hackers bem pagos e propensos a chantagens. 

Está muito cômodo, atualmente, um jornalista dizer que soube de uma “notícia”, obtida de forma ilícita, e por isso a difundiu. Ponto final. Se não houve participação do próprio Grenwald seria necessário descobrir quem — ou por ordem de quem —, houve a invasão dos celulares. A ordem viria do PT, do Lula, do Sérgio Cabral, dos irmãos Batista da JBS, ou de quem? A cômoda proteção da "fonte" — ou suposta "fonte" — pode, em tese, significar o "crime perfeito eletrônico": — "Eu destruo um juiz; desmoralizo uma difícil e arriscada luta contra a corrupção, ganho uma fortuna e saio não só impune como endeusado como um benfeitor". Tudo sugere que há muito dinheiro e competência técnica de espionagem por trás dessas longas gravações de interesse político.

Poucos dias atrás, consegui, finalmente, no Youtube, ver e ouvir Greenwald depondo em audiência do Senado. Deu-me até boa impressão, parecendo mais um adolescente tímido, um tanto assustadiço, porém sincero. Eu fazia outra ideia física dele. Imaginava-o um americano rico, autoconfiante, arrogante e com cara de mentiroso. Vendo sua postura — confio talvez demais na linguagem corporal, no modo de falar e na expressão facial — ocorreu-me que ele talvez esteja sendo um “inocente útil”, idealista, mas astutamente “usado” por gente inescrupulosa, com muito dinheiro, que não está, nem mesmo remotamente, interessada em aperfeiçoar a justiça brasileira, “saneando” a Lava Jato. Pelo contrário, é gente interessada em “anular tudo”.

Gente que pensou assim: — “Esse americano é, no fundo um ingênuo, embora já tenha ganho um prêmio importante que só exigia uma certa coragem de adolescente, mas não muita cabeça. Seria a pessoa ideal para roer os alicerces morais da maldita Lava Jato. Suas gravações podem salvar todos nós. Se enviarmos a ele nosso material, apenas acusando o juiz Moro e Dallagnol — sem atacarmos a Lava Jato —, ele vai ficar tentado a ganhar outro prêmio. Aí nossos juristas vão levar a coisa para a área deles e todos estaremos salvos. Inclusive, talvez, com direito a pleitear perdas e danos porque o Estado brasileiro, no seu setor judiciário, falhou. Quem tal a ideia?”

Remoendo essa hipótese, cheguei porém à conclusão que um jornalista e advogado não seria ingênuo a tal ponto de não perceber que a Lava Jato, além de Moro, também afundaria com sua principal figura.

Como este artigo já está longo demais, paro por aqui. Mas quem quiser conhecer meus argumentos detalhados, justificando o trabalho de Sérgio Moro na Lava Jato, verá que ele pode, no máximo, ser acusado de excesso no cumprimento do maior dever de magistrado: a busca da verdade real, material. As provas das ilegalidades de Lula estão nos autos e “o que não está nos autos, não está no mundo”, com diz o conhecido refrão. E tudo o que está nos autos foi submetido ao contraditório.

Leiam meus artigos, na seguinte ordem: 

Sergio Moro priorizou a verdade e não violou a lei.

https://francepiro.blogspot.com/2019/06/sergio-moro-priorizou-verdade-e-nao.html

Sergio Moro saiu-se bem no Senado
https://francepiro.blogspot.com/2019/06/sergio-moro-saiu-se-bem-no-senado_22.html

Cautela, STF: Lula livre podera exigir indenizaçao
https://francepiro.blogspot.com/2019/07/cautela-stf-lula-livre-podera-exigir.html






segunda-feira, 1 de julho de 2019

Cautela, STF: Lula, livre, poderá exigir indenização



Vivemos tempos confusos e perigosos na arena judiciária. Uma sopa, de odor político suspeito, mesclando a sonora erudição jurídica com insultos evidentes contra o bom senso. O mais grave é constatar a imprevisão, a “leveza” despreocupada sobre o que poderá acontecer no Brasil, ainda este ano, caso o STF “anule tudo” o que foi apurado e decidido sobre Lula, nos variados processos da Lava Jato. Todos os condenados na mesma força-tarefa pedirão tratamento igual, de anulação de seus processos, mesmo tendo confessado o delito tintim por tintim, olho no olho, nos acordos de delação premiada.

Dirão, os condenados, com a cara mais lavada, que confessaram, sem tortura física, mas fizeram isso constrangidos, sem alegria íntima. Sustentarão que a confissão nunca pode ser “forçada”, ou induzida. Deve, sempre, para valer, ser semelhante à confissão religiosa, vinda do fundo santo da alma do infrator, num impulso de pureza: — “Se estivéssemos soltos, não teríamos confessado”, dirão todos. E pedirão de volta tudo o que perderam nas condenações — bens, dinheiro (muito) e cargos. E ainda, possivelmente, exigirão indenização milionária, por “dano moral” porque sofreram “abuso” de dois dos poderes do Estado, o Judiciário (Moro) e o Executivo (a Polícia Federal).

Refiro-me, claro, às condenações de Lula, após notícias baseadas nas gravações ilegais das conversas de Moro com Dallagnoll pelo celular. A chamada teoria da nulidade do “fruto da árvore envenenada — a prova nula de origem ilícita, no caso as gravações da “The intercept” — é uma teoria com dupla face: se é a nosso favor essa prova vale; se é contra nossos interesses, não vale. E para complicar a confusão existe algo que até agora cria incertezas: o direito de “preservar a fonte”, isto é, atacar a reputação de alguém — Moro —, com base na informação de pessoa “que não sou obrigado a revelar”. Pergunta-se: e se for mentira, não existindo fonte alguma?

À guisa de exemplo da atual “sopa” judicial, vejamos o que aconteceu com o cidadão que tentou matar Jair Bolsonaro. Como ele não foi julgado, porque seria “meio louco” ou “limítrofe” — isto é, incapaz de perceber perfeitamente a ilicitude de suas facadas mortais —, a sentença determinou sua internação, para tratamento, por “até” 20 anos. Assim, se os psiquiatras da casa de tratamento, daqui a um ano afirmarem que ele já está “curado”, nada impedirá que, liberado, eventualmente cometa nova tentativa de homicídio. Se detido, argumentará que não pode ser preso porque sofreu apenas uma “recaída” na sua “doença”, ou “insuficiência mental”, assim classificado seu ato pelos peritos que o examinaram. E ainda, quem sabe, poderá pensar em mover, contra o Estado, uma ação judicial por dano moral, pedindo indenização pela incompetência técnica do estado no tratamento de sua condição mental após a tentativa de matar Bolsonaro. Dirá: — “Não me curei. Em vez de me curar, no hospício, como seria obrigação deles, os psiquiatras só fingiam me tratar, batendo papo de autoajuda e me oferecendo pílulas que eu fingia engolir. Tenho o direito de ser indenizado!”.

Os críticos de Moro acusam-no de parcialidade, de “suspeição”, quando atuava na vasta operação contra o crime do colarinho branco, porque, em conversas particulares, no celular, com Dallagnoll, Moro teria lamentado, sucintamente, que uma promotora, na audiência, não estava se saindo a contento em uma audiência, talvez por timidez.

Isso ainda não ficou confirmado pelas análises de fidelidade das gravações já publicadas, mas, se confirmadas como existentes, elas demostram apenas uma elogiável coerência de Moro, preocupado com a valorização ou desvalorização de determinada prova muito importante juntada aos autos. Em qualquer audiência, a ousadia e a presença de espírito do acusador devem ser pelo menos iguais às iguais qualidades do defensor. Do contrário a prova da acusação fica deficitária, um tanto viciada, com repercussão na decisão final. Há promotores que são ideais, muito preparados para trabalhos calmos, altamente intelectualizados, porém inadequados para atuar em audiências tensas, quase violentas, que exigem uma quase brutalidade, quando a parte contrária tenta intimidar a testemunha, o promotor — se tímido —, ou até o próprio juiz. Lembremos o estilo desrespeitoso do réu Lula quando em vez de se defender, atacava o juiz que o interrogava.

A veracidade de tal suposta sugestão, en passant, ou eventuais outras frases preocupadas de Moro ainda dependem de análise técnica das gravações, mas, a meu ver, mesmo que houvesse observações de Moro em conversas reservadas, informais, ele teria merecido, no máximo, quando ainda juiz, uma advertência funcional da Magistratura, por excesso de zelo na mais alta e nobre missão de qualquer juiz: a busca da verdade real na luta — perigosa e ingrata para qualquer juiz — contra a criminalidade mais lesiva, mais escorregadia e bilionária: a do colarinho branco. Um tipo de crime que costumava ficar impune — antes de Moro arriscar a própria pele —, porque o dinheiro tem poder, influindo até no futuro dos magistrados que querem integrar os tribunais superiores, ambição legítima. Além disso, existia uma longa tradição de tolerância social quanto ao “caixa dois” porque o governo brasileiro sempre se mostrou ganancioso demais estimulando, indiretamente, as pessoas a se defenderem com seus próprios meios.

Que meios? Depositando suas reservas no Exterior, após o confisco da poupança no Plano Collor. Note-se, em favor da severidade de Moro, que mesmo hoje, com a locomotiva da Lava Jato soltando fumaça, a todo vapor, diariamente aparecem na mídia novas formas de desonestidade, comprovando que velhos hábitos são difíceis de serem desarraigados.

Como Moro não é nem teria condições de ser Ministro da Fazenda, procurou fazer o que estava a seu alcance, como magistrado: dar um “stop!” nos desvios da Petrobrás. Mas para que seu empenho desse resultado, procurou colocar nos autos — sua área de trabalho — prova idônea, convincente, capaz de permitir a manutenção de suas sentenças pelas instâncias superiores, como realmente ocorreu. Essa prova, vinda de três fontes, da acusação, da defesa e do próprio juiz — como permite a legislação —, sujeita ao contraditório, em sentenças quilométricas, foi analisada, julgada e mantida por vários desembargadores e ministros julgadores.
Como já frisei em artigos anteriores no meu blog francepiro.blogspot.com  — “Sérgio Moro priorizou a verdade e não violou a lei”, e “Sérgio Moro saiu-se bem no Senado” —, não é verdadeira essa ficção, absurda e amoral, de que juízes devem sentir-se sempre, invariavelmente neutros, desligados, frios, moralmente insensíveis sobre os fatos trazidos a julgamento. Essa invariável frieza ou “neutralidade”, por sinal, seria até uma aberração humana, em casos mais extremamente revoltantes.

Nestes — não é o caso dos julgamentos objeto da Lava Jato —, após vários juízes se recusarem a julgar o caso, confessando sua suspeição ou “nojo” do acusado, o Judiciário teria que procurar um magistrado do tipo “monstro moral”, porque só ele teria capacidade de permanecer insensível, imparcial, em todo o decorrer do processo, evitando acusações de “suspeição”. Provavelmente, esse juiz totalmente isento de emoções, seria mais um robô de carne, incapaz de bem interpretar e aplicar a lei, temperada pela equidade, esse tempero sempre presente nos julgamentos da área penal.

O STF cometerá uma espécie de suicídio político se, agora, com suspeita pressa, decidir anular a prisão de Lula, deixando para um remotíssimo futuro o trânsito em julgado de sua condenação. Solto, “Lula, o carismático” tentará fazer um governo paralelo, incendiando semanalmente o país, afastando investidores, internos e principalmente externos, que preferem investir suas riquezas em lugares menos arriscados, explosivos e imprevisíveis. Justamente agora, quando o Brasil conseguiu, aliado com a Argentina, fazer um acordo tarifário com a União Europeia.

Espera-se que o STF tenha a prudência de evitar conflitos de rua, apedrejamento de edifícios públicos, tiros e possíveis insultos pesados a magistrados de convicções opostas, todos merecedores de respeito. O próprio Lula sairia lucrando, no longo prazo, se esperasse a sua vez para tentar voltar ao poder, no momento mais certo para o país. Essa estória de “Fiat Justitia et pereat mundus”, faça-se justiça ainda que o mundo pereça”, é frase de doido.

(01/07/2019)

sábado, 22 de junho de 2019

Sérgio Moro saiu-se bem no Senado


Uma explicação preliminar.

Em 14/06/2019, publiquei no meu site www.500toques.com.br, um artigo, “Sérgio Moro priorizou a verdade e não violou a lei”, demonstrando que os artigos 156 e 209 do CPP (Código de Processo Penal), ainda em vigor, permitia, e ainda permite, ao juiz — no caso, Sérgio Moro — tomar iniciativas probatórias, quando julgava os casos da Lava Jato, notadamente as acusações contra o ex-presidente Lula.

Como o leitor consciencioso pode não ter acesso fácil ao CPP, transcrevo logo abaixo os dois artigos legais mencionados, sem os quais o cidadão terá dificuldade em chegar a uma conclusão própria, a favor ou contra, da conduta do referido ex-magistrado, hoje Ministro da Justiça e Segurança Pública. Vejamos o que diz a lei.
                                          
Código de Processo Penal

Art. 156:  “ A prova da alegação incumbirá a quem a fizer, sendo, porém, facultado ao juiz de ofício: 
I – ordenar, mesmo antes de iniciada a ação penal, a produção antecipada de provas consideradas urgentes e relevantes, observando a necessidade, adequação e proporcionalidade da medida; 
II – determinar, no curso da instrução, ou antes de proferir sentença, a realização de diligências para dirimir dúvida sobre ponto relevante. 

Art. 209 do CPP: “O juiz, quando julgar necessário, poderá ouvir outras testemunhas, além das indicadas pelas partes. 
§ 1o Se ao juiz parecer conveniente, serão ouvidas as pessoas a que as testemunhas se referirem. 
§ 2o Não será computada como testemunha a pessoa que nada souber que interesse à decisão da causa”.

Essa liberdade do juiz na busca da verdade, autorizada pela legislação, pode parecer excessiva, mas não é, considerando-se que essa liberdade judicial pode ser usada tanto a favor da acusação quanto da defesa. Note-se que o art. 209 fala em “partes”, no plural.

 Exemplificando. Um advogado de defesa, iniciante na profissão, certamente não protestará se o juiz absolveu seu cliente porque, sem atender a qualquer pedido, requisitou determinada prova que comprovou a inocência do acusado, prova essa que o jovem advogado nem pensou em requerer, por incompleto conhecimento do assunto.

Essa “parcialidade” do juiz na instrução do processo, beneficiando o réu, levaria à anulação do processo, na opinião da acusação? É óbvio que não, porque a finalidade última, máxima, da função julgadora é realizar a justiça. É bom, portanto, que os dois artigos do CPP, referidos acima, continuem existindo na nossa legislação. Sérgio Moro, na sua forma geral de trabalhar, segue essa boa orientação. Busca a verdade.

Analogicamente, alguém já disse que “as guerras são importantes demais para ficar apenas das mãos dos generais”. Em julgamentos criminais, principalmente aqueles com imensas repercussões políticas e/ou financeiras, manda a cautela que o juiz se preocupe com a verdade real, e não somente aquela “verdade” formal, selecionada pelo interesse das partes.

A nobre “lei” e sua idealista irmã, a “justiça concreta”, humana, nem sempre conseguem se manter invioladas, pois são operadas, manipuladas, por seres humanos, essa espécie dominante do reino animal com um DNA quase igual ao do chimpanzé e que está longe de merecer total confiança, seja por ignorância, medo, ganância, vaidade, luxúria, soberba e todas as demais falhas — a lista é longa... — que todos nós reconhecemos, inclusive em nós mesmos, latentes ou a pleno vapor.

Também temos, paradoxalmente, virtudes raras que chegam até a chamada “santidade”. O problema, no exame desse mingau moral, é que nunca sabemos o que acontecerá conosco se não nos precavermos, temendo o pior. Por que exigimos recibos quando pagamos uma conta? Por que existem os contratos? Por que existem os recursos nas decisões judiciais? Por que existem códigos de ética profissional, senão porque a experiência dos séculos recomenda prudência no lidar com todos os seres humanos. Entre eles estão advogados, promotores, juízes, peritos, etc. Como este texto examina procedimentos de um determinado juiz, Sérgio Moro, vamos analisar, por alto, sua atividade na Lava Jato.

Moro deveria ter sido totalmente passivo na gigantesca operação destinada a investigar a corrupção existente na Petrobrás e seus desdobramentos? Não. A vasta maioria dos brasileiros exigia e ainda exige rigor sem medo na investigação dos mais poderosos, notadamente daqueles políticos — não são todos — que parecem ter entrado na política com a única finalidade de enriquecer.

Sabe-se, por exemplo, que por baixo das formalidades legais podem ocorrer — embora esporadicamente —, “arranjos”, em que um réu que cometeu ou ordenou um homicídio pague outra pessoa para assumir culpa alheia. Isso é mais ou menos comum quando o homicídio ocorreu na prisão, mas também pode ocorrer fora da cadeia. O preso que já tem grande número de condenações — sem esperança de sair vivo da cadeia —, aceita assumir a culpa de executor, ou mandante de um homicídio, por “xis” reais, porque essa nova condenação não vai alterar sua situação carcerária.

Suspeitando, o juiz, que está sendo enganado por uma falsa autoacusação, ele deve engolir o engodo porque o promotor, eventualmente, não se interessou pela trama, contentando-se com a “confissão do réu”? Igualmente, se um político poderoso suborna alguém para assumir sua culpa em uma desonestidade qualquer — salvando a reputação do político na próxima eleição —, deve o juiz aceitar passivamente a autoacusação ou tomar alguma iniciativa probatória para deslindar a manobra, mesmo sem requerimento do promotor? Deve o juiz aceitar o papel de trouxa? A meu ver, deveria buscar essa prova, se possível. Após colhida, ouvirá as partes. Havendo o contraditório nos autos, pouco importa se a iniciativa da dessa prova veio do acusador, do defensor ou do próprio juiz. Ou, absurdamente, deveria o juiz abandonar o caso só porque foi “parcial”, preferindo a verdade, ignorando a “mentirinha”?

Sérgio Moro, quebrando os velhos costumes brasileiros, pode ser censurado por um ou outro rigor, não habitual, nas detenções provisórias, baseadas no que foi apurado pela Polícia Federal. Esse rigor, que aos brasileiros pareceu excessivo, na verdade não era excessivo. Era apenas “não usual”, no Brasil — comparando com o que ocorria no passado, em que “rico não vai para a cadeia”. Pelo que deduzo do sistema legal americano — com diferentes legislações estaduais —, é usual a detenção provisória do suspeito para a colheita de prova. Qual a utilidade disso? Uma coisa é interrogar o suspeito antes que ele tenha sido orientado pelo advogado. 

Outra, quando ele responde depois de instruído, por seu conselheiro jurídico, sobre o que dizer, como dizer, quando calar, quando divagar, inventar, não se lembrar, etc.

Como tais investigações policiais preliminares resultaram, na maioria, em condenações de duas ou três instâncias, conclui-se que, a Polícia Federal trabalhou bem, no geral, corretamente, sem abuso probatório. Algemas foram desnecessárias, sim, mas isso já foi corrigido na prática da condução.

Alega-se que a prática de prender o suspeito, durante o inquérito policial, acaba “forçando-o” a confessar sua ilicitude, sendo uma forma de “coação”. De fato, há uma pressão psicológica mas justificada moralmente por ser um ganho do país na luta contra um mal maior — a “pressão” interna da própria ganância, a impunidade enriquecedora e bem organizada. Uma pressão psicológica contra alguém que, no geral, sabe que errou, não resistindo à uma má-tentação contra a qual tinha obrigação de resistir como cidadão. Às vezes é preciso que o poder público tome medidas mais severas, mas não gratuitas, oriundas de capricho. 
Essas detenções provisórias eram precedidas de investigação policial que reunia fortes evidências comprovando ilicitudes.

Outros países já passaram por situação semelhante.

Quando Al Capone, nos EUA, praticava contrabando de bebidas alcoólicas e matava concorrentes, a tiros ou até com taco de beisebol,  O FBI não conseguia convencer as testemunhas para depor porque elas, tão logo sabiam quem era o acusado, mudavam de ideia. Como fazer para impedir Capone de prosseguir com seus crimes? Usando a legislação do Imposto de Renda que previa prisão por sonegação de imposto. Um claro “desvio de finalidade” do Governo Americano na luta contra a impunidade. E foi necessária outra “esperteza” para o governo conseguir uma condenação: convicto de que o contrabandista já subornara ou intimidara boa parte dos jurados que o julgariam naquele dia, o juiz decidiu, na hora, bruscamente, mandar o caso para um outro corpo de jurados, no mesmo prédio, sem tempo possível para Capone intimidar ou subornar os jurados.

Capone, vendo isso, fez um escândalo, gritou e protestou contra a deslealdade, mas como não havia ilicitude na troca de jurados, ele foi encarcerado e cumpriu pena até morrer vitimado pela sífilis, já em casa, cercado pela família.

É certo que a justiça só age quando provocada, mas depois da “provocação” ela não deve se tornar inerte, desinteressada, “com cara de paisagem”, ou agindo como se fosse um árbitro em uma partida de tênis. Isso porque um árbitro, no esporte, não pode ter interesse algum no resultado da competição. Já na justiça legal o juiz consciencioso tem — é sua obrigação moral — interesse em obter um resultado honesto da “partida”, a verdade prevalecendo após o contraditório. Usualmente com prova juntada apenas das partes mas, em casos mais complexos também com prova complementar requisitada pelo juiz, como permite a legislação.

No caso de Sérgio Moro, suas sentenças condenatórias foram examinadas com responsabilidade por outros magistrados, desembargadores e ministros, de instâncias superiores, que obviamente leram os autos antes de decidir. Não se pode presumir o contrário, apenas seguindo o mantra de um seu condenado famoso que apenas repete o refrão de que “que foi condenado sem provas”, sem detalhar seu estribilho. Ele alega que nunca foi o proprietário do tríplex porque a escritura não esteve em nome dele, quando o delito está justamente no disfarce da realidade, segundo os autos. Não gosto de espezinhar quem está por baixo, mas Sérgio Moro aplicou a lei segundo sua correta interpretação.

Quanto às trocas de opiniões captadas pelo racker entre juiz e procurador, é de se lembrar que na Itália, juiz e promotor pertencem à mesma carreira. No Brasil, ambas as profissões guardam certa proximidade funcional e física, tanto assim que, nos julgamentos coletivos o promotor senta-se próximo do juiz. Isso porque a função de ambos é apenas a de fazer justiça, não ocorrendo o mesmo na atividade do defensor.

O advogado não é obrigado a fazer justiça. Quando seu cliente é realmente inocente, seu trabalhou é realizar a justiça.  Na maioria dos casos, porém, sua função é beneficiar uma das partes, o réu, mesmo sabendo que ele praticou um crime. Sua glória máxima será profissional, consistente em conseguir absolver um réu quando toda a comunidade pensa, lendo a mídia, que o réu defendido por ele cometeu um crime e, mesmo assim, saiu ileso, graças à inteligência e persuasão do seu advogado. Seu sucesso profissional, quase mágico, “extraindo água das pedras”, o tornará famoso e rico.

Diz o art.6º do Código de Ética e Disciplina da OAB que “É defeso ao advogado expor os fatos em Juízo falseando deliberadamente a verdade ou estribando-se na má-fé”.

 Essa obrigação de veracidade refere-se apenas às demandas não criminais. Nas causas criminais não há tal limitação. A clientela do criminalista é constituída principalmente de pessoas processadas por infrações criminais, já investigadas em inquéritos e processos judiciais. Na grande maioria dos casos, o advogado, para favorecer o cliente, é obrigado a “falsear deliberadamente a verdade”. Mesmo em outras áreas, o papel dele é favorecer o cliente, ou assistido. Um advogado tributarista também não admitirá, nos autos, que seu cliente sonegou, se a prova estiver dúbia.

Outra diferença básica entre a dupla “juiz e promotor” versus advogado de defesa é que este não pode pedir a condenação do réu, seu cliente. Já o promotor pode pedir ou concordar com a absolvição do réu; e isso não é raro, principalmente no tribunal do júri.

Esse enfoque diferente entre essas profissões permite que juízes e promotores tenham, em geral, boa remuneração anual mas não podem se tornar milionários na profissão. 

Já ao advogado criminal é lícito almejar a riqueza, como advogado, graças a sua cultura especializada, dedicação ao trabalho e invulgar poder de persuasão. Mas não acusemos os criminalistas de egoístas. Mesmo com seu tempo sendo muito caro, não é raro que trabalhem de graça defendendo alguns infelizes que não podem pagar mas merecem o socorro jurídico porque de algum modo foram vítimas de coincidências infelizes, ou pobreza, ou falta de orientação, sendo no fundo pessoas boas.

Caso o leitor não esteja plenamente convencido das considerações acima, leia meu artigo “Sérgio Moro priorizou a verdade e não violou a lei”, no meu blog “francepiro.blogspot.com”, ou no site mencionado no início do presente texto.

Se o leitor não se convencer, é seu direito. Não vamos perder tempo tentando provar quem tem razão. Seria inútil, porque o Direito não é uma ciência exata. Além disso é ingrata, em termos de exatidão, porque lida só com fatos passados, não presenciados nem pelo promotor, nem pelo advogado, nem pelo juiz.

Assisti ao depoimento de Sérgio Moro no Senado, dia 19, último, das 9:15 até as 12:00 e das 14:30 até o fim da audiência. 
Pelo que ouvi, considero que se saiu muito bem, sempre correto, paciente, sem empáfia e contra-atacando com firmeza, quando afrontado. Se foi severo atuando na Lava Jato, agiu assim porque se fosse meio “geleia’ o Brasil continuaria o mesmo, cada vez mais dominado pelo crime. Sua passagem pela vida pública merece respeito.

Ou será que “sem generosa dose de corrupção bilionária o Brasil não funciona”? Se assim for, triste sina.

(22/06/2019)